Uma questão bem pertinente sobre honestidade. Em uma situação onde você pode levar vantagem sendo desonesto, o que acontece, você tende a mentir mas se contém ou você tende a ser honesto e faz uma forcinha para mentir?

homer.gif

ResearchBlogging.orgSegundo House et al., pessoas sempre mentem, mas qual é o ponto
de partida? Nosso cérebro precisa se controlar ativamente para mentir ou para não
mentir? Pesquisar esse tipo de resposta sempre é complicado, uma vez
que quando você vira para o voluntário e fala: “Mente na sua
resposta”, ele já sabe que tem que mentir, e as respostas mudam. Não é avaliada a escolha de mentir.

Mas um grupo do departamento de psicologia de Harvard achou uma solução
bem elegante. A intenção foi observar por fMRI (ressonância
magnética funcional, também muito usada por House et al.) regiões associadas a conflito, controle cognitivo e inibição de respostas.  – Aos interessados, córtex cingulado anterior, região dorsolateral e ventrolateral do córtex pré-frontal.

Se as pessoas tendem a ser honestas e fazem esforço para mentir, a
região de controle deve acender ao serem desonestas. Já se tendem a
mentir levar vantagem sempre, precisam ativar a região de controle para se
comportar honestamente, e ela fica inativa quando estão sendo
desonestas.

Um experimento que desse a oportunidade para ganho desonesto foi
bolado. Os voluntários eram chamados para um experimento que
verificaria a paranormalidade das pessoas através do lançamento de moedas.
Assim, haviam duas situações para medir a atividade nervosa: na primeira,
o voluntário dava o palpite de qual lado ele achava que cairia para
cima, cara ou coroa, e a moeda era jogada. Para cada acerto ele ganhava
$3 e para cada erro perdia o mesmo valor. Esta era a atividade normal
do cérebro, já que a pessoa não tinha controle sobre os ganhos; na
segunda, o voluntário dizia qual o palpite que ele tinha pensado depois
do lançamento ser feito. Ele dizia se tinha acertado ou errado, e ganhava ou
perdia $3 novamente. Aqui, a pessoa tinha a oportunidade de mentir o
palpite, e ser recompensada, sem saber que o teste era montado
justamente para medir isso.

Como as chances de uma moeda dar cara ou coroa são de 50%, e ninguém
consegue prever o futuro – se você acha que paranormais existem, está
no blog errado – detectar os desonestos foi bem simples.
Qualquer um que acertasse menos do que 53% dos lançamentos era
classificado como honesto, os que acertavam entre 53 e 68% eram postos
de quarentena, no grupo ambíguo, e quem acertava 69% ou mais ganhava o
rótulo de desonesto (aliás, na cara larga, alguns chegaram a “acertar” 100%).

Na situação em que não havia escolha, e nas que havia mas as pessoas
tinham acertado o lado da moeda, não houve diferença nos tempos de
resposta nem na atividade das regiões de controle do cérebro. Aqui, o ganho era honesto. Já quando
havia a opção de mentir, as pessoas honestas não demoravam mais para
responder que haviam perdido, bem como não tinham atividade nervosa alterada. Os
indivíduos desonestos acendiam as regiões de controle e levavam bem
mais tempo para responder se haviam ganho.

Esse tempo de resposta mais longo indica a tomada de decisão sobre o
que responder. E quanto mais desonesta a pessoa, mais atividade nas
regiões de controle.

O estudo não resolve se a maior atividade dos centros de conflito e
tomada de decisão é porque os indivíduos desonestos precisam se
esforçar para mentir ou decidir se compensa ou não mentir naquela
situação. Mas mostra que nossa honestidade é espontânea.

Não é o grande estudo final sobre o comportamento humano, e nenhum vai ser, mas abre portas para novos testes. Será que quem mente demora para resolver mentir ou para escolher quando mentir? O que muda em pessoas honestas ou desonestas? Qual a motivação dos honestos?

Como sempre em ciência, uma pergunta respondida abre portas para muitas outras novas.

Fonte:

Greene, J., & Paxton, J. (2009). Patterns of neural activity associated with honest and dishonest moral decisions Proceedings of the National Academy of Sciences, 106 (30), 12506-12511 DOI: 10.1073/pnas.0900152106

Skip to content