Nem os beija-flores são de fato livres

Um artigo recente da Proceedings of the Royal Society apresentou dados surpreendentes sobre a capacidade de voo dos beija-flores Calypte anna.obtido de: www.uol.com.br/sciam Os machos desta espécie fazem um voo em forma de “J” inclinado em cuja fase descendente estes animais atingem uma velocidade de 385 comprimentos do corpo por segundo. Seria o equivalente de uma pessoa se projetar no espaço a mais de 2300 km/h movido só com o poder de seus músculos! Ok, a gravidade ajuda também, mas ainda é espantoso. É este tipo de situação extraordinária que fêmeas exigentes causam ao fazer com que nós machos mostremos que merecemos seus preciosos óvulos.

Além da velocidade do voo dos beija-flores, sua manobrabilidade também impressiona. Na inflexão do voo em “J” que mencionei acima estes animais são submetidos a uma aceleração nove vezes maior do que a da gravidade, mais do que suportam pilotos de caça. Quando nos levantamos demasiado rápido podemos ter uma sensação de tontura ou até desmaios Obtido em: www.downloads.open4group.com/wallpapers devido à redução da pressão sanguínea na cabeça. Nos pilotos de caça a aceleração gravitacional faz com que o sangue se acumule na parte do corpo que estiver mais distante do centro da curva (por pura força centrífuga) expandindo os vasos sanguíneos destas partes do corpo (em geral o pé) e deixando de irrigar o cérebro. Nos beija-flores é provável que a seletividade das fêmeas tenha levado a veias com uma camada muscular mais espessa, capaz de expulsar o sangue que pretendia se acumular para irrigar o sistema nervoso do esforçado macho.

Ainda assim, não há liberdade total para estes beija-flores. Uma vez a Paula, do Rastro de Carbono, estava às voltas com um trabalho de Processos Evolutivos na faculdade sobre os limites da evolução, fomos juntos à biblioteca porque eu também me interessei pelo assunto. Nossa conclusão foi que a principal limitação à evolução vem do passado daquele organismo. Por exemplo, por muito tempo acreditou-se que os beija-flores tinham tanta manobrabilidade de voo porque a biomecânica de suas asas se assemelhava à dos insetos (outro grupo capaz de manobras estonteantes,  como o sabe toda criança que já brincou com moscas daObtido em: www.eol.org família Calliphoridae). Isso significa que a sustentação do peso de uma mariposa no ar é dividida igualmente nos movimentos descendentes e ascendentes das asas. Um artigo de 2005 na Nature, porém, provou usando tecnologia de ponta que os movimentos descendentes sustentam 75% do peso do animal, contra 25% da batida descendente, igual a qualquer outra ave. Mesmo que a seleção sexual ou natural tenda a compelir os beija-flores a voos cada vez mais ousados, o animal não conseguirá voar como um inseto mais do que um humano conseguirá evoluir rodinhas nos pés. Somos cerceados por nossa estrutura física.

Este post teve sua pauta gentilmente oferecida pela Scientific American Brasil.

Discussão - 3 comentários

  1. rafael disse:

    Realmente, da mesma forma, a cada nova característica que surge, um porta se abre para mais variedades tornando a evolução exponencial. Uma pergunta: se a estrutura atual limita a evolução então organismos altamente especializados como os beija-flores estão condenados evolutivamente? Significa que é daí pro registro fóssil?
    Claro que existirão modificações conforme as pressões seletivas surjam, entretanto, será que a evolução tem mesmo becos-sem-saída?

  2. bessa disse:

    Ih, Rafael. Fazer previsões sobre evolução é complicado! A vantagem é que elas levariam tanto tempo para se realizarem que eu posso falar a bobagem que for aqui que até acontecer já terá sido esquecida há longa data. Uma coisa me parece inquestionável, especialização no sentido de depender completamente de um recurso muito específico e limitado me parece meio que um tiro no pé, sim. É longo o registro de especialistas em nichos que o tempo geológico levou embora. Beco-sem-saída pode ser que não, mas seria uma bela duma loteria. Nem por isso pode-se dizer que especializações vão deixar de ocorrer, já que nada é planejado e que a especialização traz vantagens imediatas ao fitness. Hum, deu até uma idéia para um novo post!

  3. Biosfera MS disse:

    Interessante a sua contextualização e descrição do conteúdo.
    Nossa visão a cerca do Ensino de Ciências está bem de acordo com seu post, parabéns.
    Abração
    Visite-nos

Envie seu comentário

Seu e-mail não será divulgado. (*) Campos obrigatórios.

Skip to content

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM