EUA e as ciências das mudanças climáticas

Já falei aqui sobre o Protocolo de Kyoto, mas valem alguns lembretes:
1) O Protocolo é um acordo de cavalheiros que diz: “Vamos diminuir nossas emissões de gases do efeito estufa.”
     Aí, você de casa se pergunta: “E se alguém não cumprir o acordo?”.
     E eu te respondo: “Fica por isso mesmo. Ninguém é multado, nem ganha um chapeuzinho de burro e fica de castigo no canto da sala. Talvez – mas isso é uma característica que ainda pode ser renegociada – o país que não atingir suas metas fica devendo para o próximo protocolo.”
2) O Protocolon de Kyoto entrou em vigor em 2005 e vale até 2012.
3) O Protocolo de Kyoto não é ratificado pelos EUA. Os Estados Unidos tem uma das maiores emissões de gases do efeito estufa per capita do planeta, que em 2004 era equivalente a 20,4 toneladas de carbono equivalente (em um ano). Para se ter uma idéia, no mesmo ano, cada brasileiro era responsável por emitir 1,8 toneladas de carbono equivalente.
Pois bem. Os EUA não parecem se preocupar muito com as mudanças climáticas – ou, na verdade, parecem se preocupar muito com a sua economia, visto que reduzir emissões de gases do efeito estufa custa caro (há que se investir em tecnologias limpas, trocar as antigas em grandes indústrias, optar por energia limpa, optar por comércio justo e tantas outras coisas que, custam dinheiro).
Mas, quando se trata de querer ser O MELHOR em determinada coisa, os caras não querem nem saber. Por exemplo – hoje fiquei horas (isto mesmo, horas) tentando procurar a referência original para o relatório citado neste artigo.
O artigo é assustador, fala sobre o aumento muito mais acelerado de derretimento de calotas polares, elevação do nível do mar e secas prolongadas no sudoeste dos EUA do que o aumento previsto anteriormente. Critica, ainda, as projeções conservadoras que vêm sendo feitas e alerta para a falta de conhecimento que temos sobre os riscos potenciais que as sociedades humanas poderão sofrem com os riscos de mudanças climáticas abruptas.  
Aí, como detesto quando alguém dá uma notícia destas sem citar fontes (porque cobram isso de mim quando blogo), fui atrás dos originais. E nestas que eu passei horas. Primeiro, fui até a AGU (American Geophysical Union). Fiquei lá, encontrei o programa do Meeting onde esse relatório foi lido, encontrei o cara que leu, mas nada do artigo. Aí fui no Google. E, depois de passear pelo ScienceDaily, pelo Oregon State University e pelo EurekAlert!, finalmente cheguei no U.S. Climate Change Science Program (vejam bem: é o SCIENCE PROGRAM, não o POLICES PROGRAM, ou o ECONOMIC PLAN, ou qualquer similar).
E lá, me deparei com nada mais, nada menos que quatro livros (todos on line), com algo que promete ser mais completo que os relatórios do IPCC. Os livros tratam de: 
+ Trends in emissions of ozone-depleting substances, ozone layer recovery, and implications for ultraviolet radiation exposure 
Decision support experiments and evaluations using seasonal to interannual forecasts and observational data
Reanalysis of Historical Climate Data for Key Atmospheric Features: Implications for Attribution of Causes of Observed Change
E, finalmente, o relatório que eu estava buscando, de, nada mais nada menos que, 459 páginas.
Abrupt Climate Change.
Acho que vou demorar um tempo pra ler esses documentos, então, se sua curiosidade for maior do que a minha, esteja à vontade.
P.S. Mas que os caras são muito sacanas em não destinarem um centavo para políticas públicas de mitigação ou estudos de vulnerabilidade mas gastarem fortunas com um estudo que já está praticamente pronto (e que foi provavelmente feito com os mesmos grupos de cientistas), isso eu acho que é.
Bora, Obama, assinar esse Protocolo e parar com #mimimi?
P.S.2 – E depois dizem que blogar é fácil. Ou pior, vêm aqui e levam o post para um blog chupim… Humph!

Discussão - 7 comentários

  1. denise rangel disse:

    Paula,
    Ninguém se engane, os EUA não assinarão o acordo para não abrir mão de sua comodidade e de seus lucros. ainda mais com a crise econômica. Os países pobres e em desenvolvimento continuarão pagando a conta deles.
    um ótimo domingo pra ti!
    beijo,menina

  2. Thera Fajyn disse:

    Boa sorte com os textos. Eu não tenho mais paciência para texto longo, em ingreix então nem se fala!
    beijos!

  3. Luiz Bento disse:

    Obama não vai assinar. Não porque eles são maus, mas porque o jeito que está o protocolo não só não é vantajoso para eles como iria trazer problemas muito graves para a economia deste país, que já não está boa. Como diz o pessoal do geófagos, vamos voltar ao neolítico…
    http://lablogatorios.com.br/geofagos/2008/12/17/ninguem-vai-nos-convencer-nem-mesmo-o-clima/
    Temos muita sorte. Nós países de terceiro mundo estamos fora de Quioto, mas não paramos de crescer. China já ultrapassou os EUA em taxa de emissão.
    http://veja.abril.com.br/noticia/ciencia-saude/china-autoridades-admitem-emissao-co2-alcancou-eua-396211.shtml
    Estamos em uma posição muito cômoda. Parar de desmatar é muito mais fácil do que diminuir o crescimento econômico. E ainda pedimos ajuda financeira para isso. É claro que eles poluem há muito mais tempo que a gente. Mas não podemos fechar os olhos.

  4. Vale só lembrar que a China ultrapassou os EUA nas emissões totais de carbono equivalente, mas não se considerarmos emissões per capita. Nessa, os EUA ainda ganham de longe.

  5. Luiz Bento disse:

    Considero isso uma informação que condena ainda mais a China, já que para ela ultrapassar os EUA em emissão per capta o problema estaria bem mais avançado. Ter milhões de chineses que não consomem como os americanos não é vantagem. É uma bomba relógio. Atualmente eles diminuem a conta da emissão per capta, mas vamos aguardar um pouco mais e veremos o resultado disso.
    É como nossa discussão entre emissão de aviões e transporte terrestre. O que vale é a emissão total, é o que realmente importa para contabilizar a influência de um meio ou um país em termos globais. Uma vaca emite metano, mas quanto? É relevante? Coisas deste tipo.

  6. Não querendo defender a China (pq eu realmente acho que ela está errada), mas se a Europa e os EUA parassem de “importar” suas indústrias mais poluentes para o território chinês (e se a China parasse de aceitá-las) talvez as emissões chinesas seriam menores (e as emissões americanas e européias seriam maiores).
    E, assim como a discussão dos transportes, eu ainda acho que as emissões per capita são melhor indicador.

  7. Luiz Bento disse:

    Em relação a emissão per capta eu realmente não concordo. Em termos científicos a média é o valor mais enganador a ser utilizado na maioria dos casos. A natureza não é normal, muito menos as emissões por habitantes de um país. Tenha a certeza que o desvio da média da emissão per capta de um estadunidense é muito menor do que a de um chinês. Isso porque a população rural da china é maior. Então um número de emissão per capta da china pequeno esconde um potencial gigantesco de emissão. O gould descrever bem este tipo de interpretação no “Lance de dados”.
    Imagina quantos chineses podem passar a ter carro nos próximos anos? E comprar eletrodomésticos? Tenho certeza que a capacidade suporte da china em termos de emissão está muito mais longe que a dos EUA. E isso vale para o Brasil também.
    Somo isso a falta de tecnologia e de dinheiro do mundo subdesenvolvido, que diminui a chance de investirmos em tecnologias mais limpas. O breno acabou de postar no discutindo ecologia que o brasil vai aumentar e muito o uso de termoelétricas. Isso é um burrice? Não. Termoelétricas são mais baratas. Temos problemas maiores para enfrentar.
    Também não estou defendendo os EUA. Na verdade sou a favor das regras mais rígidas aos países desenvolvidos pelo histórico de emissão. Mas não podemos deixar os países subdesenvolvidos “soltos”.

Envie seu comentário

Seu e-mail não será divulgado. (*) Campos obrigatórios.

Skip to content

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM