A busca pela vida noutros cantos

Desulforudis audaxviator
Encontrados a uma profundidade de quase três quilômetros numa amostra de água extraída do fundo de uma mina na África do Sul, esses microorganismos (também chamado de extremófilos, por fazer parte do grupo de seres que vivem em condições que chamaríamos de extremas, como ao redor de jatos de água superaquecida no fundo do mar ou no gelo eterno dos pólos) vivem num ambiente privado de oxigênio e que alcança temperaturas de até 60 graus centígrados.
Num exemplo de (possível) evolução, acredita-se que essas bactérias se formaram na superfície e migraram para dentro da terra, alguns milhões de anos atrás, onde nada mais há senão eles mesmos.
Eles tiram sua energia do hidrôgenio e sulfato produzido pelo caimento radioativo do urânio (que é um elemento que, através desse processo de caimento, ajuda a aquecer o planeta, evitando que nossa bola de pedra se solidifique de uma vez por todas) e constróem eles mesmos suas moléculas orgânicas, utilizando água, carbono inorgânico e nitrogênio, proveniente de amônia encontrada nas redondezas e que é um tanto quanto tóxico para nós. Mas também nós não somos extremófilos…
Aliás, oxigênio é tóxico para essas criaturas. Sinal de que não tem contato com tal gás há muitos milhares de séculos.
Nada vivo havia sido encontrado a uma profundidade grande assim e, de acordo com o sequenciador de genoma ambiental (um aparelho que conta os genes de tudo que houver numa amostra e diz a porcentagem de cada) dos pesquisadores, essa microfauna é composta exclusivamente desse tipo de organismo (99,99%, sendo o resto apenas detrito de coisas vindas mais de cima).
Agora imaginem que o planeta é apagado superficialmente, incluindo aí evaporação dos oceanos, transformando a Terra numa Vênus 2.0, mas retem (ainda leva acento?) sua integridade física.
Essas bactérias subterrâneas seriam as únicas coisas a sobreviver, porque a temperatura exterior não as atingiriam de imediato e as mudanças seriam lentas o suficiente que possibilitariam adaptação por parte dos sulferides.
Com o passar dos milênios, elas seriam o único traço de vida presente no mundo.
Mas seriam indetectáveis para um observador externo ou que mandasse sondas que não perfuram suficientemente fundo!
Vida é razoavelmente fácil de aparecer e se estabelecer, pois vai lutar até a morte para se manter viva.
Nem que tenha que descer para as profundas para respirar nitrogênio e comer urânio!
A descoberta de seres assim aumenta as esperanças/possibilidades de encontrarmos vida fora daqui.
Basta uma colônia de bactérias dormentes num pedaço de rocha atingida por um meteoro e lançada ao espaço (evento inacreditavelmente comum!) encontrar um local razoável para despertar e pronto. A semente está plantada!
Outra notícia relacionada; 10% da biomassa terrestre reside debaixo da superfície dos oceanos.
Vida alienígena, extraterrestre, não precisa ser verde, jogar baralho nem dar descarga. Sequer precisa se feita de silício ou titânio.
Precisa nem estar vivo!
Se contiver DNA e vier de outro planeta, é o suficiente.
Apóiem o SETI (eles têm um ótimo podcast).

Discussão - 0 comentários

Participe e envie seu comentário abaixo.

Envie seu comentário

Seu e-mail não será divulgado. (*) Campos obrigatórios.

Categorias

Skip to content

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM