Ci fora do eixo

Sejam bem vindas e bem vindos à série Ci fora do eixo.

Uma série histórica, 2011 a 2021, reunindo documentos, registros e estórias do processo de introdução, consolidação e expansão do pólo de ensino aprendizagem e pesquisa em Contact Improvisation na cidade de Campinas/SP, de 2011 até os dias atuais.

A palavra “pólo” é para chamar a atenção ao surgimento de um centro de atração. Pessoas de diferentes partes do país e do exterior passaram a procurar o trabalho realizado na cidade em torno do método de Improvisação de Dança conhecido em português como Contato Improvisação (CI) ao longo desta década.

O processo de consolidação do pólo é atravessado pelo surgimento da plataforma Mucíná – Aquela que Dança, em 2016, tendo seu início em 2011, quando cheguei da França para minha formação em pesquisa com duração de 5 anos no Programa de Doutorado em Educação da Unicamp. Sou a introdutora do CI em Campinas, quer dizer, sou a primeira profissional que trabalhou sistematicamente com o Contact Improvisation na região.

Contato Improvisação é um termo de múltiplas definições. Vamos pensá-lo a princípio como um método de Improvisação de Dança, que é o fim que mais temos dado a ele por aqui, sabendo que, assim como as definições, as finalidades também são múltiplas, abrangendo as áreas da Arte, da Saúde, da Educação e, mais recentemente, Organizacional. Na Mucíná – Aquela que Dança, onde coordeno metodologicamente as diferentes atividade, o Contato Improvisação é, acima de tudo, uma prática de educação.

O CI tem 1972 como seu marco temporal inicial, nos Estados Unidos, tendo em Steve Paxton o seu criador, na época um bailarino que mobilizou outros bailarinos profissionais em torno de suas pesquisas. Para saber mais veja outras postagens aqui no blog ou acesse a página do site da Mucíná, com uma tradução feita pelo site CI BRASIL da Contact Quarterly.

De 2011 a 2021 – uma década de trabalho

Uma década de trabalho acumulou muito registro: fotos, vídeos, flyers, textos de divulgação, planos de aula, cadernos de notas, entrevistas gravadas. 

É a primeira vez que um esforço de reunir os registros é feito e, neste momento, não há pretensão de análises. A organização de um banco de dados inicial, com imagens e relatos – estórias, para que no futuro esteja disponível e possa, aí sim, dar base a análises e sínteses menos óbvias, é o objetivo.

Comente e entre em contato: marilia.carneiro@alumni.usp.br

Boa viagem!

 

————– Projeto histórias e temporalidade do processo de consolidação de Campinas como um pólo de ensino e pesquisa em Contact Improvisation. Realização Mucíná – Aquela que Dança, produzido para o canal Cultura Abraça Campinas, com apoio de recursos da Secretaria Municipal de Cultura de Campinas ————— Inclui a série no blogs.unicamp.br/chao e o perfil na rede social instagram @ciforadoeixo

Compartilhe: