BICHO-DE-CONTA

Bicho-de-conta

“Meu pobre bicho-de-conta

Que te enrolaste de vez

Já não vives nos jardins

Já não sentes, já não vês

Só sei, meu bicho-de-conta,

que te enrolaste de vez

Já não sentes, já não vês

Só sei, meu bicho-de-conta,

que te enrolaste de vez

Minha alma, se te matei
Perdoa por esta vez

Fiz-te aspirar tão acima

Que desceste onde hoje vês

A seres um bicho-de-conta

que te enrolaste de vez

Que desceste onde hoje vês

A seres um bicho-de-conta

que te enrolaste de vez

Não deixes o desespero

Ferir-te onde tu não vês

Há mais coisas nesta vida

Mais prazeres que não vês

Que essa dor que te atingiu

E que te enrolou de vez

Mais prazeres que não vês

Que essa dor que te atingiu

E que te enrolou de vez

Meu pobre bicho-de-conta

Que te enrolaste de vez”

Camané, letra de Luís de Macedo

Imagens – daqui

Discussão - 0 comentários

Participe e envie seu comentário abaixo.

Envie seu comentário

Seu e-mail não será divulgado. (*) Campos obrigatórios.

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM