Participe do sorteio – De cabeça aberta

cabeca aberta

Fonte: www.zahar.com.br

 

Estou voltando de viagem. Uma dessas viagens muito interessantes, mas que nos custam tão pouco. Fui conhecer o cérebro através do livro “De cabeça aberta” de Steven Johnson, publicado pela Jorge Zahar. Johnson expõe uma mescla da vivência em ser cobaia de alguns experimentos em neurociências com seu cotidiano em seis capítulos que versam sobre: a interpretação da expressão facial pelo cérebro, a experiência de traumas, como o cérebro se concentra, empatia e vida social, a química das sensações e imagens cerebrais por ressonância magnética.

Ler “De cabeça aberta” me lembrou daquele clássico do Spielberg nos anos 80, a “Viagem Insólita”. A cada capítulo visita-se uma habilidade do nosso cérebro. Nosso não, na verdade o livro é uma autobiografia do cérebro de Steven Johnson. Como diz a Ana Arnt, uma amiga minha autora do Cultura, Educação e(m) Ciências (acho que parafraseando outra pessoa), o cérebro é o único órgão capaz de pensar sobre si próprio. E se tem um órgão que não deixa de me surpreender é ele, nem o fígado faz tanta coisa legal diferente com tanta complexidade. Leitura fluida de um escritor com formação jornalística, mas muito entendido de neurociências. Mais uma demonstração de que os jornalistas estão com tudo na divulgação científica, vide xis-xis. O livro é desses para se ler com lápis e post-its do lado, já que coloca seu cérebro para ter idéias o tempo todo. Até sugeri mudanças no projeto de uma aluna à luz de um trecho do livro! Valeu a leitura.

 

 viagem insolita

Em breve na Sessão da Tarde

Fonte: www.warner.com.br

 

O livro é ainda integrante da série “Ciência da vida comum”, cheia de outros títulos para quem gosta de ver o que há de científico por todos os lados. Contou também com a revisão técnica da Suzana Herculano-Houzel, neurocientista da UFRJ que deve ser o melhor exemplo de cientista bem sucedido na tarefa de divulgar ciência.

Agora a brincadeira é a seguinte, o Ciência à Bessa está promovendo um sorteio deste livro que me foi doado pela editora. Para participar basta postar um comentário abaixo declarando amor ao próprio cérebro. Publico os comentários e depois nos comunicamos por e-mail para eu pegar um endereço para enviar o livro. Boa sorte…

PS: Esqueci de colocar uma data limite para o sorteio, né. Dia 13/10 faço o sorteio e posto aqui o ganhador. Beleza?

Discussão - 29 comentários

  1. Alessandra disse:

    Vc quer saber o quanto eu amo meu cérebro? rs. Vou contar um caso, vale? A primeira vez e única vez em que fiquei bêbada de verdade, há 10 anos, quando me olhei no espelho e vi minha cara toda “desfigurada”, entrei em pânico e comecei a falar para meus amigos “gente, quantos neurônios eu matei com essa brincadeira? gente, por favor, meus pobres neurônios mortos!!” A lembrança é engraçada, mas na hora até chorei..rs

    Eu não vi o filme, mas li o livro Viagem Fantástica do Isaac Asimov. http://pt.wikipedia.org/wiki/Fantastic_Voyage

  2. dessa( eu da facull... lembra profe!! disse:

    amor pelo meu cerebro (por andressa bertoldi)
    quem há de dizer que nao existe outro ser dentro de nós??
    se tudo que fazemos e pensamos esta sendo comandado por algo ou alguém o qual conhecemos muito pouco..
    esse alguém seria nossa com-ciencia? Ou então nosso cérebro?
    “heis a questào”
    uma máquina desenvolvida a um ponto que nem mesmo o seu “dono” consegue conhecê-la em todos os ângulos.
    esse é o meu cérebro, algo tão perfeito e frágil, tão importante.
    ahhh vai dizer.. fico bunitinhuu!!! ehehehhehehe
    um dia, talvez, iremos conhecê-lo, se ele permitir!

  3. Poucas vezes briguei com meu cérebro. Normalmente compartilho com ele minhas visões, pensamentos e pontos de vista. Ele vai comigo para tudo quanto é lugar. Somos bons amigos, de modo que costumo presenteá-lo com leituras agradáveis = instigantes (Scienceblogs, yes!) e não castigá-lo com autoajudas baratas e programas de tevês do tipo BBB (bundas baratas balangantes).
    []s,
    Roberto Takata

  4. Kim disse:

    Eu sempre acreditei que meu cérebro é o órgão mais importante do corpo, até me lembrar quem estava dizendo isso. Tentei realizar o julgamento com o coração, mas o veredito foi o mesmo: o cérebro faz o sentido ter sentido, a emoção ser sentimento e a memória virar História. Com ele, posso me aventurar em sua realidade virtual, a recriação do mundo onde amar e viver é possível. Eu, coração, sou uma faceta deste cristal bruto. Ame-o como deve, e ele será a única coisa do planeta que saberá, com certeza, a verdade e intensidade deste amor.

  5. Mario Arthur disse:

    “Amor ao próprio cérebro”…
    Para o meu cérebro…
    Oculto dentro das profundezas de minha caverna craniana, está essa massa encefálica, cuidadosamente formada por complexas conexões neurais. Ó encéfalo, o que seria de mim sem tu para quem agora eu escrevo e falo. Tu, massa neural, ocultas os meus pensamentos, sonhos e medos. Preserva no âmago de suas estruturas todos os sentimentos que outrora as pessoas atribuiam ao coração. Mas meu sentimento por este gracioso e complexo aglomerado de neurônios é assaz intenso. Ó cérebro, sem tua adorável presença eu morreria. Não me abandone, cérebro, pois tu és o mantenedor da vida e para você dedico todos os meus atos. Eu te protejo com minha humilde caverna craniana e tu me forneces essa amável presença. Presença tão graciosamente moldada pela evolução. Em tua presença ó cérebro, perco-me em emoção.

  6. Não consigo pensar sem ele. Com ele, minhas mãos ficam trêmulas, transpiram. Minha voz fica embriagada e o meu coração se acelera.
    Todas as minhas lembranças e todos os meus sentimentos e a minha vida são compartilhados com ele.
    Acho que isso é amor… amo meu cérebro.

  7. Claudia Chow disse:

    Amo meu cérebro, o q seria de mim sem ele? (Que clichê, né? hehe)
    Amo tanto meu cérebro q outro dia estava querendo outro igualzinho, mas quem disse q eu achei? Pecinhas raras esses cérebros… 😉

  8. “Meu cérebro, eu só penso em você,
    Meu cérebro, eu só sinto por você,
    Curto seus circuitos,
    Sinto a eletricidade em você.
    Sem você eu morro, sem você eu morro,
    Meu cérebro.
    Você não sai da minha cabeça,
    Eu só sonho com você.
    Você me faz imaginar,
    Você me faz mover,
    Você me faz querer,
    Você… meu cérebro.
    Meu cérebro, você não sai de minha cabeça,
    Todos os meus pensamentos, estão em você.
    Você guarda todos os meus segredos,
    todas as minhas lembranças,
    Sem você eu sou só um corpo vazio,
    vazio sem você.
    É em suas teias, de seus pulsos e impulsos,
    que me encontro.
    Você é a razão de eu viver.
    Você é a razão.
    Você dá o sentido à minha vida,
    meu cérebro.”
    []s,
    Roberto Takata

  9. Ana Arnt disse:

    Olha! Eu estou aí!! Que chique! rsrssr
    A frase citada é de meu ex-orientador da Bioquímica/UFRGS, Prof.Dr. Diogo Souza… Ele sempre diz: A gente pode achar o fígado lindo! Mas o cérebro é o único órgão que pensa sobre si mesmo.
    bjocas

  10. Amanda disse:

    Querido Cérebro,
    desde a primeira vez em que tive consciência de que você estava aqui, me apaixonei. É você quem me faz feliz e quem me conforta nos momentos difíceis. É você que me dá prazer e quem me protege quando sinto medo. Você me desafia a cada dia. Amo-te agora, e amarei toda a minha vida!

  11. Rafael |RNAm| disse:

    Odeio meu cérebro! prontofalei
    Me faz ver as bela praias pela tv q nunca irei conhecer, as belas mulheres nos comerciais que eu nunca terei, a vida perfeita de milionários que eu nunca poderei bancar.
    Além disso, junta tudo e coloca dentro de um belo sonho, do qual ainda tem a pachorra de me acordar.
    Me mostra meus defeitos, o defeito dos outros, o defeito do mundo.
    Me mostra como ele mesmo foi feito para caçar e coletar, e não para se expressar em 140 caracteres.
    Maldito cérebro que me faz sentir dor, fedor, ver a cara do Amaral, e ouvir Calipso.
    Sun Tzu já disse n”A Arte da Guerra” o pq deu precisar deste livro: Conheça seu inimigo.
    Talvez assim eu possa gritar: EI CÉREBRO, SAI DA MINHA CABEÇA!

  12. Isis disse:

    Que surpresa boa! Obrigada por ter me citado! Vou declarar meu amor ao meu cérebro com uma apropriação:
    “Por Você!
    Conseguiria até ficar alegre
    Pintaria todo o céu
    De vermelho
    Eu teria mais herdeiros
    Que um coelho.”

  13. Luiz Damasceno disse:

    Amor é sinapse que faísca sem se ver;
    É estímulo que dói e não se sente;
    É um pensamento descontente
    É razão que desatina a se perder
    É um não pensar mais do que bem pensar.
    Mas como causar podem seus neurônios
    nos corações humanos fragilidade
    se tão contrário a si é mesmo o cérebro?

  14. naomi disse:

    eu amo meu cérebro! se não fosse ele, nem sei o que seria de mim.
    ou do meu blog, que se chama *pensamentos* de uma batata transgênica.

  15. Joey Salgado disse:

    Curso de musicalização: R$ 500!
    Livros de conhecimentos gerais e história: R$ 1000!
    Livros especializados de ciências exatas: R$ 2000!
    Ter meu cérebro: não tem preço…
    Vale essa? Hehe!
    Inté!

  16. Tatiana Nahas disse:

    Gosto tanto do meu cérebro que estou sempre abastecendo o bichinho com chocolate, café, vinho e outras cositas más que o deixam ora calmo, ora excitado, ora falante, ora pensativo…
    Trato de viver intensamente todas as experiências proporcionadas por essas interações entre ele e meus “inputs” e assim aprendemos e nos divertimos muito juntos. O mais legal é que muitas vezes ele traduz esse processo todo em interessantes produções. Por exemplo, foi depois de uma dessas interações que nasceu o post mais acessado lá no Ciência na Mídia.
    Cérebro querido, tô contigo e num abro! Quer sorvete de flocos?

  17. Pink disse:

    Eu AMO meu Cérebro!
    Ass: Pink.

  18. disse:

    Uau!!!Que surpresa de pergunta,então meu cérebro é inacreditável de tão bom!!!

  19. Jackson disse:

    Desculpem… meu cérebro é tão tímido que me privou de originalidade suficiente para criar ode à altura dele!
    Assim, evoco Vinícius de Moraes para falar por mim:
    “Eu possa me dizer do amor ao meu cérebro:
    Que não seja imortal, posto que é chama
    Mas que seja infinito enquanto dure.”

  20. Daniel disse:

    Amo meu cérebro, por isso comento. 🙂

  21. mardonio sarmento silva disse:

    Do cérebro, o que mais sei é que parece ser a sede de nossa identidade. Coisa incômoda, que ativa uma razão incompleta, que mais dúvidas produz que certezas. Se amássemos mais a possibilidade, viva as dúvidas, mas amamos mais a segurança, haja certeza. Essa sede que nos confere individualidade e percepção de existir, também nos brinda com o apego, poita fantástica, instinto de sobrevivência.
    Mas nos permite discordar de tudo e principalmente de nós mesmos. O bom é relaxar por saber que o passado não se deve à nossa vontade e o futuro não depende de entendermos nada.
    Cérebro, tão exaltado por nós, preconceituosos que somos e valorativos viciados em discriminar, não para entender sinteticamente, mas para aviltar e excluir o indispensável. És tão importante quanto a nossa porção mais aparentemente ínfima, pois dela também dependes vitalmente.
    Joguemos o jogo e exercitemos a razão. Isso também dá prazer, e muito.

  22. Mr. Byngo disse:

    Meu companheiro fantástico. Receptor e distribuidor de estímulos. Através dele conheço, desconheço e estranho. Apresenta-me ao mundo e esse à mim – diferente. Guarda em segredo – quem sou eu? Angustia-me ou me ilude. Às vezes sonho, outras eu deliro ou alucino. Meu herói e bandido, companheiro de brincadeiras e fantasias que me remetem ao super-homem e ao sexo. Creio e me crio, procrio. Meu cérebro esse coringa!

  23. Suzana disse:

    Dei uma fugida rápida, quero fazer uma surpresa pro meu cérebro. Quero que ele tenha o prazer de se deliciar com a leitura “De cabaçe aberta”. Ixi, melhor eu ir antes que ele me ache por aqui e estrague o momento.

  24. Braaaaaaain, braaaaaaaain! (By George A. Romero’s Zombies.)
    []s,
    Roberto Takata

  25. Brenda Thay disse:

    O que te engana pode ser uma estratégia natural de Defesa.Adquirir experiências.Conexões ligadas.Vibrações conectadas.Um sistema completo malicioso e poderoso.Não tente enganar ninguém.Quem engana,engana a sí próprio.Pois quando o seu cérebro está tramando alguma coisa,o cérebro dos demais tramam também.(Brenda Thay)
    Abraço!
    Adoraria ganhar esse Livro *.*

  26. Marão disse:

    Tanta massa cinzenta só podia dar no primata mais besta do mundo!Marão

  27. Larissa S. Soares disse:

    Bessa,
    Sinceramente acho que eu que teria que ganhar o livro, já que foi a partir dele que sugeriu a mudança do meu projeto… rsrs
    Bjus

  28. Nina disse:

    AMOOO meu cérebro…….dependendo dos hormônios e do nível de serotonina do dia! Ou seja, meu amor está nas “mãos” dele… Se ele for bem narcisista, me tornará uma fã louca incondicional!

  29. Declaro meu amor ao meu cérebro … mas o que é o Cérebro sem a mente, que a ele controla !?!?! Qual a especificação do Cérebro … será um conjunto de moléculas especializadas em coodenadar funções em nosso organismo. Será ele programado e reprogramado pelos estimulos dos 5 sentidos !?!?! Amo meu Cérebro, agradeço por te-lo e busco mante-lo ativo … Ele é uma importante parte de todo o meu viver.

Envie seu comentário

Seu e-mail não será divulgado. (*) Campos obrigatórios.

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM