A natureza e o sexo sem fronteiras

Por mais que intolerantes condenem a homossexualidade como algo anti-natural, eles não poderiam estar mais errados. A homossexualidade já é conhecida em muitas espécies (de 450 a 1500 animais, referindo-se a vertebrados ou animais em geral) e ocorre tanto entre machos quanto entre fêmeas.

É, até o rei das selvas tem seus “momentos”…


O carneiro montanhês, conhecido como bighorn,
forma sociedades apenas de machos que praticam de sexo anal a lambidas
genitas seguidos de ejaculação, e quem não participa fica fora da
sociedade. Girafas, golfinhos, orcas e baleias cinzentas fazem orgias
sem fêmea nenhuma participar.

E não é uma exclusividade deles. Fêmeas de macaco japonês
fazem sexo muito mais frequentemente entre elas do que com machos, e
empregam muito mais posições sexuais. Para elas e para fêmeas de
macacos bonobo, sexo entre fêmeas é uma das melhores maneiras de se
enturmar.

Tão íntimo quanto catar piolhos, e com a vantagem de que os genitais
são muito mais sensíveis, dando bem mais prazer. Aliás, macacos bonobos
são atletas sexuais ativíssimos, troque aperto de mão ou beijo no rosto
por sexo e você vai ter uma noção de como eles se relacionam –
aproveite para esquecer também a idéia de que humanos são os únicos
animais que sentem prazer ou são providos de clitóris.

Para continuar lendo meu novo (e longo) texto no Papo de Homem, clique aqui.

Skip to content