Não sou uma só: diário de uma bipolar

Não é segredo que sou apaixonado em psicopatologia. Todos os transtornos comportamentais me fascinam, mas o transtorno bipolar tem algo que consegue me deixar ainda mais curioso: a fase de mania.
O transtorno bipolar de humor é caracterizado principalmente por grandes oscilações de humor, que podem variar desde fases depressivas onde a pessoa mal sai da cama até fases em que a euforia é tanta que a pessoa pode chegar a ler dezenas de livros numa semana, viajar milhares de kilômetros sem avisar ninguém ou gastar todo o dinheiro que tem (e o que não tem) em compras. Além da pessoa se sentir muito eufórica, ela ainda perde todos os limites e aproveita para fazer muito do que sempre quis.
Conversar com essas pessoas é sempre interessante porque você nunca sabe que tipo de histórias vai ouvir, que tipo de aventuras a pessoa já passou.
Passeando na livraria me deparei com o livro “Não sou uma só: Diário de uma bipolar“. A autora é a Marina W., que conta nele as histórias de sua vida, e consequentemente, de sua bipolaridade. Achei o livro muitíssimo interessante, e como eu esperava, ela tem várias boas histórias pra contar. Não é um livro técnico, é mais voltado para a vida da autora, suas reflexões e depoimentos, e de conhecidos também. E por isso ele é tão legal.
As informações acerca do transtorno em si são baseadas no que ela aprendeu com seus psiquiatras, o que deixa a leitura bem leve. Se eu tivesse que apontar algo que não gostei muito no livro (já que não gosto de críticas que só falam do lado positivo), eu diria que não gostei justamente do modo como ela fala sobre o transtorno bipolar: como se fosse uma doença incurável, crônica, que você convive até o fim da vida. Embora muitos profissionais hoje em dia ainda adotem essa visão, muitos bipolares respondem muito bem à terapia comportamental, mostrando que a coisa não é assim tão exclusivamente biológica.
Enfim, o livro é ótimo, eu adorei, e agora estou recomendando a todos que simpatizarem com o assunto!

Discussão - 62 comentários

  1. Carlos Hotta disse:

    Vc tem que contar mais algumas coisas sobre o distúrbio bipolar. Nem venha com essa de “Compre o livro”!

  2. Ah mas a intenção aqui foi só fazer propaganda voluntária mesmo hehehe, falar sobre o transtorno bipolar é complicado q tem vários subtipos, confesso que deu um pouco de preguiça heheheh.
    Fica assim então, este post voltado pro livro, e anoto aqui no meu caderninho “falar sobre transtorno bipolar”! 😛

  3. ineis disse:

    tambem sou bipolar mas do tipo 2 estou me tratando mas ainda tenho algumas duvidas a respeito. como posso fazer para conseguir um resumo ou ate mesmo aquele diario de um bipolar. obrigada pela ajuda e e bom saber que não sou unica.

    • Anelise Silveira disse:

      Olá, também tenho Bipolar tipo II e queria saber mais sobre o assunto, se vc descobrir, manda um e-mail…obrigada..Ane. Melhoras!!!!

  4. Míriam disse:

    É legal trocar experiências. Eu TAMBÉM sou bipolar. TAMBÉM tenho muita história pra contar… que TAMBÉM daria um livro. O importante não é tanto fazer uma autobiografia, e sim, estar sempre alerta com a doença, buscar ajuda, aceitar ajuda, fazer terapia sem preconceito, ir à um psiquiatra, sem medo de ser taxado de louco. Eu aceito, passo uma temporada ruim mesmo, mas a esperança nunca morre. Os dias melhores sempre vêm. Não se preocupe em comprar o livro, só procure se tratar e ter uma vida normal.

  5. Livros como este são úteis para mostrar aos leigos e curiosos o outro lado do Transtorno – o lado de quem sofre com eles. As pessoas que sentem que precisam de ajuda, acho mais válido buscar um terapeuta do que um livro autobiográfico.

    • Quézia Soares disse:

      Os terapeutas, raramente irão ouvir de verdade. Eles receitam tranquilizantes, ansiolíticos, hipnóticos, benzodiazepínicos… Mas se você quer viver livre dessa ‘montanha russa’ em que vive (assim como eu), precisa tentar uma autoanálise. Funciona comigo!

  6. vera palma disse:

    Estou adorando este tema dentro da novela Caminho das Indias( como sempre a inigualável Glória Perez ) que aborda assuntos deveras interessantes.
    Tenho uma filha formada em química muito inteligente, mas infelizmente foi diagnosticada como esquizofrênica.Ela faz tratamento há sete anos e estou conseguindo levar esta situação numa boa,mas gostaria de encontrar um espaço onde minha filha tivesse amigos,pois os que ela tinha todos desapareceram

  7. Christiane V de Andrade disse:

    Gostaria de saber como conseguir um exeplar desse livro, pois sou bipolar ,mas durante 8 anos fiz um tratamento errado onde focava somente a depressão e a sindrome do panico.Não consigo levar uma vida norma, nem consigo mais exercer o trabalho pra qual eu estudei,isso além de ter destruído minha vida profissional, familiar e socila.Dependendo das crisea fico muito agressiva ou muito deprimida onde já tentei um suicidio, mas por erros de calculos fui salva a tempo.Gostaria saber mais a respeito pra eu poder me conhecer e saber como e quando vem essas variações que sempre me pegam de surpresa e a quem está a minha volta.estou tomando litio,rivotril entre outros.Gostaria de uma resposta, pois a sociedade é muito preconceituosa.

  8. Rosalynn Veiga disse:

    Estou tentando comprar o livro sem sucesso! Não encontro em lugar algum! Vc já leu: Uma mente inquieta? Fascinante, também sobre o transtorno bipolar. Recomendo… Um abraço

  9. Felipe Epaminondas disse:

    Obrigado pela dica, vou dar uma olhada no livro! Abração!

  10. Dani disse:

    também sou bipolar, com a diferença de que só tenho minha companheira a meu lado, o que faz com que ela fique mto cansada às vezes, de ter que me aguentar tanto nas euforias qto nos períodos depressivos.minha família foge do assunto. nao quer saber. acha que bipolaridade nao existe. isso pesa, e mto.porque será que os que nos acompanham preferem o período depressivo. Na euforia a gente fica tao bem! Um abraço.

  11. Rosangela disse:

    Adorei seu seus textos, sou bipolar,neste exato momento sinto-me muito triste por sofrer com o preconceito social.
    Sou professora, mas não exerço a função,estava muito feliz pois estava como coordenadora numa escola,mas com certeza por causa dessa doença não deixaram.
    Agora vou auxiliar, na secretaria,sei lá onde.
    Capacidade eu tenho, porém….
    Continue preocupando com as doenças da mente e nos ajude.
    Deus o abençõe.
    Bjinnnnnnnnnnnnnnn!

  12. carmen condes disse:

    Fui diagnosticada há 5 anos passei por 3 internaçoes 3 tentativas de suisidios uma verdadeira montanha russa.Hoje estou acolhida em um hospital dia caps de saude mental,faço tambem uma terapia de grupo na igreja que frequento,
    tem me ajudado muito,os primeiros anos foram terriveis mas hoje pareçe que eu consigo perceber as crises e administra-las da melhor maneira.Quando estou bem procuro me inteirar do problema ouvir pessoas e suas superaçoes e acima de tudo respeito meus limites ou seja estou aprendedo a respeitar boa sorte a todos e valeu pelo espaço.

  13. Ana Paula Martino disse:

    Sou Bipolar e ponto! Reconhecer isso como um fator que faz parte de mim foi o mais difícil de tudo. Entretanto, hoje constato que foi o ponto crucial para a minha melhora e atual situação de completo controle de crises. Encarar a bipolaridade como algo corriqueiro, natural e inerente a minha vida foi o ponto focal para o meu start de felicidade. A sociedade muitas vezes tacha a pessoa que sofre de distúrbios psiquiátricos como louco, como um doente desequilibrado, como uma incapaz. Que nada, bola para frente! A gente é que precisa fazer com que seja diferente, e não esperar que o mundo mude. Passei por fatos terríveis envolvendo relacionamentos amorosos, de trabalho, de família, e inclusive com péssimos médicos. Confesso que não foi fácil. Culpava a tudo e a todos. Mas não desisti, continuei dando tropeços por aí e lutando. Apenas no momento em que encararei que eu tinha um pequeno-GRANDE “detalhe” na minha personalidade; que eu, e somente eu, precisava aprender a aceitar, a lidar, a cuidar e a controlar, é que minha vida mudou. Hoje estou bem mais feliz, equilibrada e tranqüila. Mas sei muito bem que não posso dar mole: continuo fazendo meu tratamento com meu psiquiatra (e tomando a devida medicação), e não falto à terapia por nada nesse mundo – pode chover canivete que estou lá. Amigos bipolares pensem com humor: hoje somos super-fashion. Vocês não repararam que os moderninhos adoram se intitular bipolares? Rsrsrs… Coitados, eles não sabem o que dizem.

  14. Felipe Epaminondas disse:

    Ana, adorei seu comentário! Principalmente a parte dos moderninhos hehehe. Um abraço! Felipe.

    • Margarida disse:

      Não sei mais o que fazer! Meu esposo vive na fase da mania,vez ou outra fica deprimido.Por tudo que vi,´por tudo que já li, tenho certeza que ele é bipolar. Já conversei muito sobre isso com ele, e até admite ter problemas,mas,não quer buscar ajuda.Acho que ele tem medo do preconceito. O que devo fazer? Já não estou aguentando ,ele acelera demais, fala ininterruptamente sem nem ao menos tomar folego,fica agressivo qdo contrariado,sua estima fica tão elevada que parece que ele é o CARA, se mete em dívidas, afetando as finanças da família e na maioria das vezes até se torna inconveniente com os amigos. O que devo fazer? Já pensei em deixá-lo,mas tenho duas filhas e me preocupo demais,pois não sei até que ponto essa separação poderia afetá-las.O que fazer pra ajudá-lo?

    • Margarida disse:

      Por favor me ajude!

  15. fabiana disse:

    oi sou bipolar fique enternada teitei o suisidio se que sou pibolar a8meses e muito dificil por que estou sozinha meu marido que a separaçao estou muito triste passos meus dias so quero so ficar sozinha tenho medo do meus pensamentos

  16. gabriella disse:

    Minha mãe tem disturbio bipolar e acho que ela se sente muito sozinha mesmo eu e meu irmão morando com ela, gostaria de saber se existe algum chat só pra pessoas bipolares, alguma coisa do tipo.

  17. Amélia disse:

    Ana Paula Martino,
    Concordo com você. TAmbém sou bipolar, já fui de um extremo ao outro muitas e muitas vezes, mas, apenas consegui viver, a partir da aceitação de ser diferente, mas que sou gente e posso fazer a diferença. Também jamais abandonarei qualquer tratamento, pois aprendi a lição.

  18. Amelia disse:

    Gabriela, que tal aqui?

  19. Ve disse:

    Oi, uma amiga comprou esse livro e eu ainda não o li, mas há enorme vontade de ler. Vc que está fazendo mestrado em esquizofrenia, poderíamos trocar “figurinhas”? Adoraria conhecer quais são suas idéias, e sua pesquisa sobre o assunto, que ficou muito em voga na última novela. Achei interessante o procedimento da autora da novela, principalmente por ter “colocado” a esquizofrenia em uma demanda classe “a”…preconceituosamente falando…rsrsrs, como se o mundo fosse “sistema de castas”.
    Obrigada,
    Verônica

  20. renata teodoro de andrade disse:

    olá. Tenho lido muito sobre bipolaridade na internet. Há alguns anos depois de ler uma revista que falava a respeito desconfio que tenho esse problema, mas tenho vergonha de procurar um médico. Encontrei na net os sintomas e todos bateram. O que eu faço? A vida está se tornando insuportável pra mim. Não consigo me estabilizar em nenhuma área da minha vida. Por favor me ajude!!!!

  21. Luciane disse:

    Sou bipolar ..mas nao aceito de maneira nehuma..deixo todos pensarem que sou depressiva e tal…soa melhor entre elas pois qd tento explicar que é a falta de uma substancia ninguem me escuta e ainda complementam pois é tb ja tive esta doença é dificil mas vc vai superar…aff…ninguem merece…mas é tao bom achar pessoas iguais a mim…pq tenho muito medo do preconceito e ele é grande..!!!

  22. Patrício disse:

    Descobri que era bipolar leve tipo II em 2004, com 40 anos, após uma profunda crise emocional de depressão precedida de alguns meses de euforia. Não havia passado por tal situação até então e senti o quanto perdi o controle sobre minhas ações. Minha cabeça produzia um ruído estranho como se estivesse começando a ‘fundir’.Quase me separei, estava afastado das minhas filhas e com verdadeiro ‘tédio’ da empresa em que trabalhava.Foi marcante!
    Em setembro de 2004 sentei diante de um psiquiatra que imediatamente diagnosticou o problema e receitou-me medicação. Na mesma noite comprei os remédios e comecei a tomá-los. A resposta foi imediata. Comecei a me sentir melhor.
    Faço terapia com esse mesmo psiquiatra desde então e não passei novamente por outra crise aguda. A partir da terapia comecei a fazer uma verdadeira releitura da minha vida e avaliar diversas situações e comportamentos que tive. Finalmente havia explicação para uma série de atos: de depressão e de mania.
    Foi difícil me convencer que aquilo era da doença. Achava que era tudo normal e que todas as pessoas eram também assim, com altos e baixos.
    Hoje tenho consciência que tenho a doença e tento conviver da melhor forma que posso.
    Perdi várias oportunidades profissionais, afetivas e sociais devido à doença, mas consigo ver que muito, em grande, deriva da bipolaridade.
    A minha mulher me ajudou com muita conversa e curiosidade sobre o assunto. Sinto que às vezes ela cansa, estressa-se com as repentinas variações do meu humor.
    Sou otimista, o primeiro a querer me tratar.
    Gosto de viver feliz.

  23. Vera disse:

    Me sinto outra pessoa lendo os depoimentos, tenho uma filha que tem a bipolaridade, descobrimos ha 5 anos, antes ela apresentava disturbios, mas não nos importamos, porque era adolescente e não sabia que existia bipolaridade. Agora ela esta se tratando, sei que jamais deixará as medicinas, mas o que mais me alegraria, é que ela ficasse controlada como li nos depoimentos. Valeu, obrigada gente.

  24. marina w. disse:

    Felipe, obrigada por seu comentário, fiquei muito feliz 🙂 Coloquei crônica porque segundo os psiquiatras, é. E, por enquanto, incurável. A pessoa fica estabilizada, mas não curada. Um beijo e + uma vez muito obrigada!

  25. cesaltina disse:

    Sou Bipolar, não quro ficar só quando minha mãe falecer, somos só as duas e não temos familia.
    GostaVA DE ENCONTRAR UM MARIDO SAUDAVEL QUE ME ACARINHASSE E SOUBESSE QUE EU TENHO ESTA DOENÇA E PARA TODA A VIDA.
    dE SEM INTERECES DE OUTRA ORDEM, QUE ME APÕE E ACARINHE, QUE ME COMPRENDA.
    COMO FAZER?

  26. Alexandra disse:

    Quando conheci meu esposo 6 anos atrás ele logo me contou que era bipolar. Que havia tido uma crise forte um ano atrás e que passara 15 dias internado. Lembro que na época não me preocupei porque ele disse que tomava a medicação corretamente e que assim a probabilidade de ter outra crise era pequena. Enfim, agora, após 7 anos de sua última crise, ele se encontra novamente em crise há pouco mais de uma semana. Sempre vi o pai dele em crise durante os 6 anos que estamos juntos, mas nunca pensei que com ele o transtorno poderia voltar. Meu esposo está dormindo pouco, às vezes menos de 4 horas por noite, não sente fome e só vive enjoado, fala muito rápido e sempre uma história diferente atrás de outra, chora quase todos os dias e está se achando uma pessoa anormal. Estou fazendo de tudo para dar o apoio que ele precisa neste momento, mas confesso que é bastante difícil porque ele passa a maior parte do tempo “alegre”. Ele me diz para não me preocupar porque quando ele ficar depressivo vai ser mais fácil pra eu cuidar dele e sempre me pede desculpas pelas coisas que diz. Tenho a sorte dele ser uma pessoa bastante consciente do problema que tem pois ele nunca parou a medicação e mesmo estando bem ia regularmente às consultas com o psiquiatra.
    Felipe, obrigada pelo espaço disponível. Desejo a todos os bipolares e seus familiares, ESPERANÇA!

  27. Silvio disse:

    Tenho esse transtorno há 23 anos, mas somente fui alertado há 14 anos e faço tratamento há 07 anos, sinto-me bem e tive muitas problemas, como também muitas alegrias, rss. Mas estou precisando de ajuda, sempre tive extrema ansiedade e nos últimos 4 anos vem somatizando de maneira ontundente. Gostaria de obter informações como diminuo esses efeitos que estão me… Sinto muito cansado e como sono excessivo, e queimor n mão esquerda e céu da boca. Alguma terapia, etc que pudesse me recomendar.

  28. josevagner disse:

    Por 17 anos, 1968, fui tratado como sendo esquizofrênico no Hospício de nome Pinel em BH. Tinha que surgir um Psiquiatra formado na França para descobrir que eu era BIPOLAR. Sofri anda algum tempo, mas tenho equilíbrio quase que absoluto, desde 1986. Destemido a enfrentar a Batalha, ajudei a instalar um CAPS na cidade onde resido, Diamantina/MG.
    Vereador mais votado em Diamantina, Secretário de Governo, Diretor Administrativo do CAPS, Conselheiro Tutelar, Conselheiro Municipal de Saúde, Membro do Conselho de ética de nossa Universidade, Membro da mesa Administrativa do Hospital N. Senhora da Saúde, sou Presidente da Ação Social para a paz. Hoje ocupo a função de Assessor de Comunicação para o CISAJE – Consórcio Intermunicipal de Saúde. Lancei meu primeiro livro, com edição esgotada: “Memórias de um Pinel”. Quem quiser recebe-lo via e-mail? Está no prelo o meu segundo – O Fotógrafo de Almas:
    josevagnercm @yahoo.com. br

  29. Maria Donizeti disse:

    tenho uma filha bipolar, em uma de suas crises ela foi ao banco que trabalha e pediu as contas. Como devo agir para reverter esta demissão. Ela precisa do salario que recebia, principalmente quando estava afastada e recebia pela previdencia. O Banco sabia de seu problema e não fez o exame demiciononal.
    Maria Donizeti

  30. rosa maria gomes disse:

    Descobri que sou Bipolar ao 51 anos de idade. Agora que jpa cometí muita besteira, quero retormar ao meu trabalho, pois pedi demissão em 1997, sem saber que era portadora desta doença. Fui concurso do governo federal aos 21 anos. E agpra o que faço?

  31. maria do céu disse:

    adoro os vossos comentarios e tb sou bipolar do tipo II,andei 27 anos a ser medicada pra depressao crónica,mas graças a DEUS k me apareceu 1 psiquiatra mto bom k me diagnosticou a doença bipolar ha 1 ano e ja tou tomando os estabilizadores de humor,pk os anti-depressivos como sabem so pioram a doença bipolar,mas ainda tenho mtas crises infernais,meu companheiro e k sofre quando tou agressiva,mas nao desisto de lutar por esta maldita doença,k me tem feito tanto mal ha 28 anos e ocorreu apos o parto de minha filha,por isso digo-vos nao tenham medo de preconceitos e procurem ajuda nos devidos especialistas,fiquem com DEUS,K DEUS VOS ABENÇOE MUITOOOOOOO

    • MARIA DO CEU DOS SANTOS SILVA disse:

      maria do ceu k coincidencia temos o mmo nome e o mmo historial de vida cm o transtorno bipolar e o k mais me intrigou e k tbm foi ha 29 anos dp do parto e mha filha,e tbm so me foi diagnosticado ha 1 ano tal cmo cnsgo e tbm tenho 1 companheiro k me atura etc,mas que vidas tao iguais

  32. valeria disse:

    Também sou bipolar e sou tudo oque você disse,bipolares detestam rotinas estão sempre planejando novos dias novos momentos nem que sejam estremamentes perigosos amamos perigos,desafios,muitos se perguntam como que posso ser doente se eu dirijo como um piloto?Bem não posso responder,quem tem que responder é minha doença,me culpam pelas minhas abilidades que tenho meus dons que tenho por achar que sou esperta demais,de tudo tiro o sarro sabia porque muitos não fazem idéia de quão é tudo isso sofredor porque depois abate um grande sofrimento porque passamos dos limites porque não a limites para oque possamos fazer,e muitos não tem a minima idéia doque é isso,agora estou tomando remedio porque não quero sofrer mais por conta da falta do limite que não temos causamos dor para nós e para os outros os prejuizos pessoas e sociais são imensos e muitos são incapazes de entender como gostaria de abrir a cabeça de pessoas ignorantes..

  33. valeria disse:

    José Vagner amei seu comentário embora retardatario eu somente conheci este blog a pouco e gostei muito porque estava um pouco só com alguns problemas relacionado a minha doença e sempre buscando informações.Gostari de saber mais sobre sua pessoa sua doença como voçê supera tudo isso e uma pessoa tão bem sucedida,e oque me chamou atenção também é que você mora em Minas Gerais estou louca para migrar para Poços de Caldas amei a cidade gostaria muito de arrumar um emprego por lá minha area é vendas,no momento trabalho como representante comercial de linha de salão de cabeleireiro.Como você é uma pessoa fluênte por ai quem sabe pode estar ageitando algo para mim por estes lados…Entre em contato comigo pelo email..valeriavacco@yahoo.com.br ficaria muito grato obrigada.

  34. Natalia disse:

    Olá, conheci o blog agora. Tenho transtorno bipolar, fui diagnosticada corretamente no início deste ano, antes eu fazia tratamento com outro psiquiatra, desde os 15 anos, que havia me dado o diagnóstico de TDAH. Além das consultas mensais com o psiquiatra, faço terapia com a psicóloga 2 vezes na semana.
    O mais difícil para mim é me controlar, porque sei que minhas variações de humor machucam as pessoas que mais amo. No trabalho até que consigo levar. Uma complicação é que minha mãe também é bipolar, então ao mesmo tempo que tenho que lidar comigo, tenho que lidar com ela.
    O que mais sinto falta é de pessoas para conversar, um grupo de apoio, de amizades, de vida social. Passo os finais de semana em casa, escondida no meu trabalho. Ah, sou professora.
    Felipe, muito obrigada por este espaço. Também agradeço a todas as pessoas que deixaram seus relatos aqui, me senti mais confortável e segura.

    • Ana disse:

      Sou bipolar e tem sentido dificuldade de entender o que leio, isso me da uma tristeza muito grande. No fim de semana tentei ver um filme legendado e não consegui entender.

  35. Ariel Grandal disse:

    Ser bipolar infelizmente não é moda passageira. Mas hoje em dia não é mais o fim do mundo (Graças a Deus e a Medicina). Diagnosticada há 4 anos, não vou dizer que senti um “alívio” em saber que era bipolar, mas sim, que finalmente tinha uma resposta e um tratamento correto a seguir (e não mais internações sem progressos, anti-depressivos que só pioravam as coisas, a infeliz companhia do álcool e das drogas pq era um saco voltar p casa e não ter sono, não precisar dormir, ficar pilhada 24h por dia, p mais tarde ser tachada de perturbada/viciada). Mas uma das piores coisas p mim foi o preconceito da minha própria família, e eu não tow falando de: tias, primas, avós, madrinhas, amiguinha/prima…nada disso! Tow falando dos meus Pais mesmo, sei que não é nada fácil conviver com esse transtorno, mas a indiferença deles: “Isso é frescura” “Ah, hoje ela tá de lua” “Isso é falta de porrada” “Tá querendo chamar atenção”…. Enfim, era ruim ouvir isso!! Mas ainda bem que restou um pouquinho de amor, p mais uma tentativa e cá estou Eu seguindo um tratamento que está dando certo, abri o jogo p meus chefes, (infelizmente ano passado tive uma crise depressiva lascada, pedi minhas contas da agência e um mês depois eles me chamaram de volta) foi aí que falei que era bipolar, expliquei sobre o transtorno, e incrivelmente eles me disseram: “Queremos você conosco desde que não pare com a terapia, nos dias da sua consulta você largará 2h mais cedo” Nem preciso dizer o quanto me senti abençoada naquele momento. Tudo isso só me fez enxergar que apesar dos erros e acertos, somos Totalmente Capazes e Criativos do nosso jeito e com uma intensidade que só nós possuímos….
    Ser bipolar não é sinônimo de pessoa ruim, é uma questão de intensidade!

  36. marina w. disse:

    Obrigada por sua crítica. O TBH ainda não tem cura, o que se consegue é romper os ciclos com reguladores de humor. (NUNCA com antidepressivos). Ainda tenho ciclos de euforia branda, e de melancolia, e meu temperamento será sempre bipolar.

    Um abraço,
    marina

  37. Fabiana disse:

    Olá,companheiros,tambem sofro muito por ser assim,minha vida parece uma montanha russa,tenho medos dos meus pensamentos e não tenho atitude em nada,um dia quero uma coisa e outro dia ja quero outra,nem sei o que fazer,ja fiz terapia um ano e oito meses minha psicologa virou minha amiga ai nao deu certo,comecei o tratamento com um psiquiatra ai parei pq gastei demais com outras coisas e fiquei sem grana pra cuidar da minha saude,achei que ia conseguir sozinha mas sei la to meio perdida…espero um dia conseguir livrar desses meus pensamentos e atitudes q nem eu mesma sei explicar…

  38. FABIANA disse:

    Bom dia,ontem postei aqui,vi como o livro esta sendo recomendado,na hora do meu almoço corri em uma livraria e comprei,comecei a ler ontem,achei bem interessante,espero gostar e que me ajude em algo,pois eu nao aguento mais nao saber o que fazer…até mais

  39. Atuante disse:

    Criei uma espécie de diário onde estou colocando como estou lidando c diagnóstico recente…Espero trocar informações.Abraços!

  40. SERCEL PIRANI disse:

    Faz 62 que nasci bipolar, estou sob controle, estou medicado, faz um ano que terminei de escrever um livro contando o meu sucesso Pensamentos de um Bipolar, 320 pág, falo do meu carvalho e as tentativas de suicídios form muito sofrimento, até encontrar e medicamento certo (quitiapina) não vai se auto medicar, este remédio é de auto custo, seu psiquiatra lhe fornecerá um formulário e você conseguirá num posto médico.
    Vendi quase todos os livros, espero encontrar uma editora profissional,www.sercelpirani.com.br

  41. sidene disse:

    Sou bipolar , hoje estou em uma fase critica ,muita triseza ,choradeira,sentimento de fracassada , para se ter ideia esta noite procurei na intenet nomes de pessoas que suicidaram ,li isto a noite toda ,parece que estou querendo cometer um suicidio, não tenho conseguido trabalhar, não consigo tomar descisões , um dia estou lá em cima outras estou no fundo do poço, meu marido está sofrendo muito ,pois ele não sabe o que fazer ,gente me ajuda moro em BH ,onde Eu posso ir encontrar outras pessoas que sofre o mesmo que Eu ,é me ajudar socorrooooooooooooooo, ates que seja tarde.

    • Betania disse:

      A faculdade de medicina da UFMG esta oferecendo tratamento e apoio psicosocial a portadores do transtorno. Sei q estou dois anos atrasada, mas vai q voce ainda precisa da informacao.

  42. OLA FAZ 1 ANO QUE DESSSCOBRI QUE SOU BIPOLAR E AINDA ESTA DIFICIL A AACEITAÇAÕ DA DOENÇA E REMEDIOS…MAS SIGO EM FRENTE COM TERAPIA ,FILME E LIVROS

  43. Sandra disse:

    Sou bipolar, e como a Sidene, moro em BH e resolvi procurar informações sobre um grupo de pessoas que sofra de bipolaridade. Estou em uma situação semelhante à dela; preciso conversar com pessoas que também sofram desse distúrbio. Não tenho conseguido tomar decisões, cuidar de minha alimentação e nem mesmo sair de casa. Ajudem-me, por favor.

    • Betania disse:

      Sandra, tambem sou de Belo Horizonte e nao consigo encontrar grupo de apoio por aqui que promovam reunioes com bipolares. O que descobri eh que a UFMG esta oferecendo gratuitamente tratamento e apoio psicossocial.

  44. Ana disse:

    Sou bipolar e me sinto sempre infeliz, penso que perdi tudo que a vida não tem mais sentido, não sei mais o que fazer para continuar vivendo, na minha cabeça é só tristeza.

  45. Lizandra disse:

    Ola fui diagnosticada com transtorno bipolar.estou tomando todos os medicamentos prescritos pela minha psiquiatra.tudo começou quando eu encontrei o grande amor da minha vida.achei o marido perfeito.mas como tudo n e perfeito começei uma fase horrivel agredindo ele inumeras veses vias coisas onde n haviam depois de uma experiencia horrivel desencadiei essa doença ate hoje n consigo acreditar no meio de tantas pessoas normais eu vim ter esse problema as veses n prefiria n ter nascido.ja sofri tantu na minha vida n so eu como todos q estao aminha volta.a familia dele mi odeia mas mesmo asim sou feliz pois ele n desistiu de min.eu nao sei o que vai acontecer daqui pra frente.bjos tchau gentee!

  46. Janna disse:

    Acabei de descobrir assistindo uma reportagem e lendo sobre o assunto que sou uma pessoa bipolar.
    Quero encontrar pessoas com o mesmo problema para poder entender melhor.
    Por favor, me mandei email ou me add no face… https://www.facebook.com/janna.kondo

  47. rosa maria gomes disse:

    Já dei meu depoimento de uma Bipolar, agora estou escrevendo um livro intitulado “Vivências de uma bipolar”. Nele descrevo todos os momentos que passei e por onde eu passaei, espero publicá-lo o bre ve possível. Na realidade ele nunca abacará, pois todos os dias vivencio coisas diferentes. Agora estou me tratando com quitiapina, parece que meu psiquiatra acertou oo tratamento, estou me sentimento muito bem. abraços a todos

  48. CARLOS AUGUSTO DE SOUZA disse:

    Achei nos depoimentos uma forma de ajuda, porém gostaria de encontrar um Grupo de Ajuda, assim como, a melhor forma de Terapia Ocupacional. Graças a Deus razão da minha existência, sou Bipolar, 54 anos, aposentado, já passei por dois relacionamentos, no primeiro 02 filhos casados 27 anos independentes. Resido em Camaçari-Ba (Polo
    Petroquímico) Moro só em Apto. financ. CEF. Dificuldade de fazer os trabalhos domésticos. Tive o primeiro episódio depressivo em 1985 fiz tratamento de 02 anos cfe. único Psiquiátra na região (Juazeiro-Ba) trabalhando na Caraiba Metais (cobre). Nos anos 90 diagnosticado Transtorno Bipolar iniciando tatamento até hoje. Não tenho mais esperança em outro relacionamento. O que acham???

  49. Angelita disse:

    Descobri minha bipolaridade por acaso, como sempre fui muito criativa, inventei, escrevi muitas histórias, de repente me vei um nome a minha cabeça… Amélia Madalena e eu…
    um diálogo do eu comigo mesma…
    quem viu, uns me acharam louca, mas eu consegui entender muito de mim mesma, e que muitas perguntas que eu tinha, e possuía a resposta dentro de mim.
    escrevi a mão, tenho tudo guardado, e algum tempo depois fiz uma página, claro fazendo um resumo do que era conveniente a minha reputação colocar á público, á principio com o mesmo nome:
    AMÉLIA MADALENA E EU. O QUE MUDEI Á POUCOS DIAS PARA
    (A OUTRA EM MIM).
    Tem muitas loucuras, ideias minhas, dúvidas, questionamentos… e coisas que qualquer um pode se identificar, pois acredito que mesmo quem não seja bipolar, mais admite que tem dois monstrinhos dentro de si…. o bom e o mau…
    pense bem, seja sincero…
    beijos á todos!!!
    e quero dizer que descobrir a outra em mim foi mais fácil para lidar e lhe dar limites.

  50. michelle maria da silva disse:

    eu acho que sou bopola,eu sou amavel cheia de amor pra da e passa um tempo ja estou depresiva com raiva e sempre agrido meu marido .minha sorte que ele numca revidou ele qr q eu va busca ajunda ,mas acho q ele e que ta com poblemas mas as vz eu acho q preciso

Envie seu comentário

Seu e-mail não será divulgado. (*) Campos obrigatórios.

Skip to content

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM