Extraterrestres por todo lado

micropatos.JPG
1966, Walt Disney Productions

Na reportagem de capa da revista Pesquisa deste mês, conversei com alguns estudiosos do espaço sobre possibilidades de vida fora da Terra. O assunto é absolutamente fascinante, sobretudo quando se conversa com pessoas que acham bem provável que a vida esteja disseminada pelo Universo.

Mas não se trata de homens verdes nem monstros gosmentos. Nem micropatos, como na história do tio Patinhas que o Douglas Galante me mandou. Mais provavelmente seriam microrganismos. Quem diz ser possível é a bactéria Deinococcus radiodurans, que sobrevive a níveis inacreditáveis de radiação e, se as condições experimentais revelam algo, talvez faça viagens interplanetárias agarrada a grãos de poeira.

Quando estava escrevendo, ouvi num episódio do dispersando o Fábio Almeida comentar sobre um conto que parecia caber como uma luva na história que eu queria contar. Enchi o saco de meio mundo e achei. Ou melhor, o John Wieczorek, amigo de Berkeley, recrutou a ajuda de mais um amigo e me mandou o resumo de “Pictures don’t lie”, publicado por Katherine MacLean em 1951. E que também deu origem, em 1962, a um episódio para a série de televisão “Out of this world”, apresentada pelo ator Boris Karloff.

Conto aqui rapidamente. Quem não quiser saber a história, pode pular este parágrafo. Os tais extraterrestres interceptam o sinal da televisão e aparecem pedindo permissão para visitar. Vendo pessoas parecidas conosco e falando uma língua compreensível (inglês, claro), o representante do governo obviamente aceita. Combinam tudo direitinho, vão se comunicando ao longo do caminho. Mas quando a nave pousa, não encontra o comitê de recepção. Nem os terráqueos veem os visitantes, que acusam os anfitriões de lançá-los numa armadilha, um pântano cheio de monstros que começam a devorar a nave. Pois os monstros, descobre-se no fim, eram protozoários.

O Igor achou uma sensacional versão radiofônica, que vale muito a pena para quem tem os ouvidos treinados pro inglês (ou quer treiná-los). Para um pouco da ciência que alimenta a ficção, não esqueça minha matéria!

A onda do aborto

De repente só se fala de aborto. Abortamento, explicou o Karl. Tem outra ótima análise no Brontossauros, e o Osame também entrou no assunto aqui e aqui.

Eu andei muito mal-humorada com o tema. Não por considerá-lo irrelevante, mas por ser completamente inoportuno: numa eleição presidencial, serve apenas como embate moral. E como manobra de distração. A opinião de um presidente não tem o menor efeito sobre essa legislação. Infelizmente, as pessoas não parecem tão preocupadas com isso quando se trata de eleger deputados e senadores – que, esses sim, apitam sobre o assunto.

Mas me rendo, não por ter algo novo a dizer. Porque garimpando nos arquivos deste blogue achei dois textos que são pecinhas do debate. Um da Suzana Couto, autora do ciência e ideias que teve de se retirar por questões profissionais. Por isso está apenas na nossa casa antiga, um motivo a mais para trazê-lo para cá. E outro meu sobre aborto seletivo na Índia.

Reler os textos me deu vontade de aproveitar que o tema está em pauta para recolher mais opiniões.

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM