Hipótese alpha: Round Robin, um clássico


Car@ leitor@, para acessar o capítulo anterior, clique aqui


Hipótese alpha – Criação de Constanza Paz Espinoza Varas

 

Direções para a performance

Por Marília Carneiro

 

A performance no b2a será a 1a sessão. Haverá uma segunda, na Casa do Lago.

A ideia é experimentar a estrutura clássica em relação com o público (aquele que não dança, aquele que observa a dança).

Round Robin é uma estrutura para a exploração/prática de duetos de CI.

Estar dançando ou estar sustentando energeticamente a round tem o mesmo valor neste trabalho. A dança se perde sem a sustentação do círculo.

Questão:

o público, está onde?

Está sentado e distante dos duetos (quer dizer, os improvisadores que estão na round sem dançar estão mais perto do dueto do que está o público). O glorioso público não está implicado na sustentação energética dos duetos. O público é livre para se comportar como quiser energeticamente. O público não tem o direito de entrar nos duetos. Não se trata de uma performance interativa. Ele será informado a este respeito, para que possa ser um público no mínimo satisfatório em seu papel de público.

Narrativa da consigna da RR:

O foco são os duetos.

Começa com o círculo vazio. Observa-se o espaço. As danças vão urdir o espaço (Aquino, 2003).

1 solo

1 dueto

1 trio de transição

1 novo dueto – sai a pessoa que estava há mais tempo

1 trio de transição

1 novo dueto…

Assim sucessivamente, como uma roda de capoeira, diriam os contatueiros (contateiros capoeiristas).

Questões:

A principal questão parece ser a sensibilidade sobre a duração (pensando com Bogart, no View Points) dos duetos. Menos dos movimentos de dentro das danças, mas dos duetos como um todo. Há a duração justa que permite ao público (e nós, o público no próprio improvisador) ver um dueto desenvolver uma impro, sem que ela (a impro) se esgote. Às vezes o dueto esgota a exploração antes de alguém entrar, normalmente se o círculo demora a responder (quer dizer, a entrar). Esta é a sensibilidade necessária: quando já deu para ver, mas ainda não esgotou? Este é o momento de uma nova pessoa entrar para compor o trio de transição.

FIGURINO:

Vou dirigir o figurino, acatando uma sugestão da improvisadora que teceu uma relação com a arte gráfica. No caso foi a Emily Kimura.

Cores permitidas: vermelho, branco e preto.

Sem palavras escritas. Pode compor o figurino com estas cores. Pode combinar diferentes tons destas cores.Pode ser saia,pode ser calça, pode ser shorts, pode ser vestido, pode ser top, pode ser.

Haverá um pré-preparo performático da round. As direções serão oferecidas no ensaio de sábado e no domingo antes de começar.

Keep safe, and enjoy!

Referência bibliográfica

Aquino, Dulce. A dança como tessitura do espaço. Paisagens do corpo, Cadernos PPG-AU/FAUFBA, Vol. 1, n. 1, 2003, pp. 17-28.

 

 

 


Encontre os capítulos anteriores que compõe esta novela em https://www.blogs.unicamp.br/mucina/category/series/hipoteses-para-o-leitor-uma-novela-performatica-gestual/. Para receber as notificações no seu email, cadastre-se no RECEBA A MUCíNá na barra lateral. Ou siga pela página no Facebook. E não se esqueça de deixar o seu comentário abaixo!;)


 

Compartilhe: