Mais um ano sem Stephen Jay Gould

Meu hobby mais absorvente antes de fazer pós-graduação era fazer pesquisas genealógicas, minha e dos outros. Adquiri este hábito em minha adolescência, conversando com meu avô materno sobre velhos parentes. Acho que este passatempo tem algo a ver com minha personalidade e escolhas profissionais: não gosto de “conhecer” nada sem lhe saber a origem, como surgiu e se desenvolveu, em quais condições. Tenho bem claro na mente o momento em que minha “vocação” para divulgador de ciência. Comecei o mestrado em Fitotecnia na UFV em 2000 e vinha ávido por conhecimento. A Biblioteca da universidade me pareceu, e parece, um paraíso. Sempre tive o hábito nerd de realmente explorar bibliotecas e livrarias e numa destas ocasiões descobri a revista Natural History, do American Museum of Natural History. Dei de cara com um artigo do Stephen Jay Gould. Já ouvira falar dele, não fazia muito tempo seu livro O polegar do panda fora lançado no Brasil, mas não conhecia o homem e a obra. Sem exagero, ali descobri que eu queria fazer Ciência. Muito depois é que descobri que os escritos de Jay Gould eram um tanto controversos entre os próprios biólogos, alguns achando que ele fazia tempestades em copos d’água, exagerava conflitos meramente por recurso retórico. Naquele encontro inicial no entanto eu só tinha olhos para a erudição e estilo único do cientista. Em seus textos entendi a importância crucial da utilização do método científico, como a adoção daquela maneira de se abordar os problemas tinha um impacto veramente filosófico na maneira de interpretar o mundo, quem foi esta grande personalidade chamada Darwin, maior entre os maiores, porque sua descoberta do mecanismo da evolução, a seleção natural, mudara a forma como entendemos a vida. Em seus textos vi que se podia não só gostar da Estatística, que no tempo eu enfrentava, como também usá-la, como ele, para se encontrar forças para vencer um câncer. Em 20 de maio de 2002, pouco tempo depois de publicar seu 300° artigo em sua coluna “This view of life” na Natural History, intitulado “I have landed”, pequena obra prima em que fala de suas origens familiares e a continuidade da vida, Stephen Jay Gould morreu aos sessenta anos em seu apartamento em Nova Iorque, cercado de familiares, livros e fósseis. O Geófagos é fruto de seus textos, e como bom filho lembra tristemente sua morte. Voltando ao tema da gênese de coisas e fatos, o título deste post me veio de uma lembrança de juventude. Quando fazia graduação em Areia, Paraíba, muitas vezes viajei de Campina Grande para aquela cidade. Em certo ponto do caminho havia um bar, cujo dono era admirador do cantor Altemar Dutra e por isso instalou uma placa, razoavelmente visível, na frente do estabelecimento, com os dizeres “Mais um ano sem Altemar Dutra”. Eu achava aquilo engraçado, porque era uma placa que não perderia nunca a atualidade.

Discussão - 0 comentários

Participe e envie seu comentário abaixo.

Envie seu comentário

Seu e-mail não será divulgado. (*) Campos obrigatórios.

Categorias

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM