O peixe que enrubesce

ResearchBlogging.org

Naquela manhã no consultório psicanalítico…

 

– Dra., sou um peixe muito tímido, não gosto de ficar nadando por aí aos cardumes. Meu negócio é o meu território, quieto e reservado. – Disse o peixinho que atendia pelo nome de Apistogramma hippolytae com seus olhos escuros e uma longa linha preta desde a cabeça até uma pinta na cauda.

– E isso te incomoda? – A voz era doce, mas vinha de algum ponto invisível, ligeiramente escuro atrás do divã.

– Não, de forma alguma. O que me incomoda é que vivem a me tirar sarro porque meus colegas de igarapé dizem que sou um transparente!

– Transparente? – Ecoou a analista.

– Não é que eu seja de fato transparente, antes o fosse. É justo o contrário! Sou transparente nas emoções, só de me olhar qualquer um já sabe o que se passa na minha alma. Se estou com preguiça todo mundo sabe, se me interesso por uma garota ou fico bravo com alguém já me dizem que está na cara.

– Entendo – prosseguiu a voz – Você é transparente porque é colorido.

– Isso! Quer dizer, não. Ah, Dra. não queria me expor tanto. Mas o que posso fazer? – Agora o peixinho, visivelmente irritado, tinha os olhos claros e listras verticais meio azuladas.

– E porque você muda de cor então? – disse a Dra. com sua voz mais suave.

– Ora, não mudo de propósito, simplesmente não posso fazer nada. É como se eu precisasse sair por aí alardeando meus sentimentos. Eu suponho que deixar claro para os outros o que sinto pode me ser útil de vez em quando.

– Como assim?

– Bom, se entro em um debate com outro peixe e de repente começo a me irritar, mudo de cor e ele logo percebe. Aí, se não quiser briga, ele pode parar de me encher e evitar levar umas bolachas. Assim ninguém se machuca, né. – disse o peixe, agora novamente mais pálido.

– E você é o único a mudar de cor? – Perguntou a Dra.

– Não, na verdade, sabe que adoro quando estou com uma garota e percebo que ela está toda listradinha de amor, piscando para mim seus olhinhos escuros. Me faz ter mais confiança de que o meu xaveco está colando. – O peixinho agora sorria com uma tonalidade amarelada com uma pinta na cauda, os olhos escuros continuados até o queixo em uma linha.

– Então essa história de mudar de cor não é assim tão ruim? – Perguntou também com um sorriso sensual a Dra.

– É, acho que não. Obrigado, Dra.

 

Rodrigues, R., Carvalho, L., Zuanon, J., & Del-Claro, K. (2009). Color changing and behavioral context in the Amazonian Dwarf Cichlid Apistogramma hippolytae (Perciformes) Neotropical Ichthyology, 7 (4) DOI: 10.1590/S1679-62252009000400013

 

peixe enrubesce

Tudo bem, enrubescer era só uma metáfora

Fonte: http://www.scielo.br/pdf/ni/v7n4/a13v7n4.pdf

Discussão - 7 comentários

  1. maria disse:

    adorei, bela forma de contar os achados.

  2. Claudia Chow disse:

    Q lindo Bessa!! Queria ver fotos!!

  3. bessa disse:

    Seu desejo é uma ordem, Clau. Já arrumei no post

  4. Rafael disse:

    Muito legal! Ficou criativo o formato do post.
    Fico imaginando se esse caráter de “transparência” é conservado em todos os tetrápodos e apenas não percebemos… Ou não! xD

  5. Marão disse:

    Coitado do Apistogramma, só dá bandeira. Neste mundo selvagem não se pode usar de transparência, há que se mimetizar, é essencial para a sobrevivência. Ter de preferência várias caras, inclusive algumas de pau, para quebrar.Se a moda de demonstrar as emoções e outras sensações escancaradas, pegar no mundo animal, como ficará a evolução? O bicho homem está no tôpo da cadeia “evolutiva” e é cada vez mais um dissimulante, será que eles, os bichos, irão na contra-mão? A psico animal tratando de bichos maiores, como os cães,já deve ter constatado que eles também dissimulam e muito bem.Já ouviram falar na “cara de gato que comeu passarinho”, pois é, eles também são mestres. A sabedoria popular, sempre atenta, já observou esses disfarces. Alguém por aí anda investigando tais comportamentos diferenciados? Nós, os laicos, gostaríamos de saber…

  6. Mr. Bhyngo disse:

    As mães estão livres: a culpa é da bicharada (meu cérebro reptiliniano)
    Tenho brigado comigo ao longo desses anos para negar meu lado bicho. E agora vejo que os biólogos estão cada vez mais próximos de nos libertar das nossas neuroses. Se meu lado ninfômano também faz sexo indiscriminado, algum fetiche ou uma olhadela de voyeur aguça meu lado libidinoso é fruto da minha natureza animal. Portanto, o melhor é relaxar e gozar! Se meu comportamento esquizoparanóide vive perseguindo os outros para criticá-los e minha intenção é destruí-los em função da minha “garbonice” (narcisismo) também é consequencia da minha agressividade bruta. Por que não o fazer se tem muitos chatos e tantos perversos por aí à solta? Ou tem algum neurótico, nesse instante, a me censurar, culpar e incriminar? To nem aí, vocês que assumam seu lado fera. E não me falta uma certa dose de hiperatividade e furor maníaco. Será alguma zoocanalíse de minha parte ou está tudo bem comigo, meu caro Zooterapeuta?

Envie seu comentário

Seu e-mail não será divulgado. (*) Campos obrigatórios.

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM