Brasilia

Editorial – Open Philosophy

Editorial

“No século IV a.C., a República de Platão oferecia a primeira utopia sócio-política – uma especulação sobre o melhor modo de organizar a vida (particular e) pública que haveria de se tornar objeto de interpretação e crítica constante no resto da história ocidental.

Entre as teses mais controversas, há uma de especial interesse: grande conhecedor da psicologia humana, Platão sugere no Livro V de República uma estratégia para evitar os desvios produzidos pela ambição, à qual se inclina naturalmente todo sujeito (e em especial os detentores do poder), pode ser encontrado na abolição da propriedade privada, em especial para a classe governante, tornando comuns não apenas os bens materiais mas também os filhos e todos os laços sanguíneos, de modo que todos concebam o mesmo como “próprio” e o interesse particular não danificasse o comunitário, o bem comum à maioria.

Anos depois o discípulo de Platão, Aristóteles, reagia à especulação do mestre e à ideia da comunidade de bens e família. Na Política, Aristóteles defende que a pretensão platônica é não apenas impossível mas, ainda que realizável, absolutamente indesejável. A propriedade privada – anota Aristóteles, outro grande conhecedor da vida subjetiva – constitui uma das maiores fontes de motivação e prazer humano, e a sua abolição resultaria justamente no efeito contrário do pretendido: ser de todos não equivale, diz Aristóteles, a ser de cada um mas, paradoxalmente, a ser de ninguém. Com o qual o que é comum seria igualmente negligenciado por todos.

Há aqui uma clara polarização das perspectivas e um exemplo clássico de bom debate político. Tanto a polarização quanto o debate tiveram início há mais de dois milênios, e são ainda arena de agitada disputa na época contemporânea”

Há aqui uma clara polarização das perspectivas e um exemplo clássico de bom debate político. Tanto a polarização quanto o debate tiveram início há mais de dois milênios, e são ainda arena de agitada disputa na época contemporânea.

“Hoje, aliás, o debate político é especialmente imprescindível.

Que significa hoje ser de esquerda? que de direita?

É ainda pertinente esta nomenclatura? Se sim: qual a sua utilidade?

Qual a ideia de “progresso” defendida por cada uma das vertentes?

Qual é o discurso hegemônico de cada uma no que toca à justiça, e à justiça social principalmente?

Existe uma dogmática própria da esquerda e da direita no que toca à educação e à ciência?

Quais as propostas dos presidenciáveis no contexto eleitoral do Brasil atual?

 

Open Philosophy – https://www.blogs.unicamp.br/openphilosophy/

Conheça mais sobre o Blog https://www.blogs.unicamp.br/openphilosophy/sobre/

1 thought on “Editorial – Open Philosophy

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *