57 – O problema dos prédios altos no cenário energético

E aí, pessoal?

Hoje vamos falar um pouco sobre prédios. Isso mesmo. Prédios. E sobre a relação de prédios muito altos com problemas em infraestrutura, em especial na área da energia. Tudo baseado em uma recente reportagem, a qual consta a inauguração de um novo prédio em Tatuapé[1].

Tal prédio será o mais alto prédio de toda a cidade de São Paulo.

Sobre o prédio novo

O Platina 220 possuí 172 metros e ficará situado no bairro Tatuapé da cidade. Na própria reportagem, são abordadas algumas críticas quanto a construção do mesmo. Como por exemplo, a questão da identidade do bairro (anteriormente o bairro era conhecido pelos seus sobrados e vilas). E também pela questão da ostentação de construir um prédio muito alto.

Porém, o texto irá focar nesta critica, que é a sombra projetada pelo mesmo, conforme a figura abaixo, retirada do Instagram da.frias (foto da reportagem nas referências[1]):

Foto que mostra sombra de residencial de 50 andares na vizinhança viralizou e causou polêmica na internet — Foto: Reprodução/Instagram/Daniel Frias

Como podem ver, a sombra deste prédio está cobrindo vários casas. Logo, o que você acha que vai acontecer com o consumo energético destas casas cobertas pela sombra?

Sobre prédios muito altos e a energia solar

Como alguns perceberam, a sombra deste grande prédio irá dificultar na obtenção da energia solar destas casas. Pois quanto menos radiação solar estas casas receberem, menos energia será captada por estas. Isto é até reforçado na nossa serie de dimensionamento de sistemas energéticos, como a energia solar e a térmica. Porém, por ser um resumo, não há essa consideração das sombras. Mas, já é postulado que áreas com sombra recebem menos radiação.

Em um texto no site Pagerpower[2], Alex Brooks faz esta critica da construção de prédios muito grandes em relação a energia solar. Pois devido a uma nova lei que permite que prédios maiores sejam construídos, estes podem comprometer a energia solar das casas em Washington.

Em um artigo do Metu Journal of the Faculty of the Architeture[3], essa análise de prédios muito altos é realizada na região de Istanbul, na Turquia. Os resultados provam que em horas com incidência solar mais alta, a sombra é maior projetada e é mais longa, afetando casas vizinhas. Tanto que no artigo é pedido para fazer a consideração da construção de prédios altos e seu impacto na energia solar das casas ao redor.

Finalmente, tem-se o artigo de Loftabadi[4]. Na realidade este artigo ressalta a “importância” de um prédio alto no uso da energia solar. Este possui um maior potencial para armazenamento de energia solar, e isso tem como consequência uma captação maior de energia solar em comparação a outras moradias, até mesmo as vizinhas.

Vale a pena prédios altos?

Em prédios mais altos, o consumo de energia é mais alto, até mesmo comprovado em um estudo da University College London (UCL)[5][6].

Porém, há também várias outras particularidades que demais casas não tem[7]. Tanto que o caso do 432 Park Avenue[8] é um exemplo de como um prédio muito alto as vezes nem sempre é algo muito bom.

Desta forma, acredito que prédios muito altos possuem mais desvantagens do que vantagens, tanto no aspecto urbano, quanto no aspecto energético. Mesmo os prédios altos terem maior aproveitamento da energia solar, e mesmo havendo medidas mitigativas quanto ao sombreamento destes prédios[9], não vejo a necessidade da construção destes justamente para “embelezamento”.

E você? O que acha? Links nas referências. Até a próxima.

Referências

[1] PAULO, Paula Paiva, Novo prédio mais alto de São Paulo será inaugurado em 2022 no Tatuapé; veja vídeo, G1 – Globo, disponível em: <https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/2021/06/18/novo-predio-mais-alto-de-sao-paulo-sera-inaugurado-em-2022-no-tatuape-veja-video.ghtml?utm_campaign=g1&utm_medium=social&utm_source=twitter>, acesso em: 28 jun. 2021.

[2] BROOKS, Alex, Shadowing Threat to Solar Panels, PAGERPOWER Urban & Renewables, disponível em: <https://www.pagerpower.com/news/solar-array-shadowing-tall-buildings/>, acesso em: 28 jun. 2021.

[3] SAKINÇ, Esra; SÖZEN, Müjgan ŞEREFHANOĞLU, The Effect Of Tall Buildings On Solar Access Of The Environment, İstanbul Levent As Case, METU JOURNAL OF THE FACULTY OF ARCHITECTURE, 2012.

[4] LOTFABADI, Pooya, Solar considerations in high-rise buildings, Energy and Buildings, v. 89, p. 183–195, 2015.

[5] UCL, UCL-Energy “High-Rise Buildings: Energy and Density” research project results, [s.l.: s.n.], 2017.

[6] High-rise buildings much more energy-intensive than low-rise, UCL, disponível em: <https://www.ucl.ac.uk/news/2017/jun/high-rise-buildings-much-more-energy-intensive-low-rise>, acesso em: 28 jun. 2021.

[7] CARVALHO, Roberto Pedroso, Prédios Cada Vez Mais Altos, Problemas Cada Vez Maiores com o Transporte Vertical da Água, Ycon Formação Continuada, disponível em: <http://www.ycon.com.br/hidraulica/predios-cada-vez-mais-altos-problemas-cada-vez-maiores-com-o-transporte-vertical-da-agua/>, acesso em: 28 jun. 2021.

[8] HYPENESS, Capitalismo decadente: O prédio de R$ 17 bilhões que está se desfazendo em Manhattan, Hypeness, disponível em: <https://www.hypeness.com.br/2021/03/inundacoes-e-elevadores-quebrados-o-predio-de-r-17-bilhoes-que-esta-se-desfazendo-em-manhattan/>, acesso em: 28 jun. 2021.

[9] MAGEE, Tamlin, Shadow-free skyscrapers would redirect the sun’s rays to public plazas, dezeen, disponível em: <https://www.dezeen.com/2015/03/23/shadow-free-skyscraper-concept-nbbj-redirect-sun-public-plaza/>, acesso em: 28 jun. 2021.

Rafael Henrique

Sou graduado em Engenharia de Energia pela PUC Minas. Recentemente, concluí o mestrado em Planejamento de Sistemas Energéticos pela UNICAMP. Decidi dar inicio a este blog, com o intuito de abrir o espaço de divulgação científica relacionado a energia e seus temas relacionados.

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *