O cientista brasileiro é um forte

Por Cilene Pereira, via ISTOÉ.

Há pouco tempo, um pesquisador brasileiro envolvido em uma pesquisa sobre a Doença de Alzheimer fez um desabafo. O trabalho conduzido sob sua coordenação tinha levado o dobro do tempo que levaria um estudo do mesmo nível fora do Brasil. A pesquisa tinha qualidade internacional e trouxe à luz uma informação importante sobre a enfermidade, cujo impacto na saúde pública se agrava com o envelhecimento da população. Foi publicada em uma revista científica onde só entra gente grande, a “Nature”, e compartilhada por cientistas do mundo todo. Poucos deles, no entanto, sabiam das dificuldades que o time brasileiro enfrentou para finalizar as investigações.

A falta de verba para compra de insumos básicos, a improvisação com objetos levados de casa para o laboratório, a burocracia que trancava nos portos e aeroportos componentes importantes foram apenas alguns dos obstáculos. Roubando um pouco da inspiração de Euclides da Cunha, o cientista brasileiro é um forte. Está tão habituado a trabalhar nessas condições que continua seguindo, contrariando o bom senso. Esse pesquisador, por exemplo, mantinha a fé de que, um dia, entraria em atividade uma conta bancária aberta em 2014 para receber as verbas prometidas por uma fundação estadual de fomento à pesquisa. No final do ano passado, ele recebeu uma ligação do banco. O gerente perguntou se ele queria mesmo continuar com a conta aberta, mesmo sem ter pingado um centavo. Apesar de estar pagando do seu bolso o custo de manutenção, ele quis continuar. Quem sabe, um dia…

Olhando situações assim só nos resta pensar que País é esse que deixa laboratórios científicos abandonados, que permite que pessoas geniais sigam para fazer carreira e produzir conhecimento em outros lugares, já que aqui não encontram condições para trabalhar? Ostentamos a estatística vergonhosa de sermos uma das nações com maior número de mestres e doutores desempregados. Gente que passou a vida toda estudando e que agora vive de bicos ou nem isso.

No mundo, a taxa de desocupação entre essa população é de 2%. No Brasil, é de 25%. Quando nossa sociedade entenderá o valor da produção de conhecimento feita nas instituições brasileiras? A culpa não é apenas dos governos. É da sociedade, é de cada um de nós. Não damos a mínima para a educação. Achamos normal uma criança sair do ensino fundamental sem conseguir interpretar textos simples e pouco nos importamos se as baratas povoam os laboratórios caindo aos pedaços no Brasil.

No mundo, a taxa de desocupação entre mestres e doutores é de 2%. No Brasil, de 25%. A culpa é nossa, que não valorizamos o conhecimento.


 

Siga-nos no Twitter, Facebook (do blog), Facebook (pessoal) ou Instagram

Ou nos envie um e-mail para: harrison.santana@gmail.com

Currículo Lattes de Harrson S. Santana

Você também pode fazer parte do Grupo de Microfluídica & Engenharia Química no Google Groups.

O nosso livro “Process Analysis, Design, and Intensification in Microfluidics and Chemical Engineering” está disponível para encomenda na loja da editora IGI Global. Use o código de desconto IGI40 no processo de compra para aproveitar um desconto exclusivo de 40%!

Esse livro fornece informações sobre pesquisas emergentes explorando os aspectos teóricos e práticos da Microfluídica e sua aplicação em Engenharia Química. A intenção é construir caminhos para novos processos e desenvolvimentos de produtos em áreas industriais. É ideal para engenheiros, químicos, empresas de Microfluídica e Engenharia Química, acadêmicos, pesquisadores e estudantes.

Tags .Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Sobre Harrson S. Santana

Harrson S. Santana obteve seu doutorado em Engenharia Química pela Universidade de Campinas em 2016. Sua tese de doutorado foi a investigação da síntese de biodiesel em microcanais, utilizando simulações numéricas e ensaios experimentais. Em 2015, ele passou vários meses na Universidade de Glasgow (Reino Unido) desenvolvendo pesquisas na área de impressão 3D. Atualmente, ele é pesquisador associado e professor colaborador da Faculdade de Engenharia Química da Unicamp, trabalhando no desenvolvimento de microplantas químicas e uso de impressoras 3D em processos químicos. Ele publicou vários artigos explorando desde simulações numéricas no desenvolvimento de microdispositivos até o uso de microfluídica em reações químicas e operações unitárias. Seu interesse científico se concentra em fenômenos de transporte em sistemas microfluídicos, impressoras 3D e sistemas robóticos aplicados a processos químicos em microescala.

Uma resposta para O cientista brasileiro é um forte

  1. Rafael Comparini diz:

    Professor, recebi um conselho de uma conhecida que tem um grande cargo na empresa que trabalho me dizendo para progredir na empresa antes de fazer uma pós-graduação. Lendo esse texto, percebo que não foi nada pessoal, foi uma imposição do mercado brasileiro, o qual, bem dito ali em cima, é culpa de todos nós.
    Enquanto uma pequena parcela do PIB brasileiro for destinada à pesquisa, caminharemos a passos de tartaruga para atingir os 98% de mestres e doutores empregados no Brasil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *