Um dos maiores problemas entre os cientista que estudam modificações de um hospedeiro causadas pelo parasita é separar entre o que é “intencional” e adaptativo para o parasita do que é uma simples consequência do processo. Por exemplo, você espirra quando está resfriado porque suas vias respiratórias estão irritadas ou porque essa é a maneira que o vírus encontrou de se espalhar? Não me lembro da resposta para essa pergunta, e se você tiver fique à vontade nos comentários. Já o caso que veremos abaixo não deixa dúvidas do quão capazes as vespas são de mudar o comportamento do hospedeiro intencionalmente.
lagarta parasitada defendendo pupas A lagarta da foto acima é de uma mariposa da espécie Thyrinteina leucocerae e se alimenta de folhas de goiabeira e de seu parente próximo, o eucalipto, também da família Myrtaceae. A goiabeira provavelmente convive com a lagarta por tempo suficiente para desenvolver defesas que mantém sua população baixa (lembre-se da dinâmica de interação parasita-hospedeiro), já o eucalipto não, pois ele é uma planta exótica, trazida da Austrália recentemente, de maneira que esta lagarta causa bastante estrago em plantações. O grupo de Entomologia Agrícola da Universidade Federal de Viçosa, estudando este problema encontrou uma interação realmente impressionante.

Uma vespa do gênero Glyptapanteles deposita seus ovos na lagarta, algumas vezes mais de 80. A lagarta continua se alimentando e crescendo, enquanto as larvas da vespa devoram a lagarta por dentro, tomando todo o cuidado para não consumir os órgãos vitais (pois é, a sabia natureza, cheia de paz e amor sempre), e acredite, isso não é incomum. Incomum é o que acontece depois. As larvas parasitódes saem da lagarta e formam casulos, para empupar enquanto amadurecem e passam para a fase adulta. Nesse período a lagarta para de se alimentar e passa a montar guarda, protegendo as pupas. Isso mesmo, ela protege as mesmas vespas que a devoraram, atacando com cabeçadas qualquer besouro ou percevejo que se aproxime, de maneira tão eficiente que morrem metade das pupas que morreriam se estivessem desprotegidas.
O comportamento é tão diferente, que se percebe com os dois vídeos abaixo, no primeiro uma lagarta não infectada não dá nem bola para o percevejo, no segundo a lagarta infectada, que está protegendo as pupas nos casulos, ataca com movimentos laterais o percevejo que se aproxima. O que faz isso com a lagarta? Cerca de duas larvas permanecem dentro da lagarta, provavelmente liberando substâncias que alteram o comportamento dela, e posteriormente morrem, junto com a pobre da lagarta. Intrigado com o altruísmo das larvas que se matam para o sucesso das irmãs? Aguarde algus textos que vc verá uma série de exemplos e motivos para isso.

No melhor espírito de acesso livre à ciência o artigo foi publicado na revista PLoS ONE. Abaixo o link para o artigo (em inglês) e o site da Pós-Graduação em Entomologia da UFV, departamento dos autores brasileiros do trabalho.Grosman AH, Janssen A, de Brito EF, Cordeiro EG, Colares F, et al. (2008) Parasitoid Increases Survival of Its Pupae by Inducing Hosts to Fight Predators. PLoS ONE 3(6): e2276.
Programa de Pós-Graduação em Entomologia da Universidade Federal de Viçosa
Obs. Na reportagem da Folha online, o Ricardo Bonalume comparou essa vespa ao alien do filme “Alien – Oitavo Passageiro”, continue frequentando o blog que lhe garanto um exmplo bem mais próximo do filme! Aguardem, vespas parasitóides são capazes de coisas incríveis.

Skip to content