Quais são os princípios do Contato Improvisação?

Contexto da escrita: no final da tarde. Tempo curto de movimento.

O Lab do qual estou participante se pergunta pelos princípios do CI.

A minha complementada por de tod@s:
– controvérsia da definição
– Estudo do movimento – sempre há algo sendo estudado no nível do movimento do corpo no espaço/tempo
– As forças newtonianas – forças que agem sobre o corpo na superfície terrestre. Palavras-chave: gravidade, momentum, resultante de vetores, alavancas
– A exploração do espaço esférico em torno do centro de duas pessoas, afinal, “já me sinto bastante satisfeito que temos conseguido explorar o espaço esférico em torno do centro de duas pessoas” (Paxton)
– Manejo da queda por meio da esfericização do corpo (Aikidô)
– Treinamento de reflexos para o manejo da queda (Paxton, 2008 – Material for the spine)
– A pergunta paxtoniana geradora do CI: “como sobreviver à queda?” – A comunicação por meio da cinestésia – é um jogo de resposta cinestésica (Bogart em View Points)
– O prazer em mover. A liberdade de ser adulto e se permitir desfrutar da fisicalidade para improvisar com outr@s.
– Desierarquização das partes do corpo e da verticalidade
– Regulação de tônus, com percepção do mínimo necessário para realizar cada movimento
– Perceber cinestesia (o movimento acontecendo em nível muscular)
– Transitoriedade dos estados, inclusive psicológicos e emocionais.
– Experiência de meditação: observar o que está acontecendo enquanto acontece.
– Prática de comunicação
– Auto conhecimento
– Consciência de centro e periferia corporais integradas muscularmente
– Tem na pele um órgão de localização espacial
– A prerrogativa de que o toque é público.
– Requer tempo de qualidade investido em movimento (as próprias danças) – por isso práticas de longa duração – para a experiência do estado adrenalado (Paxton [na narrativa de Chute ou de Fall alter Newton).

Boa noite àqueles e àquelas que improvisam e estão terminando de ler estas lista in process de princípios do Contato Improvisação.

Maldonado, 6 de março de 2018.
Marília Carneiro