Mais Autópsias


Tenho recebido comentários, alguns bastante indignados, sobre a questão das autópsias. Sejamos breves: não sou contra a autópsia como instrumento de conhecimento médico. É uma atividade médica secular. É interessante notar o comportamento dos médicos frente à autópsia de acordo com o conceito de doença. Na medicina antiga (gregos e galênicos) a autópsia era inútil pois a doença era uma alteração da circulação dos humores. Não se podia aprender nada do corpo morto: humores não circulam em cadáveres.

Quando se associou a doença com a anatomia patológica – coisa que aconteceu no século XVIII e XIX – a autópsia passou a ser um instrumento importantíssimo, permitindo grande avanço da medicina e cirurgia. São figuras proeminentes dessa época Morgagni, Xavier Bichat e, principalmente, Rudolf Virchow.

Entretanto, várias fontes, na última década, têm percebido uma queda no número das autópsias (a exceção são os estudos médico-legais, que vêm aumentando). Para ver algumas, clique aqui. Post no Ecce Medicus. Outros blogs. A literatura médica vem dando mais destaque para esse fato, sempre com um tom de lamentação, atribuindo o fato a uma falta de estímulo aos mais jovens por parte dos mais experientes, custos, medo de processos, entre outros.

Na visão que este blog defende, essas são apenas consequências e não as causas. A causa real seria a de que o conceito de doença vem novamente apresentando mudanças radicais, principalmente nas últimas décadas, o que está exercendo forte influência no número de autópsias realizadas. A exemplo da medicina galênica, a autópsia passa a não ter mais importância para o médico, comunidade médica e familiares. Parece estar havendo um retorno à medicina do vivo! (O que faz todo sentido, aliás, dada a necrofobia dos tempos atuais). Além disso, a fragmentação do conhecimento médico é cada vez maior e os ramos integrativos da ciência médica estão minguando tal e qual as autópsias (ver este post).

Procuram-se explicações para o fenômeno. Habermas: fenômeno de sociedades tardo-capitalistas baseadas na tecno-ciência (autópsia=medieval)? Baumann/Nietzsche: necrofobia, neocristianização (autópsia=violação/violência)? Lyotard: sociedade virtual, simulacros (melhor em bits que em carne e osso)? E por aí vai.

A indignação dos patologistas e defensores da autópsia deveria transmutar o choro em ação e adaptar a autópsia à nova racionalidade médica emergente. Só assim, poderíamos revalorizar a autópsia como procedimento medicamente útil. Quem sabe veríamos hospitais como o Einstein, Sírio-Libanês ou Oswaldo Cruz alardearem como estratégia de marketing a (re)inauguração de suas salas de autópsia?

Discussão - 6 comentários

  1. Maria Guimarães disse:

    estou aqui tentando imaginar – como seria essa autópsia adaptada à medicina moderna?

  2. Karl disse:

    Alguma coisa com resultados rápidos (hoje elas demoram quase 1 mês) e investigação minuciosa (apresentam apenas resultados gerais).As séries de ficção como CSI mostram um tipo de autópsia high-tech nos casos medico-legais. Não custa sonhar com algo assim para as causas médicas.

  3. Maria Guimarães disse:

    mas aí não se trata da vontade dos patologistas, mas dos recursos disponíveis para eles.falando em csi, soube que os legistas brasileiros têm que trabalhar no improviso e até comprar seu próprio material, porque o que lhes fornecem não tem a qualidade mínima necessária.qual é a solução? não se trata de conceito atrasado dos patologistas e dos legistas…

  4. Jurgem Moreira Bhering disse:

    Prezados colegas médicos,
    Penso que as famosas sessões anátomoclínicas da disciplina de antomia patológica, em 1983, na faculdade de medicina da UFMG, foram extremamente importantes para o desenvolvimento do meu raciocínio clínico e fisiopatológico. Ver uma destas sessões ministradas por discípulos do famoso Prof. Bogliolo foi memorável.Julgo que é relevante para todas gerações de médicos correlacionar anatomia,patologia,fisiopatologia e clínica, não somente nos livros (ou virtual), mas experimentar de fato toda a atmosfera ao mesmo tempo científica e macabra destas sessões.

  5. […] vem caindo vertiginosamente enquanto que o número de autópsias médico-legais aumenta (ver aqui e aqui). Podemos chamar de autópsias clínicas aquelas em que a equipe médica tem interesse em descobrir […]

  6. […] corpo vivo. Tal discussão se insere no contexto da virtualização do corpo pela medicina, assunto caro a esse espaço, mas do qual não nos ocuparemos agora. Passemos então, a […]

Envie seu comentário

Seu e-mail não será divulgado. (*) Campos obrigatórios.

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM