Dá para ouvir isso?

Ultra-Sonografia (ou ultrassonografia, em acordo com as novas regras da Língua Portuguesa) utiliza ondas sonoras de altíssima frequência (ultrassom, ou som acima da capacidade auditiva humana) para formar imagens (grafia) numa telinha.
Morcegos e golfinhos usam uma técnica parecida, chamada “ecolocalização” (eco = som refletido), enquanto o processo similar em submarinos é chamado “sonar” (corruptela de som + radar).
O processo é o seguinte; uma onda sonora de alta frequência (a reforma da língua aboliu também o trema, estou tentando me adequar) é lançada sobre objetos sólidos para que reflita e seja captada por um sensor. Se um pedaço do objeto estiver mais perto, o eco vai voltar mais rápido, se estiver mais longe, demorará mais a voltar, o que forma uma imagem plana (bidimensional) do objeto.
E por que alta frequência?
Quanto mais alta, menor é o comprimento da onda. Quanto menor for esse comprimento, de modo a manter e velocidade do som constante (não importa o tom, o som sempre vai andar na mesma velocidade, dentro das mesmas condições, por isso que todos os sons de uma banda chegam ao mesmo tempo em nossos ouvidos), a energia aumenta (a energia total não muda, o que muda é a quantidade de “força” pra “frente”, já que não precisa se mexer tanto pros “lados”). Quanto maior a energia, mais difícil será de se dissipar (ondas mais compridas e com frequência menor também sofrem interferência gravitacionais, mas isso é MUITO além do que eu estou preparado para explicar hoje), mais facilmente se refletirá (dificultando a absorção) e melhor serão as imagens. Como as imagens não são reais, mas a combinação de presença ou ausência de reflexos dessas ondas, a figura aparece em preto (presença) e branco (ausência). Alguns sonares contam com representações coloridas, como um mapa geográfico, onde a distância das coisas (o tempo que a onda leva para ser refletida) induz cores diferentes, mas isso também é irrelevante no momento.
O que importa é que ultrassonografia é um exame muito útil e totalmente seguro (a não ser que se tenha alergia ao gel, mas este também é bastante inerte, à base de água e não gosta de reagir com as coisas) e que deve ser utilizado em pré-natais (ou prénatais, não tenho certeza se a forma original tem hífen), principalmente agora que aperfeiçoaram a técnica e as imagens estão saindo quase tridimensionais (“quase” porque ainda são projetadas numa tela plana, em duas dimensões).
Faça Pré-Natal, acompanhe o desenvolvimento do feto para garantir que a criança nasça que preste.
E minha contribuição para o serviço de utilidade pública termina aqui.
P.S.1 O limite de audição humano é 20kHz, ou vinte mil ciclos por segundo.
Um ultrassom gera entre 2 e 14 milhões desses ciclos (2~14MHz).
P.S.2 Depois da revisão ortográfica lusófona, frases como “eu pélo pêlo pelo corpo” (eu pelo pelo pelo corpo) e “ele pára para ninguém” (ele para para ninguém) me deixaram muito confuso…

Discussão - 2 comentários

  1. Atila disse:

    o mais legal é que os morcegos usam sons de baixa frequência quando estão longe da presa para economizar energia e ao se aproximarem aumentam a frequência para conseguir definição!

  2. Igor Santos disse:

    Sério? Não sabia disso.
    Legal, vou pesquisar mais sobre morcegos.

Envie seu comentário

Seu e-mail não será divulgado. (*) Campos obrigatórios.

Categorias

Skip to content

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM