A Dieta Secreta¹ dos Antigos Incas²!

¹ pode ser substituída por “revolucionária”, “da última moda”, “incrível”, “tiro-certo”, “extra-terrestre”, etc.
² pode ser substituída por “antigos povos orientais”, “venusianos”, “cientistas”, “modelos”, etc.
Uma tendência X aparece em meio à aleatoriedade do mundo.
Um grupo de pessoas que começam a parecer umas com as outras mais e mais e, quanto mais se assemelham, mais querem se semelhar, pois são todos animais sociais e essa semelhança exterior intensifica os vínculos que os une, os tornando mais próximos e fazendo-os querer ser ainda mais indistintos.
Por alguma razão, esse comportamento, ao mesmo tempo bizarro e banal, chama a atenção de veículos de comunicação de massa, que começam a difundir maciçamente e endossar aquele comportamento, fazendo com que os outros seres sociais da mesma espécie vejam aquilo e achem que sendo daquele jeito é que eles vão pertencer e se enquadrar ao tal grupo que, estando sendo tão bem notado pelos meios comunicativos, são de uma importância superior e devem ter seu exemplo seguido para que todos, no final, formem uma grande comunidade de seres indistinguíveis para que todos possam viver felizes para sempre.
Ou pelo menos até que a voga expire e um próximo grupo passe a ser mais interessante.
Uma amiga minha quer, apesar de não precisar, fazer dieta e perder dez quilos.
Quem precisa perder dez quilos é zebra parindo (a selva é um lugar perigoso para um animal cuja única defesa é se parecer com um terno de mafioso).
Se fosse um homem, eu diria que é falta de pêia. Mas como é uma mulher, eu acho que é falta de elogio. As pessoas mais próximas dela devem ter se acostumado com a beleza da criatura, cuja formosura merece ser enfatizada, e talvez já há algum tempo ela se sinta estranha aos seus companheiros. Não é realmente culpa de ninguém, da mesma forma como nos acostumamos com o cheiro de um perfume que usamos constantemente, também nos acostumamos com as feições que vemos sempre.
Mas isso, de forma alguma, significa que a pessoa passou a ser menos bela, analogamente como o perfume não perdeu sua volatilidade.
Outro problema é que ninguém quer emagrecer, todos querer ser emagrecidos.
Quanto mais passivo o regime, melhor. Vide a infinita prosperidade de dietas com suco de clorofila, acupuntura, dos astros (corpos massivos feitos de gás incandescente com grande gravidade e emitindo radiação constante, não “celebridades”, apesar de existir uma dieta desse tipo também), do tipo sangüíneo (esta devendo ser notada como particularmente ridícula, mais ainda que a com acupuntura), remédios para emagrecer (geralmente diuréticos, que só emagrecem a bexiga e, mesmo assim, só até quinze minutos após a sede ser novamente aplacada), suco de tamarindo (cujo efeito talvez seja deixar um gosto tão horrivelmente péssimo na boca que impossibilite a deglutição de qualquer coisa por um longo tempo), e etc.
Não existe segredo para perder peso, é só uma questão matemática. Mas mais simples ainda, uma conta de diminuir. Gaste mais energia do que consome.
Se imagine num deserto ou numa duna ou qualquer lugar onde haja muita areia fina. Você tem uma pá, uma faca e um saco (daqueles grossos que hippies usam para fazer calças e dizer que é de “cânhamo”) com areia até a metade. Com a pá você pode encher mais o saco com areia, com a faca você pode rasgar um buraco no fundo do saco para deixar a areia escorrer. Se você começar loucamente a socar areia dentro desse saco, esse saco vai começar a encher e a inchar e ficará, finalmente, totalmente cheio. Se você rasgar um buraco no fundo do saco e não colocar mais areia para dentro, o saco vai acabar o dia sem nada dentro, independentemente de quanta areia havia dentro. Se você colocar areia num saco rasgado, a areia que este entrando pela boca vai sair pelo buraco. Se você colocar areia rápido demais, a vazão não será suficiente e o saco vai encher, apenas levando mais tempo. Se você colocar areia devagar demais, o saco vai secar pois vaza mais areia que está sendo colocada para dentro. O ideal é deixar o saco num nível constante, balanceando a areia que entra, via interação pá-boca, com a areia que sai pelo buraco rasgado a faca. Óbvio, né não?
O saco é você, a areia é energia.
Se você só faz comer e dormir, vai acumular muita energia pois não está gastando tanto quanto consome.
Se você não come o suficiente para manter a sua atividade diária, vai acabar se parecendo com uma pipa, pois vai gastar mais energia do que consome e vai faltar um dia.
O ideal para quem se acha mais pesado do que deveria é comer um pouco menos e aumentar a carga de atividades. Nem que comece com uma volta ao redor do quarteirão.
Passar fome não resolve porque quando com fome, o corpo diminui o metabolismo para não consumir o que não tem. As reservas de gordura são para casos especiais e não serão queimadas por besteira. Alternativamente, assim que comida é introduzida, o organismo aumenta o metabolismo, para o alimento ser transformado em energia o quanto antes, possibilitando ao sujeito correr de predadores sem ficar empachado (evolução é um negócio lento, vide 1.000.000.000).
Portanto, a melhor tática para enganar o cérebro e “trabalhar o sistema contra ele mesmo” é comer pouquinho, várias vezes ao dia. Basta o mantimento excitar a aceleração metabólica para a queima de estoque começar, afinal, “vem mais comida por aí”, diz o cérebro. Espere um pedaço e a fome volta. A fome é o sinal de que seu metabolismo está diminuindo, assim como a luz vermelha na porta dum estúdio é sinal de que uma gravação está em andamento. Quando sentir o sinal, não deixe seu corpo diminuir o ritmo, coma de novo, mas pouquinho.
Mas quando a luz do estúdio acender, deixe a gravação ser feita. Esse meu exemplo não foi dos melhores…
Fome desanima e entristece. Exercício entusiasma e revigora.
Quando você se exercita depois de certo ponto, o hipotálamo libera uma cadeia de aminoácidos, conjuntamente denominados Endorfina, que é “produzida em resposta à atividade física, visando relaxar e dar prazer, despertando uma sensação de euforia e bem estar” .
Da primeira vez vai ser chato, ultra mega chato. Fazer exercício é a pior coisa do mundo. Mas uma volta no quarteirão nem é tão ruim. Comece devagar.
Quanto mais um se exercita, maior é a sensação de contentamento e dever cumprido.
Em um mês, o exercício passa a ser almejado e sentimos falta quando deixamos de faze-lo por um dia.
Porém, isso é uma dieta ATIVA.
Aff, só de pensar em ter que comer frutas, verduras, carnes, pães, queijos, bolos, omeletes, num-sei-quantas vezes por dia, sair pra ir andar, correr, nadar, pedalar, levantar peso, dançar, flexionar, lutar, pular, brincar com cachorro, passear com cachorro, subir pela escada, descer pela escada, deixar o carro em casa uma vez por semana e andar até a parada, pegar o ônibus na próxima parada, descer do ônibus uma parada depois, jogar bola, tomar banho na parte funda da piscina, já deu um cansaço…
Vou deitar.
P.S. Menina, você é muito linda, deixe de besteira!

Discussão - 2 comentários

Envie seu comentário

Seu e-mail não será divulgado. (*) Campos obrigatórios.

Categorias

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM