Mala vazia com pão

Acabava de ser atendida. A velhota arrumava os papéis que a funcionária dos correios lhe havia dado.
“Ainda lha roubam”, disse eu. Que não deixasse a mala abandonada no banco que estava a meu lado. Era perigoso.
Voltou-se e sorriu.
A cobrir a cabeça um lenço, estranhamente colorido para quem tem aquela provecta idade, ainda deixava ver os óculos desanimados no nariz.
“Não tem nada, está vazia, menino…”, desculpou-se perante a minha preocupação, enquanto me mostrava o íntimo da mala.
Lá dentro apenas um pão embrulhado em saco de plástico transparente. Um arrepio de vergonha, pela intimidade exposta, correu-me de alto a baixo.
Apenas uma mala vazia com pão.
E ninguém lhe roubaria o pão.
As cartas que necessitava enviar roubaram-me a mais conjecturas e vergonhas, enquanto a velhota saía.
De regresso ao Museu, parei por instantes na banca de um vendedor ambulante de livros usados, no Príncipe Real.
Desliga-me o cérebro, como costumo dizer, e dá-me prazer o caçar livros.
“O senhor desculpe?”. Olhei para o lado mas não era a mim que se dirigia.
A mesma velhota do correio.
“O senhor desculpe, mas sabe a que horas vem o seu colega?”, insistia com o vendedor ambulante.
” Não sei, minha senhora. Não sei nem quero saber!”, respondeu ele de forma seca, deixando perceber que não nutria pelos seus colegas de transacção bibliográfica uma especial simpatia.
“O senhor desculpe, mas sabe a que horas vem o seu colega? É que eu trouxe um bocado de pão para um cãozinho que ele tem.”

Imagem – Elliott Erwitt/Magnum Photos

Discussão - 5 comentários

  1. Anonymous disse:

    Retalhos do dia-a-dia. Assim se constroem os sorrisos e as tristezas que nos vão marcando o percurso.Um abraçoIsabel

  2. Pois é Isabel e neste caso foram os dois…Luís Azevedo Rodrigues

  3. Abobrinha disse:

    LuísLindos, estes dois momentos de interacção roubados ao dia-a-dia que se cumpre sem pensar (quem é que pensa nos correios ou em qualquer repartição pública?). A minha “interacção” marcante mais recente nos CTT foi um rebolar de olhos quando uma rapariguinha opinava sobre o Joe Berardo, que na sua douta opinião só se tinha tornado conhecido depois da OTA (???) ao Benfica. Suponho que cada qual tenha os momentos que merece!

  4. A OTA ao Benfica!!!Lindo!:)Eu de vez em quando ainda penso, dá-me para isto…mas cada vez menos, prometo-te, Abobrinha!Luís Azevedo Rodrigues

  5. Abobrinha disse:

    LuísSó quando chegares a catedrático é que podes deixar de pensar. Até aí tem mesmo que ser. Quanto a não pensar nas repartições públicas, se o ambiente não for suficientemente desincentivador para o cérebro, tens sempre leitores de mp3 e outros que tais. Pessoas que pensam são perigosas: podem sentir-se tentadas a fazer coisas. Ou só a reclamar. Ou a calar-se. Dá muito trabalho qualquer uma delas.

Envie seu comentário

Seu e-mail não será divulgado. (*) Campos obrigatórios.

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM