12 – Vale a pena substituir uma energia por outra??

Esse texto é para as pessoas que visam substituir uma forma de energia por outras. Você já pensou nessa possibilidade? Se sim, porque você quer trocar? O texto irá abordar especificamente estes motivos.

Notícia

Uma notícia da BBC(2), publicada em outubro de 2018, mostra um exemplo de uma indústria que visa substituir o carvão mineral por biomassa, com o objetivo de gerar eletricidade. O motivo é que o país em questão (Reino Unido) visa a redução de gases de efeito estufa. Desta forma, não só o Reino Unído, mas a União Europeia está tentando fechar as usinas de carvão em vários locais. A Drax (empresa da reportagem), frente a esse cenário, tenta se adaptar a este, visando uma substituição de um combustível não-renovável para um renovável.

Porém, existem empecilhos. Um destes é em relação a manutenção da biomassa, uma vez que está é mais complexa de se manusear. Outro obstáculo é em relação ao impacto exigido pela obtenção da biomassa, que requer a derrubada de árvores. Tanto que mesmo a empresa alegar que a biomassa é mais limpa do que o carvão, acrescentando que as florestas podem ressurgir com o decorrer do tempo, não convence todos os ambientalistas pelo fato do tempo que leva para haver este reflorestamento.

Contextualizando aqui no Brasil

Vimos que mesmo em um país com mais alternativas energéticas como o Reino Unido possui dificuldades em relação a esta transição de energia. Após analisar este exemplo, vejamos o Brasil.

Segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica(1), dentre as 2999 usinas termelétricas outorgadas, possuímos 24 geradores de energia a carvão, sendo 14 de carvão mineral, 8 de carvão vegetal, e 2 sem especificação. Logo, a geração de energia a carvão é muito pequena, inclusive no cenário dentre as energias não-renováveis. Porém, o fato do carvão não ser muito ativo na geração de energia no Brasil (os dados da Empresa de Pesquisa Energética também comprovam esta teoria), não quer dizer que ele seja fácil de ser substituído por outra fonte energética(4).

Apesar do carvão não ser muito forte na área da energia aqui no Brasil, ele também tem outras utilidades. Uma destas é o preparo de alimentos. Após o aumento do preço do gás de cozinha, está alternativa ao uso do carvão aumentou, já que o carvão é mais barato(3). Este exemplo já diz que da mesma forma que não é simples substituir o carvão no Reino Unido como uso energético, não é tão fácil substituir o carvão no Brasil para uso alternativo. Sem levar em conta que o carvão no Brasil também tem uso na indústria siderúrgica.

Resultado de imagem para coal kitchen

Conclusão

Como podemos ver, no Brasil também é difícil substituir o carvão mineral, apesar de sua pouca participação na matriz energética. Isto pois para a transição de um combustível para outro, é necessário averiguar as vantagens e desvantagens. E nem sempre podem parecer obvias estas vantagens e desvantagens, como no caso do crescimento do uso do carvão mineral, que ocorre devido a alta de preços do gás natural.

Supondo que no Brasil seja estudado uma transição de uma usina a carvão mineral para uma usina solar, teria que ser averiguado se é viável ou não. Uma das formas é a superação das desvantagens da energia solar, dentre elas a sua sazonalidade. A manutenção de uma usina solar e de uma usina a carvão também se diferenciam, sendo também um ponto a ser avaliado.

A conclusão é para qualquer estudo de transição de fontes renováveis, é necessário um estudo prévio para saber as possibilidades e as consequências boas e ruins, caso seja possível esta alternância de energia. Até mesmo em um cenário em que é obrigatório essa exigência, como no Reino Unido. Inclusive recomendo a leitura do texto anterior, que trata da mesma temática, só que abordando mais o biodiesel.

Links para estudos abaixo. Até a próxima.

Referências Bibliográficas:

(1) ANEEL. USINAS do tipo UTE em Operação. Disponível em: <http://www2.aneel.gov.br/aplicacoes/capacidadebrasil/GeracaoTipoFase.asp>. Acesso em: 6 dez. 2017.

(2) BARANIUK, C. Como reinventar uma usina gigante movida a carvão para produzir energia verde? Disponível em: <https://www.bbc.com/portuguese/vert-fut-45766089>. Acesso em: 4 nov. 2018.

(3) COSTA, D. Com alta no preço do gás, mais brasileiros passam a usar lenha e carvão. Disponível em: <https://oglobo.globo.com/economia/com-alta-no-preco-do-gas-mais-brasileiros-passam-usar-lenha-carvao-22629819>. Acesso em: 5 nov. 2018.

(4) EPE. Brazilian Energy Balance 2016, Year 2015. Empresa de Pesquisa Energética – EPE (Brasil). [s.l: s.n.]. Disponível em: <https://ben.epe.gov.br/downloads/Relatorio_Final_BEN_2016.pdf>.

Ícones da capa pelo aplicativo Flaticon:

Icons made by smalllikeart from www.flaticon.com is licensed by CC 3.0 BY.
Icons made by Cursor Creative from www.flaticon.com is licensed by CC 3.0 BY.
Icons made by pongsakornRed from www.flaticon.com is licensed by CC 3.0 BY.

Rafael Henrique

Sou graduado em Engenharia de Energia pela PUC Minas. Recentemente, concluí o mestrado em Planejamento de Sistemas Energéticos pela UNICAMP. Decidi dar inicio a este blog, com o intuito de abrir o espaço de divulgação científica relacionado a energia e seus temas relacionados.

Você pode gostar...

7 Resultados

  1. Cleber BATISTA Margarida disse:

    Excelente material, parabéns

  2. Anonymous disse:

    No caso, o carvão usado para aquecer alimentos é carvão vegetal… a situação é um pouquinho diferente, procure se inteirar

  3. Inacio Manoel Conceiçao Neto disse:

    O Brasil, pais tropical, sol a pino na parte do ano, nao seria a energia solar a mais barata para os brasileiros? Claro que se houvesse politicas publicaspara fomentar esta energia. Gostei de seu texto, continue e boa sorte.

  4. Vinícius disse:

    Ainda não sei uma alternativa ecológico e eficiência para fazer um churrasco sem carvão.

  5. Vinicius disse:

    Ainda não sei uma alternativa ecológica para se fazer um churrasco

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *