34 – Como manter o Corsola na sua forma original

Você já ouviu falar de Pokemon, correto? Bem, se sim, saiba que já abordamos essa franquia relacionando Charizard com energia solar.

Nesse texto, iremos falar sobre o Pokemon Corsola, e abordar tanto ele quanto sua forma de Galar. Através de ambos, iremos refletir como o universo de Pokemon aborda o cenário de aquecimento global através dessa espécie.

Corsola

Corsola[1] é um pokemon do tipo aquático, baseado em uma coral.

File:222Corsola.png

A sua forma de Galar é do tipo fantasma. Diferente da sua forma regular, ela possui uma coloração branca. De acordo com a Pokedex de Galar, o Corsola ficou dessa forma devido aos efeitos do aquecimento global.

File:222Corsola-Galar.png

Acredito que se você chegou a essa parte do texto, deve ter percebido que a transformação do Corsola tem uma explicação. Isso é baseado no “branqueamento” dos corais, cujo fenômeno é dado por essa mudança climática[2]. O branco, no caso é o esqueleto das corais, o qual é coberto com a relação simbiótica delas com as algas. Basicamente, o aumento da temperatura dos oceanos expõe o esqueleto branco, pois as corais retiram as algas perto dela por produzirem oxigênio em excesso para as corais, o qual podem danifica-las. Após esse “branqueamento”, as corais perdem sua fonte de alimentos, podendo leva-las a morte. Dessa forma, o tipo “fantasma” do Corsola de Galar faz muito sentido, pois se trata da “morte” de um coral[3][4][5].

Resultado de imagem para dead coral

Esse fenômeno das corais já acontece em vários locais do mundo, seja no Brasil, quanto na Austrália. Talvez Pokemon esteja realmente passando uma mensagem ambiental para seus jogadores, alertando sobre os efeitos das mudanças climáticas na biodiversidade[6][7][8].

Ressaltando que o aquecimento global é fruto de atividade humana, o qual envolve também uso de energia. Como por exemplo, as emissões via construção de usinas elétricas, ou até mesmo emissões continuas de usinas termelétricas.

O que fazer?

Em outros sites (de educação energética e de meio ambiente) e neste blog já existem dicas de como amenizar os efeitos do aquecimento global. Seja através de um consumo consciente, ou pelo incentivo a fontes de energia mais “limpas”, não necessariamente eliminando as convencionais por motivos econômicos e sociais.

Já temos inclusive dicas de dimensionamento de sistemas limpos, como a solar e a eólica. E também falamos sobre a importância de se estudar o consumo. Não podemos também nos esquecer de discutir o aumento da eficiência em sistemas energéticos.

Medidas mais sustentáveis são sempre bem vindas nesse espaço. E futuramente, mais dicas poderão ser fornecidas a vocês, leitores. A nossa serie sobre a soja (baseada na minha dissertação) é uma prova disso.

Mas é claro, só se você quiser colaborar.

 

Referências:

[1] Corsola (Pokémon), Bulbapedia, disponível em: <https://bulbapedia.bulbagarden.net/wiki/Corsola_(Pokémon)>, acesso em: 19 dez. 2019.

[2] What is coral bleaching?, National Ocean Service, disponível em: <https://oceanservice.noaa.gov/facts/coral_bleach.html>, acesso em: 19 dez. 2019.

[3] MCWHERTOR, Michael, Climate change has started to come for Pokémon, too, Polygon, disponível em: <https://www.polygon.com/2019/11/19/20972466/pokemon-sword-shield-climate-change-galarian-corsola-cursola>, acesso em: 19 dez. 2019.

[4] BISSET, Jennifer, Pokemon have been affected by climate change in Sword and Shield, CNET, disponível em: <https://www.cnet.com/news/cnet-innovation-awards-celebrate-four-products-that-gave-us-2019-breakthroughs/>, acesso em: 19 dez. 2019.

[5] VISSER, Nick, Climate Change is so real there’s a new Pokémon based on dead coral, Huffpost, disponível em: <https://www.huffpostbrasil.com/entry/corsola-dead-coral-pokemon-sword-and-shield_n_5dd34b8ce4b082dae812ee71?ri18n=true>, acesso em: 19 dez. 2019.

[6] BOOM, Daniel Van, Mother Nature can save the Great Barrier Reef… if we help her, CNET, disponível em: <https://www.cnet.com/news/help-mother-nature-save-the-great-barrier-reef/>, acesso em: 19 dez. 2019.

[7] VISSER, Nick, Coral reefs are changing so fast, Scientists say we need to rewrite the playbook, Huffpost, disponível em: <https://www.huffpostbrasil.com/entry/coral-reefs-future_n_592e66d9e4b0e95ac194f6fa?ri18n=true>, acesso em: 19 dez. 2019.

[8] SILVEIRA, Evanildo da, Cientistas detectam imenso branqueamento de corais no sudeste brasileiro, O Eco, disponível em: <https://www.oeco.org.br/reportagens/cientista-detectam-imenso-branqueamento-de-corais-no-sudeste-brasileiro/>, acesso em: 19 dez. 2019.

Rafael Henrique

Sou graduado em Engenharia de Energia pela PUC Minas. Recentemente, concluí o mestrado em Planejamento de Sistemas Energéticos pela UNICAMP. Decidi dar inicio a este blog, com o intuito de abrir o espaço de divulgação científica relacionado a energia e seus temas relacionados.

Você pode gostar...

3 Resultados

  1. Renato disse:

    Muito bom Rafa

  2. Gabriele luana disse:

    Parabéns Rafinha Deus abençoe sua vida 🙏

  3. Marcos Henrique de Paula Dias da Silva disse:

    Muito legal o seu post. Dá para pensar muito no perfil dos pokémons e suas evoluções com relação a aspectos naturais 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *