Sul em Contato – Um Festival de Contato Improvisação em Porto Alegre

Por Fernanda Hübner de Carvalho Leite

Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (PPGAC/UFRGS). Especialista em Pedagogias do Corpo e da Saúde (lato sensu) (2004) e Licenciada em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1997). Bailarina, atriz, professora e produtora,  dedica-se desde 2001 ao ensino, performance e produção de Contato Improvisação em Porto Alegre, Rio Grande do Sul.

sulemcontato@gmail.com / www.sulemcontato.blogspot.com

APRESENTAÇÃO

O Sul em Contato é um projeto de oficinas, Jams, vídeos e performances de Contato Improvisação (CI)  que foi realizado pela primeira vez entre março e dezembro de 2009 na Sala 209 da Usina do Gasômetro em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil, com financiamento do Fumproarte da Prefeitura de Municipal de Porto Alegre. Foi concebido pelo desejo de fazer crescer o número de praticantes de CI na cidade através do aprofundamento técnico nesta forma de dança e uma maior integração com os bailarinos, pesquisadores e professores da Argentina, Uruguai e outros estados brasileiros. O projeto durou mais de 9 meses e ofereceu 12 oficinas com 18h/aula cada distribuídas ao longo de 3 dias além de Jams, performances, exibição de vídeos e conversas. Entre cada oficina com professor convidado, que acontecia a cada duas semanas, foram oferecidas aulas de revisão em dois encontros semanais de 90 minutos. Ao todo foram 288h/aula, sendo 216h/aula de professores convidados e 72h/aula de revisão, além das horas ocupadas com as outras atividades. O projeto teve registros de vídeos e fotos, depoimentos gravados com professores e participantes além de anotações sobre as aulas.

Este material está sendo analisado em meu projeto de Mestrado no Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (PPGAC/UFRGS) sob orientação da Professora Doutora Suzane Weber da Silva. É um Memorial Descritivo – Reflexivo sobre o Sul em Contato, que analisa sua estrutura, conteúdo, depoimentos da edição de 2009 e também contempla considerações sobre edições posteriores a partir de 2012 quando passou a ser realizado no formato de festival independente com duração de 3 a 6 dias. Reflete sobre os processos individuais de formação de corpos dançantes de CI e seus rastros, suas redes, encontros e conexões que se sucederam entre eles em Porto Alegre, na região Sul do Brasil e em relação com países Sul Americanos que tenham uma relação mais direta com o festival.

Para aprofundar discussões conceituais sobre Contact Improvisation dialogarei com autores e autoras seminais desta forma de movimento como Steve Paxton, Nancy Stark Smith, Cynthia Novack, Ann Copper Albright, publicações na revista Contact Quarterly e também autores europeus com publicações específicas sobre CI como Thomas Kaltenbrunner e Jörg Schmid. Aproximo-me também de autoras e autores sul americanos como Marina Tampini, Hugo Leonardo Silva, Fernando Neder, Suzane Weber, Heloisa Gravina, Ana Maria Alonso Krischke, Diego Pizarro, entre outros. Interesso-me por escritas de quem dança, escritas que acompanham a experiência do movimento, entendendo ambas como práticas e formas de comunicação que seguem juntas no desenvolvimento do CI desde um período próximo ao seu surgimento como legítimas formas de expressão deste trabalho.

O IMPULSO CRIADOR PARA O SUL EM CONTATO

Falar de uma trajetória de dez anos do Sul em Contato (2008-2018) envolve visitar memórias e reconhecer esquecimentos. Muito foi perdido e há muito a resgatar e lembrar além do que está registrado em fotos, vídeos, palavras ditas ou escritas. Nos propomos a fazer um registro, observar e refletir movimentos passados e subsequentes. Porém, o recorte de uma década de trajetória reverbera um caminho de ações que se iniciou bem antes e que será apontado aqui como relevante para o atual trabalho. Para tanto, nos parágrafos a seguir, escreverei sucintamente sobre minha história ao encontro, prática, estudo e disseminação do CI e as motivações que me levaram a criar o Sul em Contato como projeto e as seguintes edições como festival.

Conheci Contact Improvisation em 1998/1999 quando fui à Nova Iorque estudar interpretação na The Lee Strasberg Theatre Institute em um programa de 3 meses. Fui fazer uma aula com a artista, bailarina e poetisa formada em BMCTM, K. J. Holmes, no Movement Research, um dos principais laboratórios do mundo para a investigação de formas de dança e movimento. Foi aí que experimentei pela primeira vez CI, e lembro-me de meu arrebatamento com essa experiência recordando a profundidade das sensações físicas, as emoções e os pensamentos que reverberam em meu corpo desde aquele dia. Tive a certeza de que ali, naquela forma de movimento, havia grande riqueza de conhecimentos a ser vivenciada, dada a ruptura que senti. Era uma percepção de movimento a ser desbravada e revelada, um imenso campo de conhecimento a ser desenvolvido e explorado.  Tive a certeza que queria praticar Contato muito e por muito tempo.

Ao voltar à Porto Alegre fui buscar fontes de estudos práticos e teóricos de CI. Embora tenha procurado muito, não encontrei ninguém trabalhando Contato Improvisação explicitamente na cidade. A coreógrafa Eva Schul com quem dançava na época, me apresentou o livro de Cynthia Novack, Sharing the dance – Contact Improvisation and American Culture (1990). Nos processos criativos com a Ânima Cia de Dança usávamos o CI para criar coreografias, mas não tínhamos aulas específicas nem praticávamos além do objetivo de encontrar a estrutura coreográfica para a obra que estávamos montando (De Um a Cinco). A bailarina e coreógrafa Andrea Druck, com quem também fazia aulas e participava de coreografias e performances, produziu e financiou um workshop com K.J. Holmes em Porto Alegre no Buraco Relações de Dança no início de 2000. Acredito que este workshop tenha sido o primeiro específico em CI realizado em Porto Alegre até então.

Logo em seguida, conheci em São Paulo a bailarina Tica Lemos no Estúdio Nova Dança e sempre que podia fazia suas aulas, tanto em São Paulo quanto em festivais de dança que coincidia nos encontrarmos. Tica Lemos pode ser considerada introdutora do CI no Brasil e uma das fundadoras do Estúdio Nova Dança em 1995 com Lu Favoretto, Adriana Grechi e Thelma Bonavitta, e da Cia Nova Dança 4, onde exerceu a função de diretora, bailarina, orientadora corporal e professora (PIZARRO, 2015). No Nova Dança também tive acesso à várias edições da revista Contact Quarterly. Foi lá também que em 2006 estudei com o proponente inicial do CI, Steve Paxton, no workshop Material for the Spine.

Jam no Estúdio Nova Dança em 2006. Ao centro Steve Paxton e Lisa Nelson sentados. Crédito da foto: Gil Grossi.
Jam no Estudio Nova Dança em 2006. Fernanda Carvalho Leite de amarelo em um vôo. Crédito da foto: Gil Grossi.

A partir destas experiências iniciais e de meu desejo de ter uma comunidade praticante de CI em Porto Alegre fui criando estratégias e ações para que esta dança fosse sendo mais conhecida, praticada compartilhada e apreciada. A ação inicial, depois de três anos com as vivências brevemente listadas acima, realizei a primeira Jam em janeiro de 2001. Depois dela outras foram se sucedendo em diversos espaços culturais, salas e parques de Porto Alegre. Ofereci uma primeira oficina de CI na Casa de Cultura Mario Quintana onde recordo ter tido boa receptividade dos alunos. Depois desta, diversas outras oficinas e aulas regulares lecionei em outros espaços.

Fotos de Jams organizadas por Fernanda Carvalho Leite em Porto Alegre em 2001 e 2002 (CODA, Casa de Cultura Mario Quintana e Pacão).

Em 2004 realizei o curso de Pós Graduação em Pedagogias do Corpo e da Saúde na UFRGS e minha monografia foi uma revisão bibliográfica com todo o material que havia colecionado, especialmente o livro de Novack (1990) e edições da CQ, intitulada “A Improvisação por Contato (Contact Improvisation) – o ensino e a aprendizagem de uma dança”, sob a orientação da Prof. Dra. Mônica Fagundes Dantas. Na época constatei a carência de publicações em português sobre o assunto e, a convite da coordenadora do curso Silvana Goellner, publiquei em 2005 o artigo “Contato Improvisação – um diálogo em dança”. O artigo está disponível AQUI

Fotos de Jams organizadas por Fernanda Carvalho Leite em Porto Alegre em 2001 e 2002 (CODA, Casa de Cultura Mario Quintana, Parcão e em frente ao Largo Zumbi dos Palmares).

Além da produção acadêmica, das aulas, Jams e também da produção de workshops com professores estrangeiros que fui conhecendo e trazendo à Porto Alegre (entre eles cito Daniela Schwartz, Eckhard Müller e Ralf Jaroschinski, da Alemanha, Camilo Vacalebre, da Itália morou na Argentina e mora atualmente no Brasil, e Ester Momblant Ribas, da Espanha), senti a necessidade de criar um grupo de investigação. Com meus amigos bailarinos Alexandre Bado, Vera Carvalho e Sandro Willig, criei o GrupoTATO em 2005. Com o grupo (que variou a formação dos integrantes) ficamos em residência na Usina do Gasômetro até 2010 dentro do projeto Usina das Artes. Usina das Artes é um programa de residência e desenvolvimento de trabalho continuado para grupos de teatro e dança em salas do Centro Cultural Usina do Gasômetro através de edital público anual. Lá praticamos muito em aulas, Jams, criamos performances apresentadas mensalmente e espetáculos. As aulas aconteciam duas vezes por semana, as Jams eram semanais e as perfomances mensais. O espetáculos que criamos lá foram: BEATRIZ, a BEleza e A TRIsteZa (2007), Ato ao Acaso (2009) e Depois do Acaso (2009). Atualmente a Usina do Gasômetro está fechada para reformas que, todavia, ainda não iniciaram.

Em 2005 fui ao I Festival Internacional de Contato de Improvisação de Brasília. Na ocasião, uma professora não pode comparecer ao festival e eu acabei dando uma aula no seu lugar.


Esta aula dada por mim gerou a oportunidade de ir ao Festival de CI de Buenos Aires a convite de Cristina Turdo (argentina, pratica CI desde os anos 80, professora titular da Universidade Nacional de Artes, organizadora do Festival International Contact Improvisación na cidade de Buenos Aires). Em Brasília conheci figuras importantes na disseminação do CI no Brasil como Fernando Neder e Ricardo Neves. Quando fui ao Festival de Buenos Aires fiquei muito impressionada com a dimensão que o CI tinha por lá. O festival, com duração de 8 dias tinha aulas concomitantes o dia inteiro, cada uma com enfoque diferente de acordo com o interesse de cada professor, e duas Jams ao mesmo tempo à noite, todas super lotadas. Além do festival as Jams eram diárias ao longo de todo o ano na cidade.

Esta realidade despertou em mim a urgência de estabelecer uma troca entre os países da América do Sul no tangente à prática do CI, botar o “sul em contato”. Como, se estamos tão perto, não temos um fluxo de comunicação e troca maior entre Porto Alegre e Buenos Aires no tangente ao CI? Como desconhecemos o que já acontece lá há tantos anos? Como poderíamos criar uma comunidade grande como a deles? Assim foi nascendo a idéia do Sul em Contato.

Antes disso, ainda em 2006, realizei um evento bastante relevante: a vinda de Nancy Stark Smith à Porto Alegre para um workshop de 10 dias com aulas, Jams, conversas e performances. Nancy Stark Smith dançou nas primeiras apresentações de CI em Nova Iorque com Steve Paxton e outros e, desde então, tem sido fundamental para o seu desenvolvimento como dançarina, professora, intérprete, organizadora, escritora e editora, trabalhando extensivamente ao longo dos anos com Paxton e outros.

O projeto que fiz foi nomeado Nancy Stark Smith – a mãe do Contato Improvisação. O músico Mike Vargas a acompanhou. 

Nancy Stark Smith, Fernanda Carvalho Leite e Mike Vargas. Crédito da foto: Rogério Jacques

Na ocasião muitos argentinos e argentinas e uma uruguaia vieram especialmente para estudar com ela, enquanto poucos gaúchos sabiam bem de quem se tratava e da sua importância para o desenvolvimento do CI no mundo. 

Crédito da foto: Rogério Jacques

Na abertura deste evento tive o privilégio de fazer uma performance com ela e Mike Vargas e, ao final, com todos os participantes, fizemos uma performance baseada na sua estrutura de improvisação, chamada Underscore, no terraço da Usina do Gasômetro. 

Nancy Stark Smith e Fernanda Carvalho Leite em performance. Crédito da foto: Rogéio Jacques
À esquerda no piano, o músico Mike Vargas. Crédito da foto: Rogério Jacques

Este evento teve financiamento do Fumproarte da Prefeitura de Porto Alegre e foi muito acessível em termos de custo para os participantes. Abaixo o programa do projeto.

Nos anos seguintes viajei como professora e performer a diversos festivais como o Encontro Internacional de Contato Improvisação de São Paulo, Contact in Rio, Festival de Contact de Montevideo, Chile e Friburg (Alemanha). Também fui convidada a dar aulas em cidades interior do RS como Caxias do Sul, Santa Maria e Osório.

Em 2010 retornei à Nova Iorque através do edital de Bolsas Décio Freitas da Prefeitura de Porto Alegre com o projeto de pesquisa “ContactViewpoints – perspectivas para o treinamento do bailarino-ator”.  Desta vez realizei um curso de 5 semanas com práticas de Suzuki e Viewpoints na SITI Company. Os Viewpoints são uma filosofia traduzida em uma técnica para treinar performers, construir um grupo e criar movimentos no palco. Criada originalmente pela bailarina Mary Overlie foi posteriormente desenvolvida e propagada no teatro por Anne Bogart junto à SITI Company. O Método Suzuki de treinamento do ator foi desenvolvido pelo diretor, Tadashi Suzuki e da Companhia Suzuki de Toga. Seu principal objetivo é restaurar a integridade do corpo humano para o contexto teatral e revelar habilidades inatas e expressivas do ator. Novamente fiz aulas de CI, especialmente no Movement Research com K.J.Holmes e frequentei várias Jams. Esta pesquisa norteou novos formatos de aulas que pude compartilhar com atores e bailarinos em Porto Alegre, Chile, Freiburg (Alemanha) e também em Nova Iorque durante minha estada. Também foi muito importante para a metodologia de composição do espetáculo SINC, realizado em  2011.

Retornando à época de concepção do Sul em Contato, em 2008, foi necessário encerrar a prestação de contas junto ao Fumproarte do projeto com a Nancy Stark Smith, de 2006, para então poder novamente concorrer ao financiamento que viabilizaria o projeto. Portanto ele foi escrito em 2008 e ganhou o processo seletivo deste ano, para acontecer em 2009. A curadoria dos professores foi feita a partir de minha experiência até o momento, procurando abranger aspectos fundamentais e de aprofundamento técnico do CI bem como técnicas que dialogam com CI e podem entrar na bricolagem formadora dos corpos dançantes dos participantes. Trouxemos professores da Argentina, do Uruguai, da Alemanha e de outros estados brasileiros. Na época não conhecia professores do Chile, nem do Peru e Paraguai para integrar o corpo docente.  

Criamos um blog para compartilhar informações sobre o projeto e que está ativo até hoje: <www.sulemcontato.blogspot.com>.

As oficinas e professores foram os seguintes:

1) Introdução ao Contato Improvisação – Peso e Leveza. Com Andréa Fernandes (Buenos Aires)

2) Contato Improvisação – Fundamentos e Princípios. Com Cristina Turdo (Buenos Aires)

3) Contato Improvisação e o Sistema Consciente de Fedora Aberastury. Com Eliana Bonard (Buenos Aires)

4) Contato Improvisação e Música Orgânica. Com Fernando Neder (Rio de Janeiro)

5) Contato Improvisação e Esferodinâmica. Com Carola Yulita (Buenos Aires)

6) Contato Improvisação – aprofundando a qualidade da dança. Com Gustavo Lecce (Buenos Aires)

7) Contato Improvisação, respiração e Aikido. Com Ricardo Neves (São Paulo)

8) Contato Improvisação – domínio do corpo. Com Pablo Medina (Buenos Aires)

9) As portas da Improvisação – Contato e Improvisação Cênica. Com Florência Martinelli (Montevideo)

10) Contato Improvisação e Body Mind Centering – BMC. Com Lela Queiroz (São Paulo)

11) Contato Improvisação e teatro em espaços não convencionais. Com Claudio Rodriguez (Buenos Aires)

12) Contato, Improvisação e Composição. Com Ralf Jaroschinski (Alemanha)

O valor da inscrição para todas as atividades do projeto foi de R$ 300,00 e representou proporcionalmente para cada inscrito R$ 50,00 por cada oficina de professor convidado ou ainda R$ 1,04 a hora/aula sendo este valor inferior ao valor da passagem de ônibus em Porto Alegre na época. Além disso foram dadas 5 bolsas para bailarinos escolhidos em comum acordo pela Coordenação de Dança do Município de Porto Alegre.  

As inscrições foram feitas através de email com envio de currículo, carta de intenção e se fosse o caso, pedido de bolsa, já que seriam concedidas cinco bolsas. Após a seleção foi pedido o depósito de R$ 100,00 e carta de comprometimento em participar de todas as atividades ao longo do projeto.  Aos que não entraram na seleção foi enviado um email comunicando a suplência bem como a possibilidade de participar das aulas de revisão, das performances, Jams, exibição de vídeos e conversas. Além disso todos seriam comunicados caso houvesse desistências. A oficina avulsa teve o custo de R$ 50,00 (incluindo aulas de revisão) e as aulas de revisão R$ 40,00/6h ou R$ 80,00/mês. Tivemos 60 inscritos para 30 vagas e 24 pedidos de bolsa para 5 contemplados. A seleção foi um trabalho bastante difícil. Então estabelecemos os seguintes critérios:

  1. Comprometimento com assiduidade em todas as oficinas por todos os dias;
  2. Propagação do conhecimento em dança;
  3. Aplicação artística;
  4. Ser representante de grupo de dança (coreógrafo ou bailarino/criador);
  5. Residência em Porto Alegre ou intercâmbio com a Cidade;
  6. Data de inscrição.

No memorial que estou desenvolvendo para o mestrado, maiores detalhes técnicos  da edição de 2009 são abordados, bem como aspectos fundamentais de cada uma das oficinas. As imagens captadas na época podem ser vistas no canal do Sul em Contato no youtube. Sugiro assistir os vídeos a partir da Oficina 1

Clique na imagem para acessar o canal do Sul em Contato no youtube.

Depois de uma pausa em 2010 e 2011, o projeto foi retomado, porém de maneira independente e em um formato de um encontro de 4 dias. Voltamos a produzi-lo em 2012  celebrando 40 anos de existência de CI. Tivemos 4 dias na Sala Cecy Frank da Casa de Cultura Mario Quintana com um professor da Argentina, Gabriel Greco, uma do Uruguai, Catalina Chouy, e uma do Chile, Rocío Rivera, além de mais 2 dias com o professor norte-americano Ray Chung.

Em 2013 também tivemos um professor da Argentina, Iván Baucia, Uruguai, Carolina Silveira, e Chile, Javiera Sanuez, e foi sediado na Casa Cultural Tony Petzhold.

A partir de 2014 o Sul em Contato passou a ter um caráter imersivo, pois os participantes e professores podiam ter como opção dormir todos juntos no mesmo local, e tivemos Ralf Jarochinski da Alemanha como professor do intensivo, e laboratórios com os professores de Porto Alegre Alessandro Rivellino e Juliana Vicari, de Curitiba, Iuky Doi e de Florianópolis, Ana Alonso valorizando desta forma os profissionais da Região Sul do Brasil. Também esteve conosco a uruguaia Catalina Chouy no laboratório de encerramento. Em 2015 o workshop intensivo foi com o norte-americano Gabriel Forestieri e os laboratórios foram com gaúchos Didi Pedone, Sahaj, Priya, André Olmos, Marcia Berselli e novamente com a uruguaia Catalina Chouy. Nesta edição exploramos a saída para a praia de Ipanema (junto ao lago Guaíba) na zona sul visitando e dançando em um espaço chamado Terra Íntegra, onde fizemos uma oficina de Integral Bambu com Filippo Cauac.

Em 2016 , inspirados na mobilização estudantil, nos engajamos com um propósito de ocupar a cidade desde as ruas e parques, até ônibus e instituições públicas ameaçadas pela situação política do país. O Festival passou então a ter um tema: OcupaCidade. Neste ano tivemos pela primeira vez um representante do Peru, Renzo Zavaleta, um da Bahia, Hugo Leonardo Silva, e também o gaúcho, Alessandro Rivellino, a catarinense Ana Alonso e a paulista, Íris Fioreli.

Em 2017 o Sul em Contato teve como tema Mindfulness, Dancefulness, Lifefulness  (atenção plena, dança plena, vida plena), questionando como a atenção plena em nossas práticas pode nos ajudar a lidar com violências diversas da vida. Os professores dos intensivos foram Cristina Turdo, da Argentina e Camilo Vacalebre, da Itália e residente no Brasil. Tivemos professores de Mindfulness, Angélica Adamoli, de Comunicação Não-Violenta, Tiago Bueno, e também nós, os produtores do Festival, eu, Sahaj e Priya, demos aulas.

A oitava edição do Sul em Contato acontecerá dias 12, 13 e 14 de outubro de 2018 e tem como tema Contato Improvisação: Criança Inspiração. Abordaremos o lúdico na dança e a inclusão dos pequenos na prática de Contato e outras atividades. Nas aulas do intensivo da manhã dedicaremos a atenção aos adultos buscando a alegria de suas crianças internas em um intensivo com a professora argentina Marisa Fernandez que vem desenvolvendo um lindo projeto chamado Chico a bailar. Nas tardes teremos oficinas integrando crianças e adultos através da dança, da música (Juliana Sapper, de Porto Alegre), do circo (Fernanda Boff, de Porto Alegre), da capoeira (Sahaj, de Porto Alegre) e dos desenhos (Guadaluppe Raush, de Porto Alegre). Também teremos práticas com bebês, Baby Contact (comigo e Marisa) e CI com pais e filhos (conduzido por Marisa). As noites estarão reservadas para Jams onde todos poderão participar. Cada adulto inscrito poderá levar uma criança nas oficinas da tarde. Estas também serão abertas ao público específico para as oficinas. Todos os inscritos poderão dormir e se alimentar na Casa Cultural Tony Petzhold. As inscrições já estão abertas e possuem vagas limitadas. 

 Inscrições aqui!

AINDA EM MOVIMENTO…

A pesquisa e o festival seguem em movimento assim como a própria prática e a produção de Contato Improvisação. Muito está por vir. Espero ainda trazer mais conteúdo para cá. Por enquanto apresentei um pouco do início deste processo e convido você a fazer parte dele estando conosco no feriado do Dia das Crianças em Porto Alegre, acessando nosso material no blog, youtube, facebook ou entrando em contato através do email. Acredito que desta forma e em conexões como Chão de Dança, estamos fortalecendo nossa rede contateira brasileira, latino americana, mundial. Juntos a bailar!

Sul em Contato, março de 2009. Foto: Frank Jeske

REFERÊNCIAS

LEITE, Fernanda Hübner de Carvalho. Contato Improvisação (contact improvisation) um diálogo em dança. Porto Alegre: Ed. Movimento. v. 11, n. 2, p.89-110, maio/agosto 2005. Disponível em: <http://www.seer.ufrgs.br/index.php/Movimento/article/view/2870/1484>. Acesso em: 10, ago, 2018

NOVACK, Cynthia. Sharing the dance: contact improvisation and american culture. Madison, Wiscotin: The University of Wiscontin Press, 1990.

PIZARRO, Diego. CONTATO-IMPROVISAÇÃO no BRASIL PELA TRAJETÓRIA DE ISABEL TICA LEMOS. Moringa Artes do Espetáculo. João Pessoa, V. 6 N. 1 jan-jun/2015. Disponível em: <http://periodicos.ufpb.br/index.php/moringa/article/view/24995/13668>. Acesso em: 08, ago, 2018

http://www.sulemcontato.blogspot.com