Fórum mundial ciência e democracia

O leitor Jorge Oliveira deixou uma mesagem de parabéns pelo nascimeto da minha filha e, nos comentários, nos deixou de “presente”, um texto que vem ao encontro dos princípios do Geófagos. Reconhecendo a importância do texto e sabendo que o campo de comentários desperta pouca atenção, resolvi postá-lo na integra para que mais pessoas possam ter conhecimento  dos ‘Questionamentos e Diretrizes Oriundos do I Fórum Mundial Ciência e Democracia’,  realizado em Belém, PA, entre os dias 26/01 a 01/02 de 2009.
Jorge, agradecemos o presente!
QUESTIONAMENTOS E DIRETRIZES ORIUNDOS DO
I FÓRUM MUNDIAL CIÊNCIA E DEMOCRACIA – BELÉM 26/1-1/2/2009
Preâmbulo
O presente texto é o resultado inicial do I Fórum Mundial Ciência e Democracia realizado em Belém de 26 de janeiro a 1º de fevereiro de 2009. Foi elaborado e subscrito por participantes de 18 países em 4 continentes. Ele dá início a um processo amplo e inclusivo tendo por objetivo construir uma rede internacional de movimentos, organizações e indivíduos que compartilham questionamentos a respeito da ciência, da tecnologia, e de outras formas de conhecimento, à luz dos interesses sociais e democráticos.
Questionamentos e diretrizes
1. Todo conhecimento, inclusive a ciência, é herança comum da humanidade. Expandir o conhecimento tem sido uma das aspirações mais fundamentais da humanidade ao longo da história.
2. O conhecimento e os métodos de sua produção podem resultar tanto na emancipação e no bem de todos, como em dominação e opressão.
3. Apoiamos os regimes que garantem e promovem os bens públicos e comuns e outros sistemas de recompensa da inovação que não envolvem a criação de monopólios de conhecimento e geração de lucros.
4. A ciência e a tecnologia estão implicadas nas crises que assolam o mundo nos dias de hoje – a crise econômica, a ecológica, a energética e as relacionadas à segurança alimentar, à democracia, à guerra e ao militarismo. É necessário aprofundar nossa compreensão a respeito de como a ciência e a tecnologia são parte tanto das causas quanto das possibilidades de superação dessas crises.
5. É necessário reconhecer que os valores das comunidades científicas são moldados por processos históricos e culturais. A autonomia e a responsabilidade social dos pesquisadores, bem como o caráter público e universal da ciência, precisam ser promovidos, porém levando em conta as diversidades sociais e culturais do tempo presente.
6. Reconhecemos que em diferentes países, e em diversos níveis, incluindo o das instituições científicas e o das comunidades locais, existem diferentes regimes de produção do conhecimento. Os contextos históricos influenciam os desenvolvimentos políticos, culturais, educacionais e científicos na sociedade, dando origem à diversidade na produção do conhecimento tanto científico quanto tradicional. É necessário um novo tipo de sistema de eco-conhecimento adequado a diferentes regimes de propriedade intelectual. Nesse contexto apoiamos iniciativas como a do Acesso Aberto para as publicações científicas.
7. Devem ser promovidas iniciativas visando o envolvimento informado de cidadãos nos processos de tomada de decisões relativas às políticas científicas e tecnológicas em todos os níveis, internacional, nacional e local.
8. É necessário mudar a situação atual, em que os interesses do mercado, o lucro das empresas, a cultura consumista e os usos militares são os principais fatores determinantes dos rumos da pesquisa científica, tecnológica, e da inovação.
9. Adotamos a preservação da vida humana como um valor primordial, e assim conclamamos as comunidades científicas e tecnológicas a não se envolverem em pesquisas com fins militares.
10. É imprescindível promover a participação social e o empoderamento da população a fim de exercer o controle democrático sobre as políticas científicas e tecnológicas.
11. É necessário desenvolver sistemas de pesquisa colaborativos e participativos, de baixo para cima.
12. Temos por objetivo a construção de uma rede internacional que ressalte a importância da ciência e da tecnologia, mas questionando as tendências perigosas que elas manifestam nos dias de hoje em relação à democracia, ao meio ambiente, e à dinâmica da globalização capitalista.
13. Esta rede aberta deve incluir as comunidades da ciência e da tecnologia, e diversos movimentos sociais. Nosso objetivo é estabelecer um diálogo democrático e uma relação de colaboração entre organizações científicas e de cidadãos, e movimentos sociais.
14. A rede visa fortalecer os movimentos que questionam a maneira como a ciência e a tecnologia é dominada por interesses empresariais, privados, militares, políticos e estatais, que afetam os valores éticos e a produção do conhecimento científico e tecnológico.
O presente texto é dirigido a
· Cientistas, tecnólogos, acadêmicos, educadores e especialistas, e suas instituições no mundo todo;
· Povos indígenas, associações de agricultores, sindicatos e outros movimentos sociais e políticos, ONGs, organizações e instituições no campo da ciência e da tecnologia;
· Todos os participantes dos fóruns globais, regionais e locais;
· Autoridades internacionais, regionais, nacionais e locais em todo o mundo.
A ciência, a pesquisa, as tecnologias e inovações estão ligadas a questões amplas e importantes referentes ao futuro de nossas sociedades e do meio ambiente. Conclamamos todos, portanto, a estabelecer conexões concretas entre as respectivas agendas e prioridades políticas e o conteúdo deste documento.
Convidamos todas as organizações científicas e sociais, participantes dos Fóruns Sociais, e cidadãos no mundo todo a ampliar e fortalecer este movimento a partir de agora, de acordo com a seguinte agenda:
Janeiro de 2010: Fóruns regionais Ciência e Democracia
Janeiro de 2011: II Fórum Mundial Ciência e Democracia
Conclamamos todas as pessoas, e todas as organizações, movimentos e redes, a organizar debates públicos a fim de conscientizar a maior parte de nossas respectivas sociedades e comunidades a respeito dessas questões.
Belém do Pará, 1º de fevereiro de 2009

Discussão - 8 comentários

  1. João Vieira disse:

    Gostei muito do texto, mas fiquei com algumas dúvidas:
    3.
    Que seriam estes “outros sistemas”?
    penso que geração de conhecimento envolve investimento. Estados tem capacidade limitada, e não recompensar quem investe parece insensato. Mesmo o Estado deve receber algum retorno, como impostos, por exemplo. Não parece razoável apostar na boa vontade. Não colocaria meu futuro nisso.
    Não estou defendendo o modelo atual, claramente, há falhas. Mas a alternativa tem de ser clara, e não excludente.
    9. Seria interessante uma busca por contribuições feitas por pesquisas militares até hoje e como elas poderiam ser atingidas de outra forma.
    12. “Globalização Capitalista”. Não entendi bem o conceito. Quais são as outras?
    Abraços

  2. manuel disse:

    Caros geófagos
    Apresso-me a agradecer o “presente”. Já foi incluído no blogue alguresnestevale.
    Mais um Fórum desta natureza. Esperemos que se cumpra o “água mole em pedra dura tanto dá até que fura”. Mas a “pedra” parece ser de dureza máxima. Não sei porquê,mas ,a propósito, ocorreu-me uma frase atribuída a Gandhi,suponho eu. Se queres modificar o mundo,começa por ti.
    Saúde para todos.

  3. geofagos disse:

    Caro João,
    Concordo com seus questionamentos e compartilho das suas dúvidas. Embora seja um apanhado das diretrizes do evento já citado, é notório o viéz idológico que envolve ou envolveu o Fórum.
    No ítem 3, ao meu ver, há um ataque direto as empresas que desenvolvem tecnologias, criam pacotes tecnológicos e repassam para a sociedade. Com isso, há o fortalecimento dos “monopolios”. Contudo, eles esquecem do ponto importante que vc bem menciona, ou seja o payback (retorno). Não é nada razoável investir em pesquisa e não poder ter de volta o investimento que garantirá novas pesquisas, geração de conhecimentos e empregos. Isso também vai totalmente contra, por exemplo, as parcerias entre empresas e universidades. É cada vez mais comum empresas arcando com os custos das pesquisas desde que seja garantidas a ela o direito de exclusividade do uso da tecnologia gerada.
    Abraço,
    Juscimar

  4. manuel disse:

    Caro Juscimar
    Muito obrigado pela aceitação do meu comentário. Quero-lhe pedir muitas desculpas por não ter dado conta de que o post era seu.
    Muito boa saúde e muito bom trabalho.

  5. Juscimar disse:

    OK Manuel,
    Sem problemas! O importante é que continue nos visitando e colaborando para o aprimoramento do Geófagos.
    Abraço,
    Juscimar

  6. Sowedidge disse:

    I’m the only one in this world. Can please someone join me in this life? Or maybe death…

  7. dorothxl disse:

    “No, this trick won’t work…How on earth are you ever going to explain in terms of chemistry and physics so important a biological phenomenon as first love?” – Albert Einstein !
    What do you think ?

  8. FoxerX disse:

    Excuse me. Does someone understand how to find an actual Forex EA from fraudulent and a true Forex trading signal from fraudulent? sorry for inconvinience

Envie seu comentário

Seu e-mail não será divulgado. (*) Campos obrigatórios.

Categorias

Skip to content

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM