Pablo, Igor e Albert

No início do século XX (20, para os não-romanos dentre nós), o mundo sofreu mudanças radicais em quase tudo.
Arte, Ciência, Religião, Sociedade, Tecnologia.
Isso está sempre mudando o tempo todo, mas nessa época (e para o meu argumento fazer sentido) a mudança foi ligeiramente mais brusca e obtusa.
Por exemplo:
Fomos da beleza e detalhes de Raphael Sanzio:
raphael
Para para a (err…) emoção de Pablo (Diego José Francisco de Paula Juan Nepomuceno María de los Remedios Cipriano de la Santísima Trinidad Martyr Patricio Clito Ruiz) Picasso (o nome dele completo é esse mesmo, sério!):
pablo
Do primor harmônico da Primavera de Vivaldi:
[youtube=http://br.youtube.com/watch?v=St9wYu_WeAM]
Para a desarmonia e desritmia da Sagração da Primavera de Stravinsky:
[youtube=http://br.youtube.com/watch?v=SkuwexpwqO4]
E de um mundo organizado (por Newton), onde a massa dos corpos exercem uma força de atração uns nos outros (Gravidade) e Luz era uma onda (“onda” não de “tu tá de onda, mermão!” mas “onda” como as sonoras ou as do mar) para um universo COMPLETAMENTE LOUCO (por Einstein) onde Massa não só pode ser transformada em Energia (e vice versa!!!) como também CURVA O TECIDO DO ESPAÇO-TEMPO¹ e a Luz não é só mais uma onda como é também uma partícula (AO – MESMO – TEMPO – !!). Uma partícula sem massa mas que, como é feita de Energia que é intercambiável com Massa, sofre efeitos da Gravidade ao resvalar em um desses Poços Gravitacionais causados por corpos imensamente descomunais, como Planetas e, mais ainda, Estrelas.

¹ Isso aqui não dá para explicar no meu formato-padrão de parênteses, mas é simples. Mais ou menos. É o seguinte: nós vivemos num mundo com quatro dimensões, sendo três espaciais (cima-baixo, esquerda-direita, frente-trás) e uma temporal (o tempo) e elas se juntam num negócio chamado (arbitrariamente, como o seu nome, caro leitor) Espaço-Tempo (que é também comparado a um tecido, que pode ser dobrado, rasgado, costurado, etc., mas sem muitos detalhes por enquanto).
O esquema da curva no tecido é fácil de visualizar como um pano bem espichado (estirado, esticado, tensionado), como o piso de uma cama-elástica, mas de algodão, como um lençol de cama.
Próxima visualização é uma biloca (bila, bola-de-gude, bolota, tecão) posta em cima do tecido. O peso da bolinha de vidro vai criar uma depressão (ou poço) no pano.
Agora, aumentando o cacife (aposta mínima), imaginem uma bola de boliche (ou de canhão, dependendo de com quem vocês andem…) em cima do mesmo pano, mais ou menos perto da biloca. Esse segundo poço criado vai ser bem maior e, dependendo da distância, vai fazer com quê a bola menor role pro lado da maior. Se a pequena já estivesse se movendo a uma certa velocidade numa direção fixa e ficasse bem na beiradinha do buraco criado pela grande, aquele entraria em órbita deste (ou seja, ficaria circulando ao redor da bola maior).
Isso é uma curva no tecido, sendo que o meu exemplo só tem duas dimensões (direita-esquerda, frente-trás) e o Espaço tem três.

Eu não sei como Pablito fez o dele (talvez estivesse “de onda” e depois que ficou famoso não quis dar o braço a torcer) nem como Igor achou que aquela música ia dar certo (ou estava sendo tocada certo… talvez ele fosse meio môco), mas eu sei como Albert chegou à conclusão dele.
E envolve o nosso país!
Einstein pensou: “Se eu estiver na Terra, dentro duma câmara totalmente selada, eu saberei que lado é para baixo porque meus braços em repouso tendem a cair, as coisas que eu soltar também cairam, eu sinto o meu peso me puxando para baixo e assim por diante. Alternativamente, se eu estiver na mesma câmara vedada, no espaço, longe de uma influência gravitacional, mas estiver sendo acelerado constantemente, segundo as Leis de Newton, terei a mesma sensação de peso, as coisas continuaram caindo em direção contrária ao movimento, me dando assim um sentido de baixo-cima. Se essas duas coisas forem verdade, a Massa do Planeta, que gera Gravidade, tem que (ou deveria) ser análoga ao movimento de aceleração que simula Gravidade mas que não envolve Massa, somente Energia. Ou seja, Massa e Energia devem ser equivalentes e relacionados.”
Duma lapada só ele criou o campo de Física Teórica (diferente da Física Experimental ou Observável) e uma teoria que revolucionou TUDO (TV via satélite só existe por causa disso). Só precisava de uma confirmação prática.
Aí é onde entra o inglês Arthur Stanley Eddington. Ele queria porque queria que o alemão das mechas eletrostaticamente carregadas estivesse certo. Aí, em 1919, catorze anos após a publicação da Teoria da Relatividade Especial, ele foi até a ilha de São Tomé e Príncipe para observar um eclipse total do Sol e mandou um estepe para o Brasil (ÊÊÊÊÊÊÊÊ!!! É TETRA, É TETRA!!) para o caso de haver nuvens onde ele estava.
Mas o que isso tem a ver com qualquer coisa?
Se a teoria de Einstein fosse correta, a Luz teria que ser afetada por um campo gravitacional forte, como qualquer partícula seria. A luz de uma estrela distante, quase por trás de Sol, quando observada daqui, seria desviada um pouquinho para dentro, porque seria puxada pela gravidade. Mas só é possível ver uma luz bem fraquinha bem próxima de uma luz bem forte se a intensidade desta diminuir consideravelmente. Como acontece num eclipse total!
Genial!
Eddington foi, mediu, confirmou na prática o diabo da Teoria (que previa exatamente o que deveria ocorrer) e foi para casa colher os louros da fama (eu não li a biografia dele, isso que eu disse é provavelmente mentira, ele deve ter morrido sozinho e com frio).
Albert Einstein (que virou o primeiro, e até agora, único cientista com status de Pop Star), Igor Stravinsky e Pablo Picasso revolucionaram não só seus campos, como também o mundo.
E não que já não houvessem loucos antes. O que mudou foi a Sociedade que passou a aceitá-los.
Ô vidinha mais ou menos…

Discussão - 5 comentários

  1. Isabela disse:

    Oi Igor! Achei teu blog por conta de um post comentando sobre espinhas, acne e td mais que a nossa pele não merece (rs)… Por isso, achei válido aparecer aqui e te deixar um coment. Ainda mais, pq eu faço de td para ficar com a pele bacana. Gosto de conversar com gente que queira a mesma coisa tbm 😀
    Bom, é isso. Apareça para trocarmos idéias sobre como ter a pele perfeita 🙂
    ;***
    ps: vou aproveitar e te add nos favoritos do meu blog (y)

  2. márcio disse:

    Igor,
    aqui é márcio.
    massa o teu blog, rapaz, e o mote é muito bom.
    Rodrigo me mostrou agora, o bicho.
    abraço,

  3. márcio disse:

    ei,
    ouvi alguém falar que o wordpress ia acabar no brasil, ou ser pago, sei lá.
    Isso procede?

  4. Igor Santos disse:

    Digaí Márcio!
    Obrigado pelo elogio.
    Houve um episódio de semi-censura quando ameaçaram fechar o WordPress para o Brasil por causa dum sujeito que filmou a namorada na cama, mas eu já contei o causo mais ou menos aqui -> http://uoleo.wordpress.com/2008/05/06/cronico-renitente/
    Novamente obrigado e volte sempre.

Envie seu comentário

Seu e-mail não será divulgado. (*) Campos obrigatórios.

Categorias

Skip to content

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM