O infanticídio, a platéia e a lógica de Darwin

A opinião pública sempre fica indignada com fatos como este recentemente ocorrido em São Paulo, em que o pai e a madrasta são suspeitos, é bom repetir – por enquanto são apenas suspeitos – da morte de Isabella Oliveira Nardoni, uma garotinha de cinco anos. Há outros exemplos recentes como o daquela mãe, Simone Cassiano da Silva, que jogou a filha recém-nascida na Lagoa da Pampulha, em Belo Horizonte.
Animais criados em cativeiro, como os suínos, por exemplo, podem comer as próprias crias, motivados por deficiências nutricionais (de proteínas, ferro, etc.). Em grupos de animais que vivem em bandos, como leões e macacos, o líder recém-empossado pode matar as crias novas, filhas do líder anterior, para garantir a perpetuação de sua própria carga genética. Geralmente peixes, anfíbios e répteis não cuidam de seus filhotes, que são entregues à própria sorte na natureza, mas eles já nascem prontos e sabem se defender sozinhos e com eficiência, portanto ainda estão por aí.
Por que nos causa tanta indignação o fato, ou a simples suspeita, de que um pai ou mãe tirou a vida do próprio filho?
Primeiro porque nós racionalizamos o fato e, portanto, os nossos códigos de ética, moral, direito e religião condenam qualquer tipo de homicídio. Mas há uma razão maior. Darwin explica. E vejam só – vamos abrir um parênteses aqui – os nossos códigos de ética, moral, direito e religião também condenam com veemência, por exemplo, o uso de drogas, que causam violência, morte, aliciamento de menores e etc. mas neste caso ninguém se indigna tanto e com tanta intensidade como na questão do infanticídio. Voltemos a Darwin. No tempo em que o homem habitava as cavernas e a civilização humana ainda estava em seus primórdios, com um contingente populacional ainda reduzido, o homem e sua prole corriam riscos de toda sorte e natureza. E para piorar, nossos bebês nascem prematuros, você sabe por quê? Darwin também explica. Mas isso é outro papo. O fato é que eles nascem prematuros e precisam de muitos cuidados. Aqueles pais que cuidavam bem de seus filhos tiveram seus descendentes preservados até que os mesmos atingissem a idade reprodutiva ou mais e, portanto, estes pais tiveram sua carga genética garantida até a próxima geração, e assim por diante. Os outros pais, aqueles que não cuidavam bem de suas crias, perderam-nas antes que atingissem a idade reprodutiva, ou seja, na população como um todo sobressaiu-se, principalmente, a carga genética daqueles que se deixavam seduzir por um sentimento, que hoje nós consideramos muitíssimo nobre, chamado amor parental. Somos descendentes desses.
É a lógica da velha Seleção Natural, sobressaem na população aqueles indivíduos que apresentam um conjunto de características que são mais eficientes quando se trata de sua sobrevivência e preservação, e de sua espécie por conseqüência. É simples assim.
Daí a nossa indignação quando a dor e a tragédia atingem as crianças.

Discussão - 0 comentários

Participe e envie seu comentário abaixo.

Envie seu comentário

Seu e-mail não será divulgado. (*) Campos obrigatórios.

Categorias

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM