10 mulheres da Microfluídica & Engenharia Química que você deveria conhecer

Semanalmente, eu e você querido leitor nos aventuramos pelo belo mundo da Microfluídica & Engenharia Química através de informações sobre a conexão desses mundos e como eles influenciam os processos industrias e a nossa sociedade. Por trás desse mundo, há uma comunidade dedicada de pesquisadores e cientistas, desenvolvendo os próximos passos da Microfluídica e da Engenharia Química e melhorando as capacidades dessas tecnologias.

E em razão da comemoração do Dia Internacional da Mulher nós iremos dar uma olhada em 10 pesquisadoras e cientistas cujas contribuições ajudaram (e continuam a ajudar) o fantástico mundo da Microfluídica & Engenharia Química.


1. Jennifer A. Lewis

Jennifer A. Lewis é professora de Engenharia Biologicamente Inspirada na Escola de Engenharia e Ciências Aplicadas de Harvard. Ela também é membro do corpo docente do Instituto Wyss para engenharia de insumos biológicos em Harvard. Ela recebeu numerosas distinções, incluindo o Prêmio Fellow da Faculdade Presidencial da NSF, o Prêmio Brunauer da American Ceramic Society, o Prêmio Langmuir da American Chemical Society e a Medalha da Society Research. Ela é membro da American Ceramic Society, da American Physical Society, da Materials Research Society e da American Academy of Arts and Sciences.

Ela é autora de mais de 120 trabalhos e possui oito patentes. No Google Scholar ela possuí aproximadamente 20 mil citações. A Prof. Jennifer fez contribuições pioneiras para a montagem direta de materiais funcionais. Seu trabalho integra síntese de materiais, fluidos complexos, microfluídica e montagem robótica para projetar e modelar materiais funcionais com composição controlada e arquitetura em escalas de comprimento múltiplo (~ 100 nm – 1 mm). Esses novos materiais podem encontrar uma possível aplicação como eletrônicos impressos, guias de ondas e andaimes 3D e arquiteturas microvasculares para cultura celular e engenharia de tecidos.

2. Yoon-Kyoung Cho

Yoon-Kyoung Cho recebeu seu mestrado em Engenharia Química pela Universidade de Ciência e Tecnologia de Pohang (POSTECH) na Coréia do Sul em 1994. Ela continuou seus estudos nos Estados Unidos na Universidade de Illinois, onde recebeu seu doutorado em Ciência e Engenharia de Materiais em 1999 sob a supervisão do Prof. Steve Granick. Após seu trabalho de pós-graduação, ela retornou à Coréia do Sul e se juntou ao Instituto de Tecnologia Avançada Samsung (SAIT) como pesquisadora sênior. Durante seus nove anos no SAIT, ela esteve envolvida na pesquisa e desenvolvimento de uma ampla gama de tecnologias de laboratório em chip (lab-on-a-chip) para aplicações biomédicas, várias das quais chegaram ao mercado comercial.

Em 2008, ela retornou à academia como professora assistente na escola de Nano-Biociências e Engenharia Química no Instituto Nacional Ulsan de Ciência e Tecnologia (UNIST), Coréia do Sul e foi promovida professora associada em 2010. Os seus atuais interesses de pesquisa incluem novos dispositivos micro/nano fluídico para diagnósticos avançados, monitoramento ambiental e biologia celular. Ela publicou mais de 38 artigos científicos e tem 107 patentes registradas até o momento.

3. Jianhua Qin

Jianhua Qin é professora da Divisão de Biotecnologia do Dalian Institute of Chemical Physics (DICP), da Academia Chinesa de Ciências (CAS) e diretora do Centro de Pesquisa em Microfluídica da DICP. Prof. Qin foi membra do Comitê de Programa Técnico Executivo para a conferência MicroTAS (2011-2015). Ela recebeu seu doutorado em Química pela Academia Chinesa de Ciências.

Foi professora visitante da Universidade de Hong Kong (2002-2003) e da Universidade de Toronto (2005-2006). Prof. Qin é autora de mais de 100 artigos revisados por pares e possuí 35 patentes. Seus interesses de pesquisa estão na interface entre a tecnologia de laboratório em chip e a ciência biomédica, a fim de compreender a patofisiologia humana e desenvolver novos esquemas de diagnóstico e estratégias terapêuticas.

4. Lynn Walker

A professora Lynn Walker é atualmente professora de Engenharia química, ministrando também em Química e em Ciência e Engenharia de materiais. A Prof. Walker recebeu seu diploma de Engenharia Química pela Universidade de Nova Hampshire, Estados Unidos, em 1990 e seu doutorado pela Universidade de Delaware, Estados Unidos, em 1995, sob a supervisão de Norman Wagner. Depois de ter uma posição de Pós-Doutorado na Universidade Católica de Leuven, Bélgica, a Prof. Walker se juntou ao Departamento de Engenharia Química da Universidade Carnegie Mellon, Estados Unidos, em 1997. A Prof. Walker publicou mais de 130 trabalho e ganhou mais de 9 prêmios.
A pesquisa do grupo da Prof. Walker concentra-se na compreensão e controle de fluidos complexos ou estruturados em aplicações de engenharia. O trabalho é principalmente experimental e envolve a caracterização reométrica, colóides clássicos e técnicas analíticas macromoleculares e ferramentas microfluídicas.

5. Shelley L. Anna

A professora Shelley Anna recebeu seu diploma em Física pela Universidade Carnegie Mellon em 1995 e seu doutorado (2000) pela Harvard em Engenharia de Ciências. Depois de completar seu doutorado, a Prof. Anna ingressou na empresa Solutia como engenheira de pesquisa sênior. Ela criou métodos de teste reológico para desenvolver e melhorar os produtos de adesivos, revestimentos e filmes da Solutia. Em 2001, ela voltou para Harvard para seu Pós-Doutorado. Ingressou no Departamento de Engenharia Mecânica da Carnegie Mellon em 2003 e em 2008 ela começou a atuar de forma conjunta em Engenharia Mecânica e em Engenharia Química. A Prof. Anna publicou mais de 120 trabalho e ganhou mais de 8 prêmios na carreira.

Os principais temas da pesquisa da Prof. Anna são microfluídica, dinâmica de fluidos complexos e dinâmica de fluidos interfaciais. O grupo da Prof. Anna desenvolve métodos experimentais inovadores de microescala para investigar e controlar as interfaces líquido-fluido, utilizando análise de escala, teoria e análise numérica como ferramentas para complementar os experimentos.

6. Hang Lu

Hang Lu é professora de Engenharia Química e Biomolecular do Instituto de Tecnologia da Geórgia. Ela obteve seu doutorado em Engenharia Química em 2003, pelo Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) trabalhando com Klavs Jensen e Martin Schmidt. Suas pesquisas se concentram em microfluídica e suas aplicações em neurobiologia, biologia de sistemas, câncer e biotecnologia.

Seus prêmios e honras incluem o Prêmio Inovador de Química Analítica da ACS, um Prêmio CAREER da Fundação Nacional da Ciência, uma Bolsa de Pesquisa da Fundação Alfred P. Sloan, um Prêmio DuPont de Jovens Professores, Prêmio em Biologia de Sistemas. Ela faz parte da Associação Americana para o Avanço da Ciência ( AAAS) e do Instituto Americano de Engenharia Médica e Biológica (AIMBE).

7. Lucimara Gaziola de la Torre

Possui graduação (1994), tendo sido a primeira colocada em desempenho acadêmico na sua turma e doutorado direto (2006) em Engenharia Química pela Universidade Estadual de Campinas. Atua como Professora Doutora, no Departamento de Engenharia de Materiais e Bioprocessos, da Faculdade de Engenharia Química da UNICAMP (Novembro de 2009). Realizou estágio e missão de pesquisa na École Polythechnique (Paris) (2015), no National Institute of Standards and Technology (NIST) em Gaithersburg, Estados Unidos (Julho 2012) e no Institute of Technical Biochemistry (ITB) em Stuttgart na Alemanha (1995).

Possui experiência na indústria, atuando no setor alimentício, em especialidades químicas e em processos biotecnológicos (1995-2001). Sua pesquisa tem ênfase no desenvolvimento de processos biotecnológicos, atuando principalmente na área de nanobiotecnologia, objetivando a veiculação de biofármacos, bioativos e vacinas de DNA e RNA em estruturas lipossomais, em nano/micro partículas obtidas a partir de biopolímeros naturais. Realiza pesquisas na área de biotecnologia e microfluídica e desenvolvimento de processos escalonáveis para a produção de lipossomas e outras estruturas supramoleculares em sistemas “top down” e “bottom-up”. Também investiga o desenvolvimento de processos microfluídicos para a obtenção de parâmetros cinéticos de processos fermentativos.

8. Neri Oxman

A arquiteta e designer Neri Oxman é professora de Desenvolvimento de Carreiras da Sony Corp. e professora Associada de Artes e Ciências da Mídia no Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), onde fundou e direcionou o grupo de pesquisa da Mediated Matter. A Prof. Oxman leva muito a sério o termo multidisciplinar (kkkk). Sua equipe realiza pesquisas na intersecção de design computacional, fabricação digital, ciência de materiais e biologia sintética, e aplica esse conhecimento para projetar designs em várias disciplinas, mídias e escalas – da microescala à escala de construção. O objetivo da Prof. Oxman é aumentar a relação entre ambientes construídos, naturais e biológicos, empregando princípios de design inspirados e projetados pela natureza e implementando-os na invenção de novas tecnologias de design. As áreas de aplicação incluem design arquitetônico, design de produtos, design de moda, bem como o design de novas tecnologias para fabricação e construção digital.

Neri Oxman recebeu seu doutorado em Computação de Design pelo MIT, onde inventou o termo Ecologia Material para descrever sua área de pesquisa. Antes do MIT, obteve um diploma da Associação Arquitetônica depois de cursar a Faculdade de Arquitetura e Urbanismo do Technion, Instituto de Tecnologia de Israel. Ela publicou diversos artigos e ganhou mais de 30 prêmios, com destaques para os prêmios da AIA Mulher em Design (AIA Women in Design) e o prêmio das 10 Mulheres mais criativas em negócios em 2010.

9. Amy E. Herr

Como pesquisadora do Chan Zuckerberg Biohub, a Prof. Herr está trabalhando para desenvolver bioinstrumentação para analisar a complexidade biológica. Em particular, ela está criando dispositivos microfluídicos para proteômica de célula única, incluindo um ensaio microfluídico recentemente publicado, escopo de células raras, que permite o perfil protéico de células tumorais circulantes individuais. Este tipo de análise pode complementar os dados transcriptômicos e genômicos, para fornecer informações adicionais sobre o câncer de um paciente e a resposta ao tratamento.

10. Mirela Alistar 

Mirela Alistar é pesquisadora do Hasso Plattner Institute onde desenvolve sistemas ciberfísicos baseados em biochips. Esses biochips manipulam gotículas de fluidos (por exemplo, divisão, fusão, mistura) para automatizar “bio-protocolos”, realizados tradicionalmente em laboratórios. Como os biochips automatizam os procedimentos de laboratório, eles têm o potencial de executar protocolos biomédicos como se fossem softwares.
Mirela Alistar recebeu o seu doutorado em Engenharia da Computação pela Universidade Técnica da Dinamarca. A Dr. Alistar freqüentemente leciona fora da academia, em espaços de artistas e galerias de arte, com o objetivo de desenvolver no público uma análise crítica da tecnologia.

¤¤¤¤

Esta é apenas uma pequena seleção de muitas grandes mentes femininas envolvidas no mundo da Microfluídica & Engenharia Química. Se você querido leitor achar que eu esqueci alguém deixa nos comentários.

Até a próxima. E para todas as mulheres FELIZ DIA DAS MULHERES!


Conheça e curta a nossa página no Facebook

Já segue a gente no Instagram?

Siga-nos no Twitter, Facebook ou Instagram

Ou nos envie um e-mail para: harrison.santana@gmail.com

Tags , , , , .Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Sobre Harrson S. Santana

Harrson S. Santana obteve seu doutorado em Engenharia Química pela Universidade de Campinas em 2016. Sua tese de doutorado foi a investigação da síntese de biodiesel em microcanais, utilizando simulações numéricas e ensaios experimentais. Em 2015, ele passou vários meses na Universidade de Glasgow (Reino Unido) desenvolvendo pesquisas na área de impressão 3D. Atualmente, ele é pesquisador associado e professor colaborador da Faculdade de Engenharia Química da Unicamp, trabalhando no desenvolvimento de microplantas químicas e uso de impressoras 3D em processos químicos. Ele publicou vários artigos explorando desde simulações numéricas no desenvolvimento de microdispositivos até o uso de microfluídica em reações químicas e operações unitárias. Seu interesse científico se concentra em fenômenos de transporte em sistemas microfluídicos, impressoras 3D e sistemas robóticos aplicados a processos químicos em microescala.

3 respostas para 10 mulheres da Microfluídica & Engenharia Química que você deveria conhecer

  1. Ananda Coelho diz:

    Amei o seu blog! Você escreve de uma forma clara e divertida. Faço engenharia química e estou começando a pesquisar sobre essa área da microfluídica, suas postagens estão me deixando cada vez mais interessada! Obrigada 🙂

    • Harrson S. Santana diz:

      Ananda, muito obrigado pelo seu comentário. É por isso que esse blog existe, para levar informação de forma mais fácil do que eu aprendi, quando eu comecei na área.
      Me alegra muito esse retorno. Se você tiver alguma sugestão de assunto ou dúvida na área me avisa que eu faço um texto para o blog.
      Atenciosamente,
      Harrison

  2. Pingback:Dr. Mae Jemison, a engenheira química que foi para o espaço - Microfluídica & Engenharia Química

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.