“Pra que dividir sem raciocinar, na vida é sempre bom multiplicar”


“Musica est exercitium arithmeticæ occultum nescientis se numerare animi”, disse o filósofo e matemático alemão Gottfried Wilhelm von Leibniz. Não entendeu? Meu amigo Leon de Almeida, fera em latim, traduziu para nós: “A música é um exercício aritmético oculto da alma que lida com os números sem saber”. Lindo.
Até os compositores Antonio Carlos Jobim e Marino Pinto fizeram uma alusão à matemática na letra “Aula de Matemática” – seus versos deram o título ao post. Aliás, essa música faz parte da Bossa Nova. Ritmo que completa 50 aninhos! Uma simples mortal como eu poderia deixar de homenagear a Bossa Nova? Jamais. Por isso, veja duas descobertas recentes que unem música e matemática.
Em um encontro de neurologistas que aconteceu nos Estados Unidos, os pesquisadores concluíram que as artes são necessárias para o aprendizado. “De todas as formas de arte, no entanto, a música parece ser aquela que mais efeitos tem sobre o cérebro, sobretudo melhorando a capacidade para a matemática, a geometria e a leitura.” Essa frase faz parte de um artigo publicado, ontem, no jornal Destak de Portugal.
Na Science, os professores de música Clifton Callender, Ian Quinn e Dmitri Tymoczko descreveram o método chamado “Teoria Geométrica da Música”. Seqüências de notas, ritmos, acordes e escalas foram agrupadas em “famílias”. Estas “famílias” – ou grupos (!) – podem ser representadas em espaços geométricos. Dessa forma, cada grupo forma uma figura geométrica diferente. Agora, a música poderá ser estudada como uma matemática! Porém ainda prefiro o método que aprendi a tocar violão aos sete anos…
Mais: Chega de saudade! Se quiser testar os conhecimentos sobre Bossa Nova, acesse este especial bacaninha. Na foto ao lado temos Vinicius de Moraes e Tom Jobim. Desde criança sou apaixonada por ambos e, claro, pela Bossa Nova. Depois, no meu coração estão os sambas e algumas músicas eletrônicas – adoro a batucada. Não sei o porquê. As pessoas com as quais cresci preferem MPB, rock e outros ritmos…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *