O que faria você mudar sua opinião?

A discussão – que já se tornou ridícula, sinceramente – que está se desenvolvendo aqui neste meu blogue me fez pensar muito durante o feriado (durante fins-de-semana e feriados eu me desplugo do mundo e fico pensando na vida) e eu cheguei à uma conclusão que deve aumentar minhas dores de cabeça consideravelmente mas que é, ao fim e ao cabo, a melhor de todas: mudar de tática.
Eu parei de responder aos comentários e emails por um motivo simples: “Ideias precisam ser distintas para que Razão lhes possa ser aplicada.”
Essa frase é a segunda metade de uma proferida por Thomas Jefferson (o autor é irrelevante, o que importa é o conteúdo). A primeira parte lê: “a única arma que pode ser usada contra propostas incompreensíveis é o escárnio.”
A frase é ótima, mas o problema que eu tenho com o começo dela é que nem todas as pessoas vão conseguir entender a piada. O que precipitará muitas delas a esculhambar e achincalhar o mensageiro, sem se preocupar com o conteúdo da mensagem.
Eu acredito em tudo o que escrevo aqui a ponto de incluir meu nome, meu email e meu rosto para que qualquer um possa me reconhecer.
Eu não me escondo, não tenho medo das minhas palavras nem receio de desagradar alguns poucos cujas ideias eu ataco.
Até alguns dias atrás eu pensava em proponentes de terapias pseudocientíficas como charlatões que nutrem o mal propositalmente por algum motivo obscuro (ou por simples maldade).
Mas depois de ler todas os comentários que recebi (e as agressões que sofri), notei que a grande maioria dessas pessoas não são mal-intencionadas, mas mal-guiadas ou apenas ignorantes (outras têm tão pouco em suas vidas que ficam lisojeadas achando que um texto foi escrito especificamente com elas em mente. Pena).
Elas querem o bem de todos. Apenas não sabem que estão enganadas.
É muito difícil entender como o mundo real funciona e fácil acesso a informação não implica necessariamente fácil entendimento ou mesmo vontade de aprender.
É normal aceitar a informação que mais se adequa ao seu pensamento como verdadeira e rejeitar qualquer coisa que diga que você está errado.
Cientificamente, a auto-hemoterapia não funciona. Ponto final.
Para que ela seja aceita, é necessário que prove (pois o ônus da prova está na alegação) que funciona.
O modo padrão sob o qual o mundo opera é o de que nada funciona. Não são necessárias provas disso.
Se eu disser que uma maçã cai porque a massa terrestre a está puxando para o seu centro de gravidade, eu preciso provar minha hipótese.
Alternativamente, se eu disser que não é a maçã que cai mas o chão que sobe para encontrá-la, eu preciso provar o que estou dizendo.
Ambos modelos estão errados até que se mostrem certos.
Band-Aid, cuspe, esparadrapo, bosta de vaca, Vick Vaporub e clara de ovo não ajudam a cicatrizar feridas até que provem que sim. Uns vão passar pelo corte, outros não.
O mecanismo usado para que uma hipótese venha a ser aceita é ao mesmo tempo extremamente complexo e extremamente simples.
É simples porque eu só preciso mostrar que aquilo funciona, mas é complexo porque o processo assim o é.
Para provar que uma auto-transfusão curou minha dor nas costas eu precisaria mostrar que sentar direito não curou e que dormir de lado não curou e que o problema não se curou sozinho e que etc etc.
Uma estória só não conta. Se eu jogar um dado só uma vez e cair um 2, eu não posso afirmar que aquele dado vai dar 2 sempre ou que ele só tenha uma face, o 2.
Já se eu jogar o dado seis milhões de vezes, o lado 2 só aparecerá em um milhão de jogadas.
Como é um tanto impraticável testar dor nas costas em um só indivíduo mil vezes, é necessário mil voluntários com dores semelhantes para que um teste razoável seja conduzido e um resultado significativo seja alcançado. E quanto mais gente melhor.
Infelizmente, estatística é um negócio aparentemente de outro mundo; o análogo matemático de “falar grego”.
Voltando ao dado do exemplo acima, eu posso dizer com toda confiança que a face 2 de um dado tem um sexto de chances de cair voltada para cima, mas posso me deparar com um resultado diferente, porque o mundo é assim mesmo. Murphy tem certa razão.
Eu estou atualmente engajado num tratamento anti-calvície que me diz que 60% dos pacientes experimentam estagnação da alopecia.
Isso não significa que pouco mais de metade da minha cabeça vai continuar cabeluda, mas que 6 em 10 homens param de ficar careca. Eu não sei se estou nos 6 ou nos 4, mas continuarei em frente por pelo menos um ano para saber o que vai acontecer (tenho mais que meia chance).
Reiterando e esclarecendo: os testes conduzidos para que se chegasse a esse número não foram realizados em dez homens, mas em centenas ou até milhares.
Uma parcela significativa da população precisa estar envolvida, como numa pesquisa eleitoral.
De que adianta uma pesquisa feita dentro de um escritório onde funciona a base da campanha de um candidato? 100% das pessoas ali dentro devem votar nele, não?
Para que eu saiba a altura médio do brasileiro eu não posso medir só os frequentadores da Associação Norte-Riograndense de Basquete nem tampouco os membros de uma só família de anões. Preciso medir inúmeros sujeitos aleatórios, inespecíficos e não-relacionados.
Anteontem eu não conseguia lembrar da palavra “alfândega”.
Posso concluir então que ninguém se lembra dessa palavra?
Ontem eu estava jogando bilhar e, com uma tacada, encaçapei três bolas.
Posso dizer que todo mundo que jogar bilhar vai sempre encaçapar três bolas com um só movimento?
Não.
E por que não? Porque minha experiência não vale de nada.
Sequer posso dizer que vou sempre esquecer de uma determinada palavra ou marcar tantos pontos num jogo.
Aconteceu comigo, aconteceu uma vez e pronto. Eu sou estatisticamente irrelevante em relação ao mundo.
E mais ainda, um acontecimento em minha vida é estatisticamente irrelevante em relação ao resto da minha experiência.
O seu relato de que a auto-hemoterapia o curou de uma conjuntivite é mais inútil que garçom de costas.
Mas para quem acha que isso é verdade, ver o outro lado é muito difícil.
A pergunta do título é uma chave que abre mentes e revela o que dentro há.
Se a resposta é “nada”, você é um crente (termo abertamente pejorativo), seja para um lado, seja para o outro.
Se nenhuma quantidade de evidências é suficiente para que você aceite um ponto de vista diferente do seu, você é um crente e sua vida (especificamente ou como um todo) está sendo regida por fé pura e simples. Você acredita naquilo e isso é suficiente.
Novamente, para um lado ou para o outro.
Se nada conseguirá provar-lhe que X funciona ou que X não funciona.
“Para quem crê, nenhuma prova é necessária; para quem duvida, nenhuma prova é suficiente.”
Outra resposta para a pergunta é: “provas adequadas.”
Mas aí existe outra armadilha; a adequação.
Eu quero que meu remédio de careca funcione, portanto se eu achar uns três ou quatro estudos que eu considere como bons, vou parar de procurar antes que comece a achar estudos melhores que mostrem o contrário.
É possível também achar estudos igualmente rigorosos com resultados opostos, o que apenas indica que mais estudos precisam ser conduzidos para que um resultado apenas seja obtido. Resultados mutuamente excludentes são suspeitos.
Alguns indivíduos, porém, mantêm padrões mais altos de qualidade.
Cinco ou seis estudos bons não são suficientes. Nove ou dez estudos excelentes sim. Independente do resultado (que é o que eu deveria fazer: achar resultados confiáveis, sem escolher meu lado favorito. Mesmo que isso signifique que eu vou ficar careca).
Integridade é isso. Aceitar uma verdade que não é sua pelo simples fato de ela ser verdade.
Mesmo que ela o prejudique.
A melhor ferramente que existe para se achar a verdade é o Método Científico, pois a Verdade pode até ser uma coisa estática, mas o caminho até ela é tortuoso.
E o Método é 100% íntegro. Se precisar, ele muda de opinião completamente para se adequar a observações mais confiáveis.
Observação, falseamento, replicação.
Veja uma coisa acontecer e investigue o motivo.
Verifique se o fenômeno pode ter outra causa.
Imite o ocorrido.
MAS
Aqui eu estou dando aulas de natação a peixes.
Quem vem por aqui constantemente é porque concorda com o que eu digo e eu estou praticamente falando para as paredes, pois minhas palavras são nada. Apenas reforço amigável das ideias que já existem.
Quem não concorda comigo e apareceu aqui só uma vez, saiu continuando não concordando, agitando os punhos fechados ao ar e gritando “HEREGE!”.
O título deste texto ia ser “cavando buraco n’água” por causa disso.
Por mais que eu me esforce, não atinjo meu objetivo principal: no caso da metáfora, manter um buraco aberto; em realidade, convencer alguém a pensar um pouco mais sobre a vida e ver que existe algo além das preconcepções individuais inatas.
Eu não alego que sei onde a verdade reside; apenas sei mais ou menos o melhor caminho para chegar lá.
p.s. O caminho é longo e cheio de gente brandindo placas de “O Fim Está Próximo” e “Beco Sem Saída” que olham para você com ar de superioridade conseguida às custas de fechamento intelectual irremediável e que acreditam que o mundo acaba no horizonte, onde residem os monstros marinhos. E a imensa maioria dessas pessoas nunca lê além do título do artigo.

Discussão - 56 comentários

  1. Clarissa disse:

    Oi, Igor.
    Um texto cheio de sensatez e muitos exemplos simples da mesma idéia. Você é um poço de paciência.
    Uma pena sofrer ataques pessoais por causa de idéias.

  2. sombriks disse:

    haha, desiste não rapaz seja firme.
    é importante ter gente com voz pra dar alerta pras pessoas, mesmo que uma parte delas não aceite bem.

  3. Larangeira D.C. disse:

    Acreditar em milagres e magia é sempre mais facil doque aceitar que a vida não é simples e infelizmente não é tão maravilhosa quanto esperamos. Para aqueles que desejam crer nos milagres é sempre mais facil e prazeroso atacar os que levantam duvidas, para alcançar a verdade, doque parar para refletir até que ponto eles proprios deveriam pensar.
    Nós permaneceremos em busca da verdade, enquanto isso vcs que só desejam os milagres, em vez de atirar pedras, vão conversar com os gnomos em seus jardins e sejam felizes.

  4. Igor Santos disse:

    Darwin cuida!

  5. Joey Salgado disse:

    “Os covardes morrem por diversas vezes antes de sua morte, os valentes nunca experimentam a morte a não ser uma vez” – William Shakespeare
    Covardes aqueles que não conseguem se pôr em dúvida e enfrentar a adversidade.

  6. Fiquei na dúvida:
    1. Você está fazendo o tratamento mesmo antes de ter provas suficientes de que ele funciona?
    2. Você acredita que a superfície da Terra não acelera em direção à maçã?
    3. Você vai para o EWCLiPo? Posso levar o kit Colorado para você me pagar lá?
    Abraços e sorrisos,
    PS: Abaixo o falseonismo ingenuo. Viva Lakatos!

  7. Leandro Democh disse:

    Se se divertiu com tantos ataques (foram “produtivos”, como li em sua crítica!), escreva sobre blogs criacionistas cujo foco é a discussão de evolução e o apedrejamento de Darwin de uma forma “versiculada” e ignorante.
    Vale a pena ter a caixa de entrada carregada por isso!

  8. É isso aí, Igor.
    Texto cristalino. Mudar de ideia por causa de evidências é um soco na vaidade – e nem todo mundo tem esse desprendimento, infelizmente.
    Novamente, parabéns pelo trabalho e torço para que vc esteja entre os 60 % 😀
    Abraço,
    Fernanda

  9. Igor Santos disse:

    Osame, estou fazendo o tratamento porque tenho provas de que ela funciona, mas ainda não sei se elas são suficientes.
    O exemplo da maçã foi ilustrativo (e sim, a maçã não puxa o chão).
    Eu não só não vou ao EWCLiPo como também não pago enquanto o marcador não chegar em mil. Sossegue o facho.

  10. Thayana disse:

    Que lindo texto.Parabéns!

  11. Roberto disse:

    Caro Igor,
    Muito bom teu texto. Você deveria ser professor de Lógica.
    Outra coisa: li, há algum tempo na Folha Equilíbrio, que existem 7(?) genes associados à calvície. No caso, se um homem possui estes 7 genes, ficaria calvo desde os 20 anos (+ ou -), e que se um homem tivesse 4 ou menos destes genes, poderia evitar a calvície. Você teria mais informações a este respeito?
    Também sobre calvície: segundo os idealizadores da dieta Macrobiótica, uma pessoa que se alimenta de muitos alimentos artificiais (industrializados: biscoitos, enlatados, conservas, alimentos prontos) terá muito mais probabilidade de ter calvície do que aquelas que se alimentam saudavelmente. Você também tem informações a este respeito?
    Obrigado.
    Roberto

  12. Igor Santos disse:

    Eu não acho que essa conversa de dieta influencie tanto assim, porque até onde eu me lembre a porcentagem de carecas continua estável ao longo dos anos (e gira em torno de 50%).
    Eu tenho barba desde os 12, cabelos brancos desde os 20 e comecei a ficar careca com vinte e poucos.
    Não sou exatamente calvo, apenas apresento o famoso “cabelo de piscina”, aquele apesar de cheio tem o fundo totalmente visível.

  13. Alan disse:

    Bom texto. Parabéns.

  14. Eu aposto um Kit Colorado com você de que não só a maçã puxa o chão como a Terra acelera em direção à maçã… rs

  15. Pablo disse:

    Aquele menino “Marcelo Fetha” que postou um monte aqui e é quase um vigilante naquele forum deles sobre AHT foi banido por acaso?
    O moleque se aquietou depois do seu texto. Deve ter surtado com um choque psicológico.

  16. Igor Santos disse:

    Dificilmente. Crentes não se abatem tão facilmente e não se deixam levar por meras evidências.
    Na verdade, eu acho que ele me ama. =¦¤þ

  17. Olivares Rocha disse:

    Sr Igor, se gosta tanto de filosofar, peço, educadamente, se possível, que responda, com suas elucubrações, às perguntas ainda sem respostas postadas lá no´blog que fechou aos comentários… Sem dogmatismos. Vc aqui afirma que a AH não funciona e pronto… Poderia prová-lo, ou como no caso do Dr. Namur, é só uma opinião, embasada basicamente na falta de estudos com os atuais critérios ditos científicos…
    Se picaretagem, placebo, por que funciona na veterinária? Por que… deixa prá lá. Acho que não responderá de novo… Nem seu ídolo, o Dr. Namur… Mas fica o pedido. veja que vernáculo não lhe faltará…

  18. Bia disse:

    Olivares: a resposta está neste mesmo post, leia-o.
    Onus da prova é de quem afirma. Sabe? Quem tem que provar que funciona é quem diz que funciona, e não o contrário do contrário, inversão de onus da prova. Isso é falacia, erro logistico.
    ‘Eles’ afirmam que funciona e pronto, e a prova? Cavalos! Mais prova? Dezenas de pessoas confirmando. Não é como Aspirina que bilhões de pessoas confirmam.
    Essa confirmação dessas pessoas vem como? Não são cobaias nos testes cegos randomizados, são pessoas independentes que se automedicam. Estatisticamente isso é uma piada, medicinalmente é perigoso pra população.
    Leia ESTE post aqui, inteiro, duas vezes se necessario. 😉

  19. Igor Santos disse:

    Olivares, você precisa aprender a ler os textos além do título.
    Você pode tentar mais uma vez inundar esta lista de comentários com afirmações falaciosas e letras maiúsculas o quanto for, você vai continuar errado.
    Essa terapia imbecil não cura coisa alguma.
    Se fosse mesmo a panacéia que seus crentes pintam, a primeira mazela a ser curada seria a ignorância.
    E vou avisando de agora: qualquer link colado aqui que aponte para mais uma pesquisa falsa (usando remédios, por exemplo) ou mal feita (sem randomização, etc) ou para estorinhas pessoais ou qualquer outra coisa que não tenha a ver com evidências científicas serão apagados.
    Mais uma vez para os que não sabem ler uma frase comprida: se botar link idiota, eu apago.
    E quem diabo é Dr. Namur? Meu ídolo é Douglas Adams.
    “Quem fala o que não sabe, mostra o quanto é burro.”

  20. Igor Santos disse:

    Osame, eu estou acompanhando este placar tão de perto quanto você.
    Minha opinião no começo se mantém, pois para mim era apenas falação.
    Minha opinião corrente é de que eu vou ter que lhe pagar uma caixa de Colorado, mas isso só vai acontecer quando o placar virar quatro dígitos.

  21. Igor Santos disse:

    O mais engraçado é que para os crentes, uma estorinha fantasiosa basta como prova de que uma idiotice funciona, mas se eu apresentar dez mil casos de insucesso, eu não estou provando nada.
    Às vezes eu tenho raiva, mas a maioria das vezes eu tenho pena.

  22. Olivares Rocha disse:

    O pior cego não é o que não quer enxergar, mas o que pensa que enxerga… Ou o que quer que os outros não enxerguem…
    Vc afirma que a AH não funciona e pronto. Afirma que é balela… que não tem estudos balizadores.. Mas ao afirmar isso, usa que bases? Que pesquisas? Placebo em animais? Riscos quiméricos, nunca vistos em 100 anos de receita médica?
    Se faltam pesquisas, faltam constatações científicas… Ou achologia é Ciência?
    Não sou crente, sou convicto… O fatos e dados até agora disponíveis, as mais de 680 aplicações, com sucesso, sem qualquer efeito colateral, em pessoas das mais variadas idades, intelecto e nas mais variadas patologias, que testemunho pessoalmente, me provam isto… Peço que intervenha com o Dr Namur (se é que ele realmente se manifestou no seu outro “blaght”) ou com outro emérito e peça que eles procurem seus colegas e fomentem nas faculdades ou órgãos públicos, que e a princípio não deveriam ter interesses mercadológicos, as tão necessárias pesquisas… Afinal, tem que aparecer alguma autoridade que prove com os necessários trabalhos científicos que a AH é placebo picareta (Deus sabe como lucram com ela…Eu só obtive saúde e economia em remédios) e forneça provas aos cidadãos “enganados” por médicos no Brasil há décadas (a Ah foi receitada por eles desde os anos 40 até dezembro de 2007)…Infelizmente meus recursos são parcos para fomentar tais estudos. Sou um mero praticante leigo… No livro AUTO-HEMOTERAPIA, polêmica do bom sangue, calcularam que devem ser milhões, os usuários desta terapia. Então haverá uma epidemia de efeitos colaterais… Vamos aguardar… Já postei no seu outro blog os fatos e dados disponíveis. Caso prefira, te envio pelos Correios, de graça, um livreto e um DVD que distribuo, de graça, há quase 3 anos, com tudo que achei sobre a terapia … ou e-mail, ou.. bem… acho que não vai querer mesmo. VC já está convicto…

  23. Marcelo Fetha disse:

    Sr Igor, peço licença para postar, pois existe uma diferença entre se aquietar e respeitar o espaço de alguém que fechou comentários sobre a AHT.
    E também devo reconhecer, como já o fiz, agradecendo-lhe pela sua lealdade no debate, pois leu todas as críticas e mesmo assim deixou TODOS os comentários. Sem dúvida merece meu respeito.
    Quanto a esse tipo de adjetivos deste pablo, oh cidadão, respeito é bom e eu gosto.
    Tenho 51 anos, e defendo o que acredito. E gostaria de conhece-lo pessoalmente, pois MOLEQUE é alguém como você que usa um blog para se expressar desta maneira.
    E oh, tente ser um pouquinho educado, apenas um pouco não é dificil, mesmo para alguém como você. Aprenda com o sr. Igor que usa de inteligência para debater, e sabe cutucar as pessoas, pelo menos a mim o fez com educação.
    Parabéns novamente sr. Igor por ser uma pessoa justa.
    Bem até agora o Dr. Munir não entrou em contato por email, como disse que faria para um diálogo, mas se ele me contactar, eu repasso-lhe o email.
    Bom dia.
    PS: não vou postar novamente em seu espaço, pois respeitarei sua decisão em ter encerrado comentários sobre a AHT.
    Boa sorte.

  24. Olivares Rocha disse:

    Pelo que me consta, na minha modesta opinião, se é que me permite, é que constatação científica é a observação de um fenômeno, sua repetição com controle… Sua convicção baseia-se exclusivamente em opinião… Opina sobre um parecer inconclusivo, pois este afirma tão somente que faltam pesquisas na área… Daí a teórica falta de segurança e registros científicos. Disso não discuto. O que reclamo é que ainda que sobrem indícios registros históricos de seu emprego até em Veterinária, em outros países, no Brasil há mais de 80 anos, preferem “esquecer” o tema e o proscrever… Sequer imaginam que deveriam fomentar pesquisas. Todo médico que conheci que defende a terapia e ou a receitava era tão somente isto. Um médico que usava uma das terapias então permitidas… Querem “matar” a terapia com um jamegão solitário, posto que foi assinado por um, não por equipe, e que vai de encontro com o de centenas de médicos que usavam a AH e o de outros tantos que ainda lutam por ela… Converso com muitas pessoas… Distribuo este livreto que está à sua disposição assim como o DVD. Neles não temos tratados científicos. Temos provas de emprego da terapia há décadas, do registro histórico dela… Do emprego em outros países… Temos depoimentos de praticantes. Gente… E animais, posto que repito, é empregada em Veterinária… Neles temos trabalhos científicos novos e velhos, mesmo que afrontem sua concepção de ciência, eles existem. Ignorá-los não fazem com que sumam ou não tenham algum valor… Temos décadas de emprego médico… Constatações.. Constata-se também que a despeito das assustadoras ameaças, não há qualquer registro aqui ou lá fora, de efeitos colaterais advindos da terapia. Riscos os temos, de fato. Mas nada maior que os de uma uma vacina comum ou um exame de sangue mal feito… Ignorar isto é dogmatismo científico sim… Sobre leitura de seu arrazoado, procedi sim. Mas simplesmente não me fizeram crer que milhares que a usam, assim como eu, não observem melhoras que terapias ortodoxas não forneceram… E ainda faltam as explicações do porque que um pouco de sangue no músculo é mortal, balela, picaretagem, mas nos olhos, coluna, cartilagens músculos, como empregado nas PRP, fatores de crescimento plaquetários, PPP, tampão sanguíneo peridural e correlatas, podem e não tem riscos… Não te cobro estas explicações posto que não demonstra sequer curiosidade para entender isto, mas as cobro de quem deveria ter a obrigação de pesquisar e explicar,até para proteger os usuários da terapia…Segurança da saúde pública… A posição até agora é a de dar as costas para estes… mesmo que sejam praticantes por receita médica…
    Ademais, sarcasmo por sarcasmo, o prefiro com alguma argumentação lógica, não o do é porque é… Dogmatismo científico… Não me servem quando alimentam o argumento “não funciona porque não tem pesquisas científicas, e não fazem pesquisas científicas porque não funciona”… Grande constatação científica… Obrigado pelo espaço e pelas respostas lógicas…

  25. Olivares Rocha disse:

    …”José Luiz Runco, médico do Flamengo e da Seleção, afirma ser um dos pioneiros no uso da AHT na medicina desportiva, em que a técnica é chamada de tratamento regenerativo com o uso de plasma rico em plaquetas.” – Sindicato dos Jornalistas do RJ – Bienal do Livro LINK APOLOGÉTICO REMOVIDO PELO AUTOR DESTE BLOGUE Ao leitor curioso, um abraço…
    ——-
    Este comentário foi editado com a remoção de um link pelo moderador, como explicitado no comentário #20 deste artigo.
    Sr. Olivares, por favor leia o que eu escrevi.
    Todas as suas perguntas já foram respondidas.
    Fim da intervenção.

  26. Olivares Rocha disse:

    Sr. Igor, verá que o link removido, se é que se deu ao trabalho de ler, remetia à fonte da informação apresentada, que seja, o site do Sindicato dos Jornalistas do RJ…matéria sobre o lançamento do referido livro… mas tudo bem, se acha que o sindicato é apologético…
    Não, sr Igor, não respondeu nada.. Não explicou a diferença entre a auto (de si mesmo) hemo (sangue) terapia (tratamento) que uso e as outras, PRP, PPP, fator de crescimento, injeção de sangue autólogo na coluna e olhos, colírio de sangue etc…Nem a Ah na Veterinária, nem a falta de interesses em se pesquisarem os, pelo menos, indícios de que há algo além de crendices nestas décadas de receita médica da AH até 10/07 e que ainda é receitada em vários países…
    Responderá um dia, quem sabe, quando algum emérito na área que tanto afirma defender, a boa ciência investigativa, não dogmática, proceder aos estudos que o sr. cobra de simples praticantes, como eu, com ou sem receita médica… ou de médicos comuns,para provar a invalidade da AH como, profeticamente, afirma ser…
    (poderia intervir, para proteger-nos deste “engodo”, junto ao dr. Namur com quem ao que parece, tem muito bom relacionamento…Pena que ele sumiu sem exercer a sua profissão que é a de passar conhecimento… mesmo para um pobre mortal como eu… Acho que ele deve ter se sentido diminuído só de pensar em fazer isso. Imagina… ele descer de seu pedestal e tentar explicar ciência, mesmo que em linguagem leiga, a um “bloguista” desconhecido e arrogante?…
    “não funciona porque não tem pesquisas científicas, e não fazem pesquisas científicas porque não funciona”…
    acho que o sr. viu muito comercial de biscoito…
    O pior cego não é aquele que não quer enxergar, mas o que pensa que enxerga. Ou o que não quer que os outros enxerguem…
    Faça bom uso de seu blog…

  27. Caro Igor,
    E a aposta sobre a superfície da Terra acelerando em direção à maçã? Você topou?

  28. Wagner disse:

    Esses crentes pseudo-céticos continuam cacarejando, putz…
    “O pior cego não é o que não quer enxergar, mas o que pensa que enxerga…”
    Vão se olhar num espelho, bando de malucos!

  29. Pois é: 848 hoje, faltam 152.
    Mas os exames confirmatorios estão atrasados 20 dias, logo já passamos de 1000 faz tempo.
    Condolências à todos os parentes das vítimas…

  30. Olivares Rocha disse:

    Sobre a falta de pesquisas na Auto-Hemoterapia, será que este seria um dos motivos desmotivadores das tão necessárias pesquisas:
    29% das pesquisas sobre câncer têm conflito de interesse
    JULLIANE SILVEIRA
    da Folha de S.Paulo
    Quase um terço dos estudos sobre câncer publicados nos principais periódicos do mundo apresentam conflitos de interesse, segundo uma pesquisa publicada nesta semana na edição on-line do “Cancer”. Foram avaliados 1.534 artigos divulgados em revistas como “New England Journal of Medicine”, “Jama” e “Lancet” em 2006.
    Desses trabalhos, 17% eram patrocinados por indústrias farmacêuticas e 12% tinham um funcionário entre os autores –e traziam mais resultados positivos. Estima-se que no Brasil os números sejam maiores porque os estudos clínicos são bancados pela indústria.
    Para Reshma Jagsi, autora da pesquisa e professora de radio-oncologia da Universidade de Michigan (EUA), declarar os conflitos não é suficiente. Ela acredita que os pesquisadores vão, consciente ou inconscientemente, enviesar as análises.
    No Brasil, estudos clínicos devem ser patrocinados pelo contratante –normalmente a indústria interessada no desenvolvimento da droga, diz o pesquisador Ricardo Bretani, presidente da Fundação Antônio Prudente (mantenedora do hospital A.C. Camargo) e do Conselho Técnico-Administrativo da Fapesp.
    Para Jagsi, é preciso pressionar as instituições públicas para aumentar os fundos para estudos na área médica. “Pesquisadores teriam mais alternativas, e a pesquisa poderia ser desatada, ao menos em alguns aspectos, dos nós da indústria”, disse à Folha.
    Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/folha/ciencia/ult306u565032.shtml
    POis é… Ciência…

  31. Igor Santos disse:

    UAU!!
    Olivares, você acabou de revolucionar a humanidade!
    Descobriu que em Ciência (mais um dos meios sociais dominado por pessoas) existe conflito de interesse!!
    CORRAM PARA AS MONTANHAS!!
    Sério, virei seu fã! Você é o cara!!
    Agora deixa eu dar uma sugestão: ligue para um fabricante de seringas descartáveis e peça dinheiro para fazer uma pesquisa.
    Eles devem ter, afinal todo drogado precisa usar seringas e existem muitos deles por aí, não é mesmo?
    Eu gosto de ver que você só tem dois argumentos:
    1 – “Eu vi, sei que é verdade” (variação: “funcionou em um cavalo, por que não funcionaria em mim?”)
    2 – “É um tratamento barato!” (variação: “Os homens de preto estão querendo encobrir a verdade!” ou qualquer outra forma de devaneios conspiratórios)
    E continua vindo aqui, colocando comentários para aumentas sua exposição como crente e proponente de um tratamento até agora inútil, ineficaz, inespecífico, imbecil e incrivelmente incongruente (só para me manter nos I’s).
    Você pode falar até sua boca cair que você vai continuar errado.
    Prove que funciona, eu desafio você.
    E prove com dados e evidências, não com estórias de cavalos, unicórnios, fadas ou outra bizarrice qualquer na qual você acredite fiel e subservientemente.
    Foi você que me chamou a atenção para um motoperpétuo no YouTube, não foi? Com mais uma conspiração por trás?
    Se não foi, tudo bem. Vocês são todos iguais para mim.

  32. Igor Santos disse:

    Ainda não estou acreditando, cara!
    Sério mesmo que existem indivíduos interesseiros no mundo?
    Verdade verdadeira??
    Pôxa vida…

  33. Homem do Bussaco disse:

    Olivares, e beber mijo, funciona?

  34. Olivares Rocha disse:

    Meus argumentos vão além… Sei que a AH foi receitada por décadas, por médicos, sem queixas. Sei que é receitada em vários outros países..
    Sei que o é em veterinária também…
    Sei que não se acha um praticante que deponha efeitos colaterais.
    Sei que existem tratamentos tão parecidos com a AH que dela parecem cópia sofisticada:PPP, PRP, Fator de Crescimento palquetário, tampão sanguíneo na coluna e olhos etc..
    O Dr. Runco, ortopedista da Seleção e do Flamengo, atesta que a técnica que emprega é auto-hemoterapia
    – livro Auto-Hemoterapia. A polêmica do bom sangue…
    Sei que existem diversos registros bibliográficos da terapia, novos e velhos…
    Conheço diversos médicos, enfermeiras e auxiliares que atestam que empregaram a AH, uns há décadas, outros até dezembro de 2007. E todos afirmam que a Ah funciona…
    os benefícios da AH vão além do seu custo…
    E sei também que a AH prejudica o mercantilismo na saúde, pois com ela deixamos de gastar uma boa grana em remédios, dispensados pelos médicos que os prescreveram…

  35. Olivares Rocha disse:

    Tento postar resposta ao Wagner, mas não consigo. Várias tentativas…
    Wagner, ao invés de gastar sua inteligência e tempo tentando me ofender, por que não usa esta energia tentando explicar as dúvidas apontadas? Seria mais útil, respeitoso e eficiente…
    Se é que pode… Mas…. este sempre é trunfo dos tolos… Ofender, desviar a atenção do assunto e focar no interlocutor, para fugir das necessárias respostas… Sua arrogância demonstra ter as respostas que eméritos como o Dr. Namur, os representantes dos órgãos de saúde, e todos os detratores da AH não conseguiram, ao afirmar categoricamente que a Ah não funciona…
    A prova? A falta de estudos científicos..
    Mas… não seriam estes tão cobrados estudos, necessários para se confirmar, cientificamente, que a AH não funciona?
    Esqueci… tá proibido. Vamos esquecer… deixa pra lá…
    O Dr. Namur foi mais educado. Só afirmou que faltam estudos e os dados por ele colhidos não são suficientes… Pena que, no ensejo, não aproveitou e sugeriu que fomentassem pesquisas, nem que fosse para proteger a população que recebeu prescrição médica deste tratamento durante décadas…
    Aproveitando: respondendo ao Igor no início:
    Se fomentarem estudos sérios, não maquiados/manipulados, e atestarem alguma complicação ou efeito colateral estatisticamente relevante (toda a medicação tem estes riscos, mas são estatisticamente desprezíveis… menos, claro para o sujeito que os percebe..rsrsrs.. que o diga a turma que se deu mal com o aprovadíssimo Vioxx ) serei o primeiro a mudar de opinião. Melhor, rever minhas convicções… E por não ter observado sequer qualquer indício destes efeitos quiméricos é que continuo a fazer a AH…
    De qualquer forma se este blog não é para discussão, troca de opiniões, mas sim uma confraria de exultadores do vernáculo próprio e alheio, peço desculpas pela invasão…
    Sobre manipulação de testes científicos:
    Médicos vendem nome e reputação para estudos de laboratórios farmacêuticos
    Fonte:
    omitido para evitar apologismo da AH…
    Corrupção na medicina moderna
    Allan S. Levin
    Médicos honestos são pressionados pelos grandes laboratórios interessados em lucro e não em saúde
    Fonte:
    omitido para evitar apologismo da AH…
    A piada do consentimento informado
    Como os Estados Unidos relaxaram, em favor da indústria de medicamentos, as normas sobre testes de novas drogas realizados no exterior.
    Tento postar resposta ao Wagner, mas não consigo. Várias tentativas…
    Wagner, ao invés de gastar sua inteligência e tempo tentando me ofender, por que não usa esta energia tentando explicar as dúvidas apontadas? Seria mais útil, respeitoso e eficiente…
    Se é que pode… Mas…. este sempre é trunfo dos tolos… Ofender, desviar a atenção do assunto e focar no interlocutor, para fugir das necessárias respostas… Sua arrogância demonstra ter as respostas que eméritos como o Dr. Namur, os representantes dos órgãos de saúde, e todos os detratores da AH não conseguiram, ao afirmar categoricamente que a Ah não funciona…
    A prova? A falta de estudos científicos..
    Mas… não seriam estes tão cobrados estudos, necessários para se confirmar, cientificamente, que a AH não funciona?
    Esqueci… tá proibido. Vamos esquecer… deixa pra lá…
    O Dr. Namur foi mais educado. Só afirmou que faltam estudos e os dados por ele colhidos não são suficientes… Pena que, no ensejo, não aproveitou e sugeriu que fomentassem pesquisas, nem que fosse para proteger a população que recebeu prescrição médica deste tratamento durante décadas…
    Aproveitando: respondendo ao Igor no início:
    Se fomentarem estudos sérios, não maquiados/manipulados, e atestarem alguma complicação ou efeito colateral estatisticamente relevante (toda a medicação tem estes riscos, mas são estatisticamente desprezíveis… menos, claro para o sujeito que os percebe..rsrsrs.. que o diga a turma que se deu mal com o aprovadíssimo Vioxx ) serei o primeiro a mudar de opinião. Melhor, rever minhas convicções… E por não ter observado sequer qualquer indício destes efeitos quiméricos é que continuo a fazer a AH…
    De qualquer forma se este blog não é para discussão, troca de opiniões, mas sim uma confraria de exultadores do vernáculo próprio e alheio, peço desculpas pela invasão…
    Sobre manipulação de testes científicos:
    Médicos vendem nome e reputação para estudos de laboratórios farmacêuticos
    Fonte:
    omitido para evitar apologismo da AH…
    Corrupção na medicina moderna
    Allan S. Levin
    Médicos honestos são pressionados pelos grandes laboratórios interessados em lucro e não em saúde
    Fonte:
    omitido para evitar apologismo da AH…
    A piada do consentimento informado
    Como os Estados Unidos relaxaram, em favor da indústria de medicamentos, as normas sobre testes de novas drogas realizados no exterior. Fonte:
    INDÚSTRIA FARMACÊUTICA
    MÁFIA DA FARMÁCIA
    Le Monde Diplomatique
    Textos publicados no sítio “Le Monde Diplomatique”.
    Retratos de uma “apartheid” médica
    Fonte:
    omitido para evitar apologismo da AH…
    Laboratórios têm a dosagem da corrupção
    Fonte:
    omitido para evitar apologismo da AH…
    Veja, Sr. Igor, estes links não falam sobre a AH, mas do mercantilismo na Saúde… Mas se preferir, pode apagar… O blog é seu. O sr. Está com a bola e é o dono dela…
    Um abraço…)
    INDÚSTRIA FARMACÊUTICA
    MÁFIA DA FARMÁCIA
    Le Monde Diplomatique
    Textos publicados no sítio “Le Monde Diplomatique”.
    Retratos de uma “apartheid” médica
    Fonte:
    omitido para evitar apologismo da AH…
    Laboratórios têm a dosagem da corrupção
    Fonte:
    omitido para evitar apologismo da AH…
    Veja, Sr. Igor, estes links não falam sobre a AH, mas do mercantilismo na Saúde… Mas se preferir, pode apagar… O blog é seu. O sr. Está com a bola e é o dono dela…
    Um abraço…)

  36. Igor Santos disse:

    Reiterando: variações dos mesmos dois temas.
    “Médicos dizem que funciona” = “Eu sei que funciona”
    “Prejudica o mercantilismo” = “Homens de preto querem abafar”
    Argumentos de autoridade misturados com de ignorância e ilusões paranóicas.
    Você quer muito que ela funcione e sempre busca resultados positivos que lhe agradem e ou esquece ou descarta os negativos. Viés de confirmação e catação de resultados.
    Olivares, que tal você iniciar seu próprio blogue para discutir o assunto melhor?
    Você passa tanto tempo escrevendo aqui que eu acho que seria interessante você começar sua própria plataforma de debates, que tal?
    Porque eu estou ficando de saco cheio de ler suas cretinices repetitivas.

  37. Igor Santos disse:

    Olivares, conflito de interesses e falsificação de dados são fenômenos conhecidos já há muito tempo e, infelizmente, inevitáveis.
    Sabe por que são inevitáveis? Porque provem de pessoas e sempre existem aqueles que valorizam o ganho pessoal acima do social.
    É assim em todas as áreas humanas, de garis a médicos, de engenheiros a pedreiros, de açogueiros a cientistas de foguete.
    Você acusa outros de desviar a atenção mas está fazendo o mesmo, argumentando um fato conhecido como se fosse majoritariamente presente para por em dúvida a validade de qualquer experimento, generalizando e chegando à falsa conclusão: “se os que são testados não funcionam/estão viciados, prefiro usar um intocado”.
    Método científico pode não ser perfeito, mas é a melhor ferramenta que nós temos. O resto é magia negra.

  38. Olivares Rocha disse:

    Igor, vc pode me desafiar como quiser, pois não tenho meios de provar nada. Nem quero… pelo contrário. quero que me apresentem alguma prova de que estou fazendo algo lesivo à minha saúde… Em quase 3 anos de buscas e de uso da AH, ainda não achei nada desabonador…
    Quem tem esta obrigação, se omite, dizendo: “não funciona porque não tem pesquisas científicas, e não fazem pesquisas científicas porque não funciona”…
    ou
    ” é vampirismo nojento”
    quão “científica” é esta frase?
    ( no caso, por este raciocínio, receber doação de sangue alheio é o que? receber auto-enxerto de pele, ossos, musculos, é o que? órgão então, seria… canibalismo??? rsrsrsr ),
    ou
    “não acedito, logo não funciona”,
    ou
    “nunca pesquisaram com o rigor necessário, então só pode ser maluquice”
    ( qual o lab farma, faculdade pública ou privada, ong ou o que seja que queira investir $ numa pesquisa que não gere $?…)
    Na verdade a prova de sua ineficácia quem a deve é a Ciência… Afinal as autoridades do nosso Brasil varonil estão dando as costas à população que fez ou faz a Ah com ou sem receita médica. tenho certeza que conhece um ou outro praticante… Pode nem saber, mas que tem, tem…
    De novo caimos no paradoxo: se não pesquisam é porque não funciona e não funciona porque não pesquisam…
    E a Ah vai se disseminando cada dia mais, e fornecendo sabe-se lá por quais mecanismos, mais saúde… Como vem fazendo há décadas… E ainda estamos esperando os tão terrríveis efeitos colaterais quiméricos que ninguém viu, ninguém vê…
    Acho que hipnotizam animais para que estes creiam que a AH írá curá-los… As faculdades de Veterinária ministram este tema em suas aulas para que a AH placebo picareta seja por Veterinários aplicada… rsrsrsr
    Dogma científico…
    Sobre mijos, homem do bussaco, nada sei… se tem curiosidade, pesquisa, experimenta e relata…
    (Meu post anterior saiu duplicado por engano. desculpe…)

  39. Olivares Rocha disse:

    Igor, recebi seu recado… Mas por derradeiro… Meus comentários sobre manipulações de pesquisas e interesses mercantilistas não foram feitos para justificar a validade da Ah nem de argumentar minha repulsa à alopatia. Tenho restrições sim á alopatia, mas não ojeriza…
    Somente tentei demonstrar que o jogo de interesses que regem as pesquisas podem, inclusive, brecar algo financeiramente desinteressante, como a Ah, que mesmo copiada ostensivamente em outras terapias, é explícitamente ignorada, banida… bancam-se pesquisas as mais esdrúxulas, mas esta, sobre a AH, que tem vários referenciais históricos, bibliográficos e práticos, é categoricamente proscrita… No Brasil inclusive, as que estavam em andamento foram proibidas, como atesta o Dr. João veiga, ex-secretário de Saúde de Olinda… Minha participação aqui e em outros sites me é mais estimulante e interessante por ter o contraditório. Se criasse um, com certeza ficaria restrito aos interessados no tema… Os que são contra não gostam de debater… Nem de explicar suas razões de forma inteligente, acessível, clara e direta, pois se apoiam na simples falta de pesquisas… Ou na repulsa que a Ah pode provocar. Preconceito…
    mas não sabem responder as perguntas que aqui já postei e foram ignoradas…Assim procedem todos, em todos os fóruns… ou seja, é porque é…
    E realmente, vc pode estar de saco cheio, como eu, mas não leu meus posts não…Pinçou, aqui e acolá, o que seria mais fácil de responder…e ignorou os pontos principais. Assim agiram no blgo Clube do Cético… Sem poder responder, apelaram para o achincalhe…Dogma científico.
    Mas vc está de parabéns… Ao menos não trancou este… Para evitar isso, não te responderei mais… terá de novo o seu espaço de regozijo narcizista de volta… Um abraço.

  40. Igor Santos disse:

    Olhaí mais uma prova de que você acredita em qualquer besteira que não seja mainstream: uso de alopatia para se referir à Medicina.
    Isso apenas demonstra mais uma vez sua grosseira ignorância em assuntos médico-científicos.
    Sem dúvida você acredita em homeopatia com a mesma veemência cega em que acredita em auto-hemoterapia, tanto que acha que Medicina é igual a “alopatia”.
    Essa palavra significa (talvez você não saiba, como não sabe muitas outras coisas, por isso vou explicar) “contrário da doença”.
    Não existe um só tratamento médico que siga o princípio de ser contrário a doença, porque isso não faz sentido.
    Qual o oposto de tuberculose, por exemplo?
    Isso pode ser um assunto muito complexo para seus limites intelectuais, por isso não faço questão que o entenda.

  41. Igor Santos disse:

    E se você quer uma discussão racional, use argumentos que pelo menos façam sentido.
    Você deveria fazer uma placa DOGMA CIENTÍFICO e sair por aí com ela, gritando palavras de ordem como “A MEDICINA ESTÁ TODA ERRADA PORQUE ELA SEGUE O MÉTODO CIENTÍFICO! EU QUE ESTOU CERTO” ou algo que pelo menos rime.

  42. Olivares Rocha disse:

    Sensacional!! Preciso!! Conseguiu me desqualificar! To acabado! Vc é um gênio!!!
    Estou sem argumentos!!! (tenho que me segurar senão caio da cadeira, estupefato que estou com minha insensatez…ou será da minha gargalhada escancarada???)
    Certo, estamos falando de interesses escusos, fomentados pelos detentores do poder econômico na área, que sejam, os laboratórios farmacêuticos, forjando, manipulando pesquisas científicas, e com certeza barreirando aquelas que não gerem retorno financeiro… ou não…? ( o caso da cura da H. Pilori, que evita/previne câncer de estômago, o médico/pesquisador se inoculou com a dita, e provou que baratos antibióticos tem este “poder”…)
    E eles vendem… remédios… que são…alopáticos?!
    Vossa sapiência me humilha… Pobre de mim…
    Foram por terra todas as minhas perguntas… rsrsrsr
    Com essa me despeço…

  43. Olivares Rocha disse:

    Como acredito em bruxas e suas artimanhas, mal agouro, força da mente, feitiçarias, pragas e quetais, , me absterei de aqui participar… Temo ser alvo da ira, da mandinga dos donos deste blog, seus prepostos e seguidores. Vade retro…. rsrsr
    Então por minhas “crendices”, sou culpado, julgado, condenado e… auto-banido…
    Meu Deus, como permitem que eu pense, como permitem que eu sequer exista?
    Como posso me arvorar do direito de perguntar? De questionar? De duvidar?
    Os “donos” do saber tem todo o direito de me escorraçar…
    Quanta heresia minha… Vou arder no fogo do inferno por conta da minha impiedade. rsrsrsr
    Quando falta a Razão, aflora a emoção.

  44. Igor Santos disse:

    HEHEHEHEHEHE
    Vejo que você enfim aprendeu alguma coisa!
    Pena que foi a coisa errada; sarcasmo.
    E devolver do jeito que você fez, me copiando, não causa tanto impacto. Tadinho, deve estar se sentindo bem que só com isso.
    E já disse que não ia voltar três vezes. Precisa aprender a cumprir com a própria palavra também.

  45. Olivares Rocha - post mortem disse:

    Sobre soberba, inquisição, termodinâmica e outros dogmas:
    Dr. Alessandro Loiola
    ” A desconstrução da Ciência
    Um saudoso professor costumava nos dizer, enquanto fazia sua corrida matinal de leitos:
    – Vocês um dia estarão lá fora, clinicando e tratando seus pacientes, e devem saber o quanto antes que a medicina não é, nem nunca pretendeu ser, uma ciência exata, isenta de falhas. Assim que receberem seus carimbos, vocês verão que nossa vida profissional é uma eterna alternância entre 3 grandes categorias de médicos.
    Ele fazia uma pausa, segurando um prontuário qualquer, como o bom ator que espera sua deixa, e então alguém perguntava:
    – Quais categorias, professor?
    Levantando as sobrancelhas e olhando por cima dos óculos, sem largar o prontuário, ele concluía solenemente:
    – Os que erram muito, os que erram pouco e os que só erram.
    Essa história me veio à cabeça quando, durante um intervalo no hospital, uma auxiliar de enfermagem veio me perguntar assim, na surdina, como quem conta um segredo terrível ou uma infidelidade digna da Santa Inquisição:
    – Doutor, o que o senhor acha da auto-hemoterapia?
    E eu que achei que este assunto estava morto e enterrado. Mas não está. Graças a um posicionamento absolutamente precipitado das sociedades de especialistas, a auto-hemoterapia foi banida da prática médica.
    Sob o pretexto de que “não existem evidências científicas favoráveis comprovando sua eficácia”, a auto-hemoterapia foi execrada ao limbo da charlatanice. De quebra, ao fazer propaganda da técnica, o médico carioca Dr. Luiz Moura terminou tendo seu registro cassado no Rio de Janeiro em 12 de dezembro de 2007. Mas isso não fez a auto-hemoterapia desaparecer – ela ainda acontece, na penumbra.
    Não sou defensor da auto-hemoterapia. Concordo com seus acusadores: realmente faltam evidências sólidas. Mas, pensando cá com meus botões, então não seria o caso de ir atrás destas evidências, sejam elas boas ou desfavoráveis? Bastaria seguir os mesmos protocolos de pesquisas clínicas utilizados há décadas para avaliar novos antiinflamatórios, novos antibióticos, novas próteses, novas tecnologias – vide desde a cirurgia videolaparoscópica até os recentes avanços nas pesquisas com células-tronco.
    Mas não, não houve racionalidade ao lidar com a auto-hemoterapia. Houve, sim, uma deterioração da ciência em prol de uma agenda obscura de intolerância com o novo. Curiosamente, uma agenda brandida com ares de indignação pelos mesmos bispos que deveriam defender o pensamento científico livre, leve e solto.
    Como seremos capazes de enxergar o novo se continuamos saindo de casa doutrinados para ver somente as mesmas coisas de sempre?
    Se você já estudou termodinâmica, certamente conhece a escala de Kelvin de temperaturas absolutas, batizada em nome do gênio William Thomson, brilhante matemático e físico irlandês também conhecido como Lorde Kelvin. Dentre as inegáveis contribuições deste homem à ciência, constam algumas bem embaraçosas.
    Apesar de ser um profundo conhecedor da engenharia e da eletricidade, em 1895 Lord Kelvin profetizou: “máquinas voadoras mais pesadas que o ar não são possíveis”. Em 1897, outra pérola: “o rádio não tem futuro e os raios-X são um embuste!”. E, na aurora do Século XX, encenou sua derradeira e mais célebre escorregadela ao dizer que “a física já descobriu praticamente tudo que havia para descobrir no Universo”. Um certo Albert Einstein mostraria alguns anos depois que o buraco era um pouco mais embaixo.
    A ciência biomédica está repleta de equívocos semelhantes, opiniões jogadas ao ar antes de serem submetidas ao escrutínio do método científico. Frases de efeito que mais parecem frases de defeito.
    “A teoria dos germes de Louis Pasteur é uma ficção ridícula”, escreveu Pierre Pachet, Professor de Fisiologia em Toulouse, 1872.
    ”O abdome, o tórax e o cérebro permanecerão para sempre além do alcance de qualquer cirurgião humano”, disse, em 1873, Sir John Eric Ericksen, cirurgião da coroa britânica. “Não teremos artrite no ano 2000”, vaticinou o famoso reumatologista Dr. William S. Clark, em 1966.
    Ah, nada como o tempo para mostrar que o futuro não é mais aquilo que costumava ser…
    Enquanto a orgulhosa ciência médica torna-se ela própria uma forma religião, escravizada no apego irrestrito às normas e preceitos em detrimento da lógica, me pergunto: estamos construindo faculdades de medicina ou igrejas, templos e seitas que pregam não o amor à ciência e à curiosidade altruísta, mas uma louvação cega a dogmas empoeirados?
    Nesta fogueira tão antiga, onde o preconceito ainda reina como cultura, a auto-hemoterapia e o ex-Dr. Luiz Moura foram apenas os gravetos mais recentes. Outros virão. É preciso alimentar a chama. Valha-me Santo Prometeu, filho de Jápeto! Amém.”
    E sobre sarcasmo, diria, se vivo fosse, já dele desfrutei e usufrui há muito no site clube do cético (http://clubecetico.org … esqueci o apologismo), onde me deparei com muitas eminências pardas como as que aqui gorjeiam…
    Olivares Rocha – in memoriam
    http://www.iparaiba.com.br… de novo (basta usar o Google e… pesquisar – ops, desculpe o que aqui é palavrão. Afinal, pesquisar depende de raciocínio…

  46. Cris Matos disse:

    Minha amiga da faculdade faz esse procedimento e sinceramente esta prática parece uma terapia de vampirismo, no mundo atual temos medicamentos tão sofisticados num comprimidinho, pra que se expor a transmissão de doenças arriscando a sua vida e de outras pessoas que nem mesmo tem preparo para manusear uma seringa ou mesmo hábitos exigidos de higiene, acho que se esta proposta foi banida não somos nós que vamos confrontar a ciência, muitos homens deixaram tudo para se dedicar ao estudo de uma melhor qualidade e longevidade humana, temos que respeitar, portanto se não tem comprovação empírica não vale.

  47. Olivares Rocha disse:

    Cris, deixe seu preconceito de lado e reporte os resultados da AH na sua amiga.. por favor…
    Se conhece mais alguém que faz ou fez a AH, por favor, relate também as observaçoes destes…
    Acho que devemos nos ater aos fatos…Se carecem estudos, por que não fomentá-los?
    Só porque parece bizarro?
    Ora, receber órgão de outra pessoa me soa estranho até hoje, décadas depois de serem feitos os primeiros transplantes…
    Até mesmo receber sangue de outra pessoa nas transfusões. O sangue não é tecido exógeno, passível de rejeição? (é sim)
    Lipoescultura, lipoaspiração, autoenxertos etc… tudo meio bizarro.. sejamos francos
    Mas nem por isso estes procedimentos deixam de ser empregados e de proporcionar benefícios…
    Sobre falta de cuidados, ou não, basta que se atenham aos procedimentos corretos… Afinal, se a AH é perigosa pelo procedimento de coleta de sangue, tamb´me é perigoso fazer exame de angue. Se perigos é injetar seu próprio sangue (Atuoenxerto) no seu músculo, também o é tomar uma vacina qualquer.. Principalmente se levando em conta que é uma sabstância exógena, passível de falhas de produção, estocagem etc…
    e deixar pra lá só porque alguém falou… Me parece um pensamento meio obscuro… Se assim fosse, muitas descobertas seriam ainda desconhecidas pois quem as fez confrontou-se com esta visão conformista das coisas…

  48. Igor Santos disse:

    Olivares, uma coisa que você ainda não entendeu é que você usa dois pesos e duas medidas para as coisas. Você acha transplante bizarro (e isso é um argumento de incredulidade pessoal) e coloca a prática no mesmo patamar da AHT. Transplantes são feitos por profissionais experientes e em um ambiente propício, coisa que a AHT não é. Se você ficar um transplante você mesmo na sua casa sem condições de higiene adequadas, você não duraria muito tempo. Mesma coisa se tentar colher seu próprio sangue sem os cuidados necessários.
    AHT está errada em vários pontos, esse sendo apenas um deles. Os praticantes, estatisticamente, não são treinados adequadamente. Todos (ou os bem feitos) os exames de sangue são realizados por profissionais enquanto a avassaladora maioria das auto-transfusões são feitas em casa, por leigos. Se você tentar consertar seu próprio carro sem treinamento e sem as ferramentas adequadas (estou supondo que você não é mecânico) você corre um risco sério de invalidá-lo.
    E outra: todos os métodos que você usou como exemplo foram analisados e testados por terceiros e passaram pelo processo científico completo, coisa que os auto-hemoterapeutas se negam a fazer. Querem ser reconhecidos pela palavra e somente pela palavra.
    Enquanto não demonstrarem eficiência (que é fácil e barato de fazer, não me venha com teorias conspiratórias da Grande Pharma impedindo estudos porque essa não cola), tem que ser considerado como falso e inútil. Senão eu posso dizer que inventei uma “terapia” qualquer e chorar, como vocês, para ter reconhecimento pela minha palavra, sem precisar apresentar provas. E aí, como fica?
    P.S. Você também é anti-vacinas? Porque elas, além de cientificamente eficazes, são testadas individualmente contra falhas de produção e regras rígidas de estocagem são seguidas para evitar que elas apodreçam. Mas você não acredita nisso. Ou acredita?

  49. Rosemary Furlani disse:

    Olá Igor.
    seu texto é muito bom, e pude assim pensar melhor sobre o que eu penso relacionado a mim mesmo, e não o que vão pensar sobre mim.
    Ah! amei suas aulas de natação a peixes, rsrsrs.

  50. Eikin Kloster disse:

    Igor, você está pelo menos aceitando referências à Pubmed? É simplesmente do ministério da saúde americano…
    http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/9395705?dopt=Abstract
    “Autohemotherapy has been demonstrated to be effective in elimination of clinical sequelae in these cases of herpes infections and these results justify further rigorous clinical investigation.”

  51. Igor Santos disse:

    Um artigo do Journal of Alternative and Complementary Medicine de 1997 é o melhor que você pode fazer, Eikin? Se o tratamento fosse tão maravilhoso, sem dúvida você teria referências de estudos subsequentes realizados pelo menos já neste século.
    Você é apenas ingênuo ao achar que a Ciência funciona somente com um resultado positivo e pronto.
    Eu poderia gastar algum tempo explicando por quê esse trabalho não conta, apesar de estar no PubMed, mas a melhor explicação mesmo é a falta de corroboração posterior de um estudo já com treze anos.
    Mas, boa tentativa. Continue assim.

  52. Eikin Kloster disse:

    🙂 Ok, um estudo de 2005, também no PubMed, de The International Journal of Artificial Organs:
    http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/16288443
    Since 1990 our group has been using extracorporeal circulation to ozonate blood by an original method, known as extracorporeal blood oxygenation and ozonation (EBOO), with the aim of amplifying the results observed with ozone autohemotherapy
    E mais um, de 2010, do Chinese Medical Journal:
    http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21034619
    (…)The patients in the ozone therapy group were treated with basic treatments plus ozone therapy system. Basic autohemotherapy was used(…)
    CONCLUSIONS: Basic treatment plus medical ozone therapy for patients with chronic severe hepatitis could decrease PRA, AII and ALD levels significantly increase renal blood flow, prevent renal damage to certain extent and improve survival rate of the patients.

  53. Igor Santos disse:

    Eikin, obrigado.
    Infelizmente esse estudo já passou por aqui e foi prontamente desconsiderado pelo seguinte motivo: ozônio é um fármaco e não faz parte do sangue.
    Injetar um remédio não conta como auto-hemoterapia.
    Eu não posso dizer que curei minha dor de cabeça com AHT se ao mesmo tempo em que me injeto eu tomar uma aspirina. O que curou foi a droga, não o “tratamento”.

  54. Chloe disse:

    Olá Igor,
    acho que já te falei o quanto gosto desse texto.
    Sei que já brigamos muito a respeito de correntes alternativas e hoje posso dizer que não foram as brigas que me fizeram mudar de opinião, mas sim esse texto, esse título que nunca mais calou em minha mente.
    Foi essa postagem que me fez pensar muito mais, porque, sim, eu li ‘além do título do artigo’, não só uma, mas diversas vezes; e, como acontece em geral com textos bons, sempre encontro algo a mais para pensar.
    Acho que esse é o caminho para levar as pessoas a pensar: o questionamento, a dúvida.
    Porque ainda que em princípio a pessoa se feche e passe a impressão de que continua pensando do mesmo jeito, aquela pergunta vai ficar ali, quietinha até que algo a faça ressoar alta e claramente.
    E é aí que a coisa toda começa a acontecer, com calma, sem gritos nem ofensas.
    No tempo e cada um.
    Thx. ; )

Envie seu comentário

Seu e-mail não será divulgado. (*) Campos obrigatórios.

Categorias

Skip to content

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM