Escolha uma Página


Confesso que ao ver o pronunciamento do ministro Direito, uma ponta de esperança surgiu em mim. Afinal ele citou muita coisa sobre retirar células de embriões sem os inutilizar, ou usar embriões que páram de se dividir, caracterizando talvez o tão incerto termo “embriões inviáveis”, que consta na lei. Disse que já é feita extração de células de embriões para diagnóstico genético, onde se retira uma célula do embrião para detectar alguma doença hereditária grave. Mas esta técnica não garante a viabilidade do embrião. O risco envolvido é alto.
A outra alternativa seria usar embriões que pararam de se dividir, poderia ser uma boa opção, pois parece que há um bom número de células vivas nestes embriões. Mas em que condições estariam estes embriões? Se pararam é porque algo está errado com eles. Assim, seriam necessários muito mais embriões para se conseguir estudar o que se pretende. E no fim não teríamos certeza se aquelas células usadas se comportam como células-tronco normais. Muito esforço para nada.
Apesar de não ter falado nada que deixasse explícita a sua formação católica, Direito acabou mostrando um bom lado budista, ao tentar achar o “caminho do meio”, tão trabalhado pelo budismo. O que, dependendo da interpretação, pode ir de encontro com a fé católica, já que o próprio Jesus Cristo disse: “Sede frios ou quentes, os mornos serão vomitados”.
De qualquer forma parece não haver caminho do meio neste assunto. A lei foi aprovada. Aos trancos e barrancos mas foi. Estejamos atentos para que os medos levantados pela polêmica, como tráfico de embriões, ou descaso com material embrionário, não aconteçam mesmo, como prometem os cientistas.