31 – Ilhas de calor

E aí, pessoal?

Diante dos acontecimentos em relação ao aumento do desmatamento da Amazônia, é que este texto será baseado.

Nem preciso dizer que o episódio em relação a Amazônia e a outras florestas comprometem profundamente o desenvolvimento sustentável, além de outras consequências graves[1][2]. Tem também a ver com o texto que fiz em relação a consumo, caso queiram dar uma relembrada.

Mas o tema do texto será em relação as ilhas de calor. E a sua relação com a ausência de arvores, e consequentemente com energia térmica.

Resultado de imagem para urban heat island

Ilhas de calor

Ilha de calor, como o próprio nome diz, é uma distribuição de calor em um determinado local, sendo este precisamente uma área urbana. Logo, a temperatura e calor deste local costumam ser mais elevados do que as suas áreas ao redor (por isso o termo ilha)[3].

Este efeito ocorre geralmente em áreas urbanas. Isto pois as áreas urbanas contem elevada capacidade de absorção de calor por meio de traços que caracterizam cidades, como asfaltos, prédios, dentre outros. Logo, uma das formas de evitar estas ilhas de calor seria justamente a criação de áreas verdes, de forma a conter o crescimento do calor nestas áreas[4].

Alguns trabalhos que irei deixar de sugestão na bibliografia fazem um estudo destas ilhas de calor, e estudam vários fatores além da urbanização. O comum destes trabalhos é que as áreas mais urbanas são proporcionais as intensidades destas ilhas de calor[5][6].

Consequências da ilha de calor

Acredito que você não queira viver em uma ilha de calor, correto? Pois uma das consequências deste fenômeno é um aumento de consumo de energia nas cidades. Um exemplo é o maior uso de ventiladores, ar condicionado, dentre outros aparelhos que visam a redução da temperatura em seus locais de instalação. Quanto mais calor a pessoa sentir, maior necessidade da mesma querer utilizar estes aparelhos[7].

Existem também outras consequências, como a influência no aquecimento global. Portanto, é muito importante a preservação de áreas verdes em qualquer lugar.

Inclusive, este ponto é importante pois com o que esta acontecendo na Amazônia, isto pode gerar ilhas de calor naquela região, tornando a temperatura impossível não apenas para os animais, mas também para outras comunidades que residem nela. Desta forma, a preservação ambiental da floresta amazônica também tem como objetivo evitar a formação de ilhas de calor nesta região*, ao mesmo tempo que salva espécies e animais da extinção e evita a agravação do aquecimento global.

*OBS.: Região no caso é em torno da floresta e habitat de comunidades indígenas ou espécies. Já foi registrado ilha de calor em Manaus, conforme estudos[8].

Referências

[1] MARINS, Carolina; BERMÚDEZ, Ana Carla, Desmatamento na Amazônia Legal aumenta 66% em julho, aponta estudo, UOL, disponível em: <https://noticias.uol.com.br/meio-ambiente/ultimas-noticias/redacao/2019/08/16/desmatamento-amazonia-legal-imazon.htm>, acesso em: 25 ago. 2019.

[2] POTTER, Hyury, Desmatamento na Amazônia seria o dobro do registrado pelo Inpe, aponta estudo de universidade americana, BBC Brasil, disponível em: <https://www.bbc.com/portuguese/brasil-49402606>, acesso em: 25 ago. 2019.

[3] O que são Ilhas de Calor?, Secretaria da Educação do Paraná, disponível em: <http://www.geografia.seed.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=244>, acesso em: 25 ago. 2019.

[4] CICLOVIVO, Entenda como as árvores ajudam a combater as ilhas de calor nas cidades, CicloVivo, disponível em: <https://ciclovivo.com.br/planeta/meio-ambiente/entenda-como-as-arvores-ajudam-a-combater-as-ilhas-de-calor-nas-cidades/>, acesso em: 25 ago. 2019.

[5] DE SOUZA, Carolina Veiga Ferreira; OLIVEIRA RANGEL, Rafael Henrique; CATALDI, Marcio, Avaliação numérica da influência da urbanização no regime de convecção e nos padrões de precipitação da região metropolitana de São Paulo, Revista Brasileira de Meteorologia, v. 32, n. 4, p. 495–508, 2017.

[6] AMORIM, Margarete Cristiane de Costa Trindade; DUBREUIL, Vincent; CARDOSO, Renata Dos Santos, Modelagem espacial da Ilha de Calor urbana em Presidente Prudente (SP) – Brasil, Revista Brasileira de Climatologia, v. 16, 2015.

[7] MOHAJERANI, Abbas; BAKARIC, Jason; JEFFREY-BAILEY, Tristan, The urban heat island effect, its causes, and mitigation, with reference to the thermal properties of asphalt concrete, Journal of Environmental Management, v. 197, p. 522–538, 2017.

[8] CORRÊA, Polari Batista et al, Estudo do denômeno da Ilha de Calor na xidade de Manaus/AM: Um wstudo a partir de dados de sensoriamento remoto, modelagem e estações meteorológicas, Revista Brasileira de Meteorologia, v. 31, n. 2, p. 167–176, 2016.

Rafael Henrique

Sou graduado em Engenharia de Energia pela PUC Minas. Recentemente, concluí o mestrado em Planejamento de Sistemas Energéticos pela UNICAMP. Decidi dar inicio a este blog, com o intuito de abrir o espaço de divulgação científica relacionado a energia e seus temas relacionados.

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *