Dizem que nada supera o amor de mãe… conhecemos histórias de mães que se sacrificam por seus filhos, lendas de mães que ergueram carros sozinhas para conseguir libertar um filho atropelado e outras histórias do gênero.

No mundo animal também temos exemplos notáveis de cuidado maternal, mas um em especial me chamou a atenção: as fêmeas do besouro Neochlamisus platani fazem de tudo para proteger seus filhotes, como construir um casulo. 

De cocô.

(depois de uma pequena pausa para que todos possam dizer “Eeeeeeeca, que nojo!”, voltamos com a programação normal)

casebearingbeetle.jpgTemos aqui mais um caso da “Enciclopédia Bizarra do Mundo Animal”. As fêmeas de N. platani constroem uma carapaça-extra em suas costas que traz dá maiores chances de os filhotes chegarem à vida adulta.

E tem gente que acha que teve uma infância/adolescência de m*rda… (trocadilho infame incontrolável, foi o último… eu acho). Esses besouros servem de exemplo prá qualquer adolescente do tipo “ninguém me entende”, “meus pais não me entendem”. Aliás, imagina se a mãe do Renato Russo fosse uma fêmea de N. platani? “Pais e Filhos” seria uma música completamente diferente ; )

Essas fêmeas encasulam sua cria em uma cápsula feita de suas próprias fezes. Após a postura dos ovos, selam cada um deles em um casulo com formato de sino. As larvas eclodem e fazem algumas modificações na estrutura do casulo, como um furo no “teto”, além de aumentarem o tamanho do casulo com seu próprio excremento. 

Prá finalizar imagine esse besourinho esticando sua cabeça para fora do casulo e fazendo o mesmo com suas pernas: temos aqui um casco semelhante ao das tartarugas, que confere grande proteção ao inseto e serve de “moradia móvel” até a idade adulta.

Além dessa moradia os besouros N. platani têm formas de “tunar” seus casulos protetores. Uma das adições à estrutura inicial são pêlos (ou tricomas) de plantas hospedeiras. Esses tricomas são adicionados ao interior e exterior do casulo e possibilitam uma proteção extra contra eventuais predadores, como foi demonstrado num artigo publicado no periódico Animal Behaviour.

ResearchBlogging.orgOs autores do trabalho apontam que o material fecal é excelente para construção pois combina maleabilidade com baixo custo de “produção” (a não ser que você tenha hemorróidas ou intestino preso), além do reforço do material vegetal não digerido.

O artigo publicado na Animal Behavior testou se o casulo fornecia proteção real colocando larvas de N. platani contra três predadores: um grilo, uma ‘maria-fedida’ (Pentatomideae) e a aranha Peucetia viridans (aranha lince verde). Quando a larva do besouro estava dentro do casulo era muito menos provável que fosse atacada do que quando estava em terreno aberto, desprotegida (quando foi vítima dos 3 predadores). A adição dos tricomas à estrutura fez com que os ataques dos grilos fossem evitados apesar de não ter funcionado contra as marias-fedidas. Mesmo com esses resultados os pesquisadores argumentam que o efeito protetor desse casulo no meio ambiente é realmente grande, o que pode não ser constatado quando se coloca a pobre larva numa placa de Petri de cara com seus predadores.

casulo.jpg

Não é só um casulinho bonito… é forte também 😉

Pensando no que aconteceria no meio ambiente, primeiro o predador precisaria perfurar o casulo, o que não é tarefa fácil. Caso conseguisse, encontraria vários tricomas armazenados no interior… e esses tricomas têm ação irritante, exististindo ao menos mais um inseto (um crisopídeo da ordem Neuroptera) que também usa esse artifício para afastar predadores.

Outro fato que depõe a favor da importância desses casulos são indivíduos preservados em âmbar (lembram do mosquitinho no filme Jurassic Park?) que mostram que esses besouros já construíam esses casulos de material fecal há pelo menos 45 milhões de anos. 

Apesar de que, se eu pudesse fazer uma contribuição na construção desses casulos, usaria material vegetal de eucaliptos e talvez convidasse a aranha vegetariana-que-gosta-de-incenso e usa Macintosh que vi outro dia no Rainha Vermelha, para ajudar numa decoração “odor-free”.

Brown, C., & Funk, D. (2009). Antipredatory properties of an animal architecture: how complex faecal cases thwart arthropod attack Animal Behaviour DOI: 10.1016/j.anbehav.2009.10.010