Nobel 2011, Melões e Balões

O Prêmio Nobel de Física em 2011 foi dividido entre Saul Perlmutter, Brian Schmidt e Adam Riess, pela descoberta da aceleração da expansão do Universo.

A expansão do Universo já era algo consolidado no meio científico, mas a descoberta de que essa expansão ocorre de forma acelerada, gerou surpresa entre os cosmólogos, no final da década de 90.

Marcou também o começo das pesquisas sobre Energia Escura, já que é necessária a sua existência para poder explicar essa aceleração da expansão, em contrapartida o que seria naturalmente esperado, a redução da velocidade de expansão, devido a atração gravitacional.

Alguns anos mais tarde, e em um Universo um pouco maior, estamos aqui vendo o reconhecimento ao trabalho desses três cientistas e seus colaboradores.

Segundo o Guia do Mochileiro das Galáxias a Wikipédia:

Melão (Cucumis melo L.) é uma fruta provavelmente nativa do Oriente Médio. Existem inúmeras variedades cultivadas em regiões semi-áridas de todo o mundo, todas apresentando frutos mais ou menos esféricos, com casca espessa e polpa carnosa e suculenta, com muitas sementes achatadas no centro. A cor e a textura da casca, bem como a cor e o sabor de sua polpa, variam de acordo com o cultivar.

A abundância de água em seu interior e o sabor suave tornam o melão uma fruta muito apreciada na forma de refrescos. Suas sementes, tostadas e salgadas, também podem ser consumidas.

Segundo algumas fontes, alternativas, um melão é constituído de cerca de 90% de água.

Para mim, não restam dúvidas, um melão é algo redondo, e cheio de água.

Mas, vejam só, no estranho Universo em que vivemos, algo que se chama melão pode não ser necessariamente um melão, e coisas redondas cheias de água também podem não ser necessariamente melões.

A ocorrência simultânea desses dois eventos é rara e potencialmente perigosa, mas ao mesmo tempo interessante, e você pode conferir no vídeo abaixo:

Como diz a Wikipedia o Guia do Mochileiro das Galáxias, o Universo é muito grande, e muito estranho, e se algum dia alguém descobrir porque ele está aqui e pra que serve, ele se destruirá e alguma coisa ainda mais estranha tomará o seu lugar.

Por mais que o Guia esteja certo (e ele sempre está), eu ainda não estou convencido de que o Universo é de fato um melão.

Existe um modelo muito divertido para explicar como a expansão do universo acontece. Basicamente, você pega um balão, desenha bolinas nele, representando galaxias (pode ser mais prático comprar aqueles balões com desenhos de estrelas. =P) e então, encha o balão. Conforme o balão vai inflando, sua superfície vai se expandir, e como consequência, as suas “galaxias” vão se afastar uma das outras. Praticamente um Universo.

Alguns podem não acreditar, mas eu já fui criança. Entre uma e outra brincadeira, aprendi que poderia me divertir atacando meus amigos com projéteis feitos de fluídos envoltos com borracha. Também conhecido como balões de água.

Qualquer pessoa pode construir um balão de água, simplesmente substituindo o tradicional ar, por água. Trivial, trivial. No fim das contas, você terá algo redondo e cheio de água. Mas não será um melão.

Se você quiser usar o balão para demonstrar para alguém a expansão do Universo, sugiro seguir os ensinamentos da nossa amiga Mulher Melão (que aparentemente não é redonda, embora tenha cerca 70% de água). Encha seus balões com água, veja a expansão acontecer, e no fim, você terá um Universo, redondo, cheio de água, e uma arma fatal contra seus amigos.

Discussão - 0 comentários

Participe e envie seu comentário abaixo.

Envie seu comentário

Seu e-mail não será divulgado. (*) Campos obrigatórios.

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM