Auld lang syne*…

logo-lutamaisva2.jpg

Valsa da Despedida

Adeus amor
Eu vou partir
Ouço ao longe um clarim
Mas onde eu for irei sentir
Os teus passos junto a mim

Estando em luta
Estando a sós
Ouvirei a tua voz.

A noite brilha em teu olhar
A certeza me deu
De que ninguém pode afastar
O meu coração
Do seu.

Então na terra
Onde for
Viverá o nosso amor.

A luz que brilha em teus olhar
A certeza me deu
De que ninguém pode afastar
O meu coração
Do teu.

No céu na terra
Onde for
Viverá o nosso amor.

Letra: João de Barro; Adaptação de composição de: Robert Burns


Disclaimer: Sei que o ideal seria se pudesse oferecere referências melhores – se não de material de primeira mão, ao menos de artigos acadêmicos que analisaram tais documentos ou, no máximo, de livros-textos da área -, mas acabei usando como atalho, para esta série sobre os países participantes da Copa 2010, referências terciárias – e que nem dizem respeito diretamente à questão etimológica. Em muitos casos, a Wikipedia (anglófona, claro) foi utilizada como material para consulta incial (procurei verificar por fontes independentes mais confiáveis). Então fiquem ainda mais atentos para o fato de que as informações podem não ser suficientemente acuradas (eufemismo para incorreção).


Já vai, já?

República dos Camarões (ing. Republic of Cameroon ou fr. République du Cameroun). Há uma longa história de ocupação do território. Mas o nome se deve ao explorador e navegador português que, em 1472, alcançou a foz do que é hoje denominado Rio Wouri em Douala – notando a abundância de crustáceos como lagostins e camarões, batizou o curso d’água de Rio Camarões ou Rio dos Camarões. Ao controle português, sucederam-os holandeses e alemães. Após a Primeira Guerra, franceses e britânicos partilharam o território: com o Camarão Francês à leste (ocupando 80% do território) e o Camarão Inglês à oeste – coletivamente as colônias seram chamadas de “The Cameroons“. Após a Segunda Guerra, Ahmadou Ahidjo proclamou a independência do lado francês – a 1o de janeiro de 1960. Em 1972, as colônias finalmente se reunificaram sob a República de Camarões. [1, p. 13]

República Democrática Popular da Coreia ( 조선민주주의인민공화국, 朝鮮民主主義人民共和國 Chosŏn Minjujuŭi Inmin Konghwaguk) ou Coreia do Norte. A península da Coreia é ocupada desde pelo menos o paleolítico superior. Até 1905, com a Guerra Russo-Japonesa, toda a península era governada pelo Império Coreano. O Japão anexou a Coreia, perdendo-a após a Segunda Guerra. O território foi dividido em uma área sob o comando soviético e uma sob o comando americano – divididos pelo paralelo 38. Em 1950, iniciou-se uma guerra entre as Coreias, com a Coreia do Norte, comunista, buscando a unificação – a tentativa foi frustrada pela intervenção americana em favor da porção sul. Em 1953 foi declarado um armistício que dura até hoje – formalmente a guerra nunca foi encerrada. O nome Coreia provém da dinastia Goryeo ou Koryŏ, que governou a península de 918 a 1392. Chosŏn vem do Reino de Gojoseon, que teria sido fundado em 2333 a.C. e da Dinastia Joseon (1392-1897) – a primeira referência escrita é nos documentos chineses, que denomina a região de Chaoxian (Chosŏn é a pronúncia coreana): de chao “manhã, aurora” e xian “fresco, calmo”, pela posição a leste do país em relação à China (na direção da manhã). [2, pp: 16-7]

República da África do Sul (ing. Republic of South Africa, afrik. Republiek van Suid-Afrika, ndeb. iRiphabliki yeSewula Afrika, xhosa iRiphabliki yaseMzantsi Afrika, zulu iRiphabliki yaseNingizimu Afrika, n. sotho Rephaboliki ya Afrika-Borwa, sotho Rephaboliki ya Afrika Borwa, tswana Rephaboliki ya Aforika Borwa, swati iRiphabhulikhi yeNingizimu Afrika, venda Riphabuḽiki ya Afurika Tshipembe, tsonga Riphabliki ra Afrika Dzonga). Humanos modernos habitam a região desde pelo menos 100 mil anos atrás. Em 1487, Bartolomeu Dias dobrou o Cabo das Tormentas, rebatizado posteriormente de Cabo da Boa Esperança. A região dá nome à Cidade do Cabo. Foi ocupada pela Companhia Holandesa das Índias Orientais. No século 19, ocorre a Guerra dos Boeres, em que os colonos descendentes de holandeses, alemães e franceses, enfrentaram o poder britânico por minas de diamante. Em 1910, foi declarada a independência do Império Britânico, efetivada em 1931. De 1948 a 1994 vigorou a política do apartheid (do afrik. “separação”), política oficial de segregação racial. Em 1994, Nelson Mandela foi eleito presidente. E desde então a África do Sul foi readmitida na comunidade internacional – suspensa em diversos órgãos e competições internacionais pela política racista. A etimologia do termo “África” é controversa. Afri (plural de Afer) é a denominação dos romanos para diversos povos ao sul do Mediterrâneo; o historiador Flavius Josefo associava a denominação ao neto de Abraão, Efer, cujos descendentes teriam colonizado a Líbia; Leo Africano considerava que seria ligado ao grego Αφρική Aphrike (a “não” e phrike “frio, horror” – portanto “sem frio”) e várias mais foram propostas. South vem o ing.ant. suð (“do sul”), provavelmente com base no proto-germânico *sunthaz, de onde viriam o al. Süd, Süden, o fr. sud, o esp. sur, sud e o port. sul – por empréstimo das línguas germânicas. [3, 4]

República Francesa (fr. République française) ou França. Francia era a denominação da região norte da Europa dominada pelos francos. O nome do povo pode ter se originado do proto-germânico frankon “um tipo de lança ou machado de atirar” ou do termo germânico para “livre” (em oposição aos eslavos, povos escravizados na Europa Central). A área do território atual da França correspondia mais ou menos à região romanda da Gália, povoada pelos celtas gauleses (sim, quem lê “Asterix e os Gauleses” saberá), chamada pelos romanos de Gallus – daí, certamente, o galo ser símbolo nacional da França. [5, p. 42]

República Helênica (gr. Ελληνική Δημοκρατία Ellīnikī́ Dīmokratía) ou Grécia. Do lat. Græci (“helenos”), gr. Grakoi. Segundo Aristóteles Graikhos provinha de Graii, como se denominavam os dóricos de Épiro. Ελλάς Hellas, como os gregos chamam a seu país, deriva da tribo que habitava a região da Tessália, os Helli ou Selli [6, pp: 39-40]. Os turcos denominam a Grécia de Yunanistan (“terra dos jônios”), enquanto árabes e hindus se referem a Yunan. [5, p. 57]

República Federal da Nigéria (ing.Federal Republic of Nigeria). A região é ocupada desde pelo menos 10.000 a.C. Diversos reinos se sucederam como o de Calabar, os estados de Igbo, o reino de Nri, o Império Songhai… Nos fins do séc. 19 e início do séc. 20, o Império Britânico invadiu a região, criando a Colônia e Protetorado da Nigéria. Em 1960, a Nigéria declarou independência. O nome provém do Rio Níger (que também dá o nome ao país vizinho mais ao norte, Níger). Especula-se que o nome do rio provenha do tuaregue ngher, abreviação de egereou n-igereouen de (egereou “rio grande, mar” e n-igereouen plural de egereou) e não do latim niger “negro” (suas águas não são escuras e, apesar dos povos nas proximidades serem de pele negra, nenhum outro rio da África Negra recebeu denominação similar – mas poderia ser o caso disso ter ocorrido por ser dos primeiros locais fora do norte da África explorada pelos navegadores europeus). [7]

República da Eslovênia (esloveno Republika Slovenija). É um dos países resultantes da desintegração da Iugoslávia. Apesar de sua história recente como unidade política autônoma, a identidade de uma nação eslovena existe de longa data – desde pelo menos o séc. 16. A região é ocupada desde cerca 250 mil anos atrás, pelos neandertais. Os eslavos devem ter chegado por volta do séc. 6. Slověně “tribo eslava oriental” vem possivelmente do eslavo sláva “glória, fama” ou de slovo “ouvir” (nesse último caso, slověně significaria originalmente “povo que fala (a mesma língua)”. Há outras especulações sobre a origem do termo eslavo, como que seria afim à raiz proto-I.E. *(s)lawos “povo, pessoas”. [8, p. 310-1]

República Argelina Democrática e Popular (ár. الجمهورية الجزائرية الديمقراطية الشعبية Al-Yumhūriyya al-Yazāiiriyya ad-Dīmuqrāţiyya ash-Sha`biyya; tamazight Tigduda tamegdayt taɣerfant tažžayrit; fr. République Algérienne Démocratique et Populaire) ou Argélia. Na Antiguidade, os povos númidas desenvolveram um importante reino. Os habitantes locais acabaram por originar os bérberes atuais. O comando passou das mãos dos conquistadores espanhóis para o do Império Otomano e depois para o jugo francês. A independência foi conquistada em 1962. O nome do país deriva do nome de sua principal cidade e capital: Argel (fr. Alger, ár. الجزائر al-Jezair “as ilhas”, possível contração de جزائر بني مازغان jazā’ir banī mazghanā “as ilhas de Mazghanna” como denominados por geógrafos medievais árabes – referência às ilhas próximas às costas, onde devem ter sido instalados os primeiros portos). [9, p. 54] 

Referências
[1] Collins, H.T.M et al. 1993. Destination: Cameroon. Diane Publishing. 58 pp.
[2] Seth, M.J. 2006. A concise history of Korea. Rowman & Littlefield. 257 pp.
[3] Beck, R.B. 2000. The history of South Africa. Greenwood Publishing. 248 pp.
[4] Ross, R. 2008. A concise history of South Africa. Cambridge University Press. 251 pp.
[5] Taylor, I. 2005. Words and places […] Read Books. 392 pp.
[6] Mure, W. 1854. A critical history of the language and literature  of ancient Greece. vol. 1. Longman.517 pp.
[7] Niger. Online Etymology Dictionary.
[8] Quiles, C. 2007. A grammar for modern Indo-European […] Indo-European Association. 389 pp.
[9] Ring, T.; Salkin. R.M. & La Boda, S. 1996. International Dictionary of Historic Places: Middle East and Africa. vol. 4. Taylor & Francis. 900 pp.

*Título de poema escocês de Robert Burns de 1788. Esc. Auld lang syne = ing. old long since = port. há muito muito tempo.

Discussão - 0 comentários

Participe e envie seu comentário abaixo.

Envie seu comentário

Seu e-mail não será divulgado. (*) Campos obrigatórios.

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM