Maria Sibylla Merian, naturalista pioneira



Metamorfose da Thysania agrippina por Merian.
Maria Sibylla Merian (1647-1717) foi uma naturalista alemã bastante dedicada ao estudo de insetos. Filha de pai artista e criada pelo padrasto que era pintor, Maria Sibylla foi estimulada a desenvolver seu talento artístico, que usou para publicar seu primeiro livro, com pinturas de flores em 1675.
Numa época em que os insetos eram considerados animais demoníacos e por isso desprezados, Maria Sibylla se dedicou a estudá-los, atividade predominantemente masculina na época. Seu segundo livro, A maravilhosa transformação e a estranha nutrição vegetal das lagartas, publicado em 1678, traz desenhos completos do ciclo de vida das borboletas e, com isso, apresenta um processo desconhecido pela maioria da população: a metamorfose.
Depois de se separar do marido, outra atitude bastante incomum na √©poca, Maria Sibylla foi morar em Amsterd√£, capital da Holanda. L√°, conheceu os animais tropicais vindos do Suriname, que era ent√£o col√īnia a√ßucareira holandesa, tal como o Brasil foi de Portugal. Deslumbrada com os animais e animada por estud√°-los na natureza, partiu para outra realiza√ß√£o at√© o momento feita apenas por homens: uma expedi√ß√£o naturalista aos tr√≥picos.
No Suriname, ela estudou e pintou diversos tipos de planta (como a bananeira e o abacaxi) em seus ambientes naturais. Em 1705, de volta √† Holanda, publicou seu √ļltimo livro, Metamorfose dos insetos do Suriname.
Na √©poca em que Maria Sibylla viveu, travava-se uma disputa entre os cientistas sobre a origem dos animais. Alguns pensavam que os insetos se originavam da lama e da sujeira, de acordo com a ideia da gera√ß√£o espont√Ęnea da vida. Outros cientistas acreditavam que a vida somente poderia se originar de outra vida. Como os trabalhos de Maria Sibylla mostravam que as borboletas eram geradas por outras borboletas, seus estudos refor√ßavam a segunda ideia.
Como não redigia seus livros em latim, língua usada pelos cientistas da época para comunicar suas descobertas, seu trabalho completo, com descrição de mais de 186 espécies, e seu pionerismo permaneceram desconhecidos da comunidade científica por muito tempo.
Se seu trabalho tivesse sido divulgado em latim na √©poca em que foi realizado, poderia ter influenciado os rumos da ci√™ncia ao fortalecer ideias contr√°rias √† gera√ß√£o espont√Ęnea da vida a partir da mat√©ria bruta, ideias que tamb√©m haviam sido exploradas e questionadas por outros cientistas, como Francesco Redi (1626‚Äď1698), por volta de 1668.


3 responses to “Maria Sibylla Merian, naturalista pioneira”

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *