Couro Ecológico x Couro Natural

Conversei com alguns designers europeus sobre as tendências da decoração. Disseram que, atualmente, para revestir mobílias o mercado de lá prefere o couro “natural” no lugar do sintético. Nesse momento, questionei por que não utilizam o chamado “couro ecológico”. A resposta também veio como pergunta: “Quer couro mais ecológico do que o natural?”
Explico. O couro sintético ou “ecológico” é feito de PVC. Este, composto por cloro (derivado do sal de cozinha) e eteno (do petróleo). Por sua vez, o “couro natural” é a pele das queridas vaquinhas – ou de outros animais – que passa por processos químicos de tratamento.
Quem emprega o PVC alega que ele é mais resistente e que não há desperdício de petróleo na sua fabricação. Os defensores do “natural” afirmam que é mais aconchegante. Agora, fica a escolha do cliente. Prefere o desmatamento causado por algumas criações de animais ou o uso do petróleo? Na vida, tudo requer escolhas.

38 comentários em “Couro Ecológico x Couro Natural”

  1. Vale lembrar que o objetivo pelo qual as “vaquinhas” são mortas é devido à comercialização de sua carne. O uso de sua pele no emprego de móveis, vestuário, bolsas e acessórios é fruto da reciclagem dessas mesmas peles as quais seriam descartadas na natureza portanto só o desestímulo ao consumo de carne animal é que pode frear o desmatamento causado por criadores em busca de pasto.

  2. Não é porque é NATURAL que é ecológico.Nós,seres humanos somos naturais desse planeta.
    Ao contrário do que muita gente pensa as vacas que viram carne,couro ou as que dão leite não são sempre aquelas vaquinhas felizes da caixa de leite ou do logotipo do frigorífico “boi feliz”.São inseminadas para ter mais bezerros, vivem uma vida mediocre em espaços minúsculos.
    Isso além de ser totalmente absurdo pelo sofrimento que causa aos animais também o é pelo prejuízo ao meio ambiente.Criações como essas produzem gás metano,prejudicial a camada de ozonio,ajudando na aparição do efeito estufa,devastação de florestas para produção de soja para gerar alimento para esses animais,contaminação dos lençois freáticos com o dejeto desse animais.
    Alguem pode achar que isso seja ecologico?Não é questão de achar,é questão de ser ou não ser (como Shakespeare,hehe).
    Só visam o lucro,não tem como ser ecologico,não tem.

  3. Antes de questionar qualquer atitude é preciso fazer algumas definições. Andei lendo sobre isso e é possivel entender que o couro ecológico é derivação do couro vegetal (manta feita com o látex extraído da amazônia). Porém, a produção dessa manta exigia uma queima que produzia uma fumaça prejudicial aos produtores e deixava um cheiro prejudicial aos consumidores. Com isso, foi criado o couro ecológico, que é um tecido resistente pintado com o látex extraído, beneficiando tanto os preodutores como os consumidores. Uma observação: esse produto foi autorizado pelo IBAMA, e a extração, hoje, é controlada, não sendo prejudicial ao meio ambiente. Já o couro sintético é feito de PVC, feito através do petróleo e sal etc. Uma coisa é fato, os dois evitão a caça predatória e a criação intensiva de animais inofencivos, só que um causa menos prejuízo ao meio ambiente e aos seres humanos do que o outro. A confusão existente entre couro ecológico e sintético pode mudar as opiniões em relação as escolhas.
    Eu já tenho a minha! Basta usar um pouco de conciência!

  4. Ou o couro de tilápia…que não é pesca predatória, não interfere na biodiversidade quando é cultivada em parques criatórios e usa tecnologias limpas e isenção de produtos tóxicos e poluentes

  5. O grande problema do couro natural não são as vaquinhas que morrem! O couro natural possui um sério problema que ninguém está lembrando. No processo de curtição do couro bovino, usa-se o Cromo. “O cromo 3 é altamente poluente e tóxico. Se exposto à luz, ao oxigênio e ao calor, converte-se em cromo 6, considerado cancerígeno.”
    E este uso se dá através de um reagente que separa o colágeno presente na pele do boi. Depois os restos com cromo vão para a grandes aterros ou, na pior das hipoteses, para a água (que mais cedo, mais tarde vai para o nosso consumo).
    Sejamos mais maduros e informados na hora da escolha do couro.

  6. Antes de expor sua opinião a respeito de coisas que não conhece…procure se informar melhor.
    Primeiro, todo couro é proveniente de alguma pele de animal. Então não existe expressões como: couro vegetal do látex das seringueiras ou couro sintético (existe uma lei que PROIBE o uso deste termo).
    Além disso não é tão simples assim transformar cromo 3 em cromo 6!
    Concordo com a Vera Sena. Quando os curtumes investem no processamento dos couros, estão trabalhando o conceito de sustentabilidade, reaproveitando um subproduto da indústria alimentícia. Querem proteger animais? Comam vegetais!

  7. Aline, trabalhei anos com isso. Quer gostemos ou não, empresas de mobiliário e tecelagem “vendem” o “couro” sintético, feito com derivados do petróleo – veja que no meu post NÃO está escrito látex – como sendo uma opção ecológica para o couro de vaca. Óbvio esse material não é ecológico.

  8. Caros Colegas, quando falamos em produtos ecológicos temos que levar em consideração o menor impacto que a produção e o produto final possam causar à natureza, seguindo este conceito desenvolvemos o “COURO ECOLÓGICO VEGETAL” produzido integralmente por produtos renováveis isentos de produtos de origem fóssil. O Couro Vegetal tem sua origem na Amazônia, sendo produzido artesanalmente pelos seringueiros e índios da região, e inicialmente consumido somente entre eles e posteriormente comercializado internacionalmente por grandes empresas, contudo o processo artesanal inviabiliza a comercialização em escala industrial, desta feita, a ECOLÓGICA desenvolveu o processo industrial inédito, contudo manteve toda a característica natural ao produto final, assim hoje a manta vegetal ecológica é o único material no mercado produzido integralmente dentro dos princípios sustentaríeis o que proporciona alto valor agregado para todo produto final desenvolvido e com a garantia de fornecimento. Assim coloco-me a disposição para todos os esclarecimentos necessários. Obrigado Jaime.

  9. God! Para o mundo ecológico é reciclar garrafa pet e ser vegetariano… Nave-mãe me busque!!!!!! Darwin, Wallace, Odum… devem estar se revirando no túmulo ao ver tamanha subutilização do termo ecológico. Todo couro e produto sintético é oriundo de relações ecológicas, das cianobactérias vivendo nos mares na época do Proterozóico, passando pela tectônica de placas mudando a superfície e as profundezas do planeta, e até nos dias atuais o bicho homem cavando buraco e succionando petróleo dos poros das rochas (ecologia humana!) e ainda a “vaquinha” pastando, adquirindo nutrientes que oputrora estavam no solo e carbono que estava na atmosfera e foi fixado pela fotossíntese (é, a fotossíntese é mó ecológica tah ligado mano!)…

  10. Cara Aline, acho que seu enfoque não esta errado, uma vez que, toma por base uma lei objeto de cartel, inconstitucional e que fere os princípios de liberdade de expressão, não sei qual a sua formação, mas se você já visitou um curtume deve entender o que ocorre para que o couro possa ser utilizado comercialmente. No entanto não estou aqui para gerar polêmica e sim informar sobre o nosso trabalho, acho que o couro tem sua função perante a nossa sociedade, como você mesmo abordou. Mas se seguirmos este mesmo princípio os produtores de Leite neste país devem se mobilizar para elaborarem uma Lei idêntica a que você citou, pois o Leite de Soja, Leite de Arroz, e outros derivados destes produtos que utilizam a mesma expressão não teriam espaço no mercado. Assim sendo, nosso propósito foi desenvolver um processo industrial para o “couro vegetal” produzido artesanalmente, hoje temos um produto cuja matéria prima utilizada provem de produtos renováveis, o que só traz resultados sustentáveis tais como: com o reflorestamento comercial de seringais conseguimos ampliar consideravelmente o índice de seqüestro de carbono, gerar centenas de empregos diretos e indiretos, equilibrar o clima em regiões amplamente devastadas, este cultivo é tão importante que existe uma lei no Estado de São Paulo que permite o plantio de 10% da reserva legai em propriedades rurais seja feito por seringueiras ou outras árvores comerciais. A ECOLÓGICA desenvolveu o produto denominado MANTA ECOLÓGICA VEGETAL, portanto, tecnicamente o nosso produto tem suas características e definições próprias, diferenciando-se tecnicamente dos demais concorrentes no setor, desta forma damos nossa contribuição a sociedade desenvolvendo um produto que agrega sustentabilidade, com viabilidade comercial, assim, acho que antes de criticar a força de trabalho de pessoas idealistas você deveria entender melhor o nosso trabalho.

  11. Prof. Jaime, Parabéns pela profundidade das respostas, esclarecedoras e que nos levam a esta necessária reflexão: SUSTENTABILIDADE…Parabéns…continue e o mundo agradece.

  12. Prezados!
    Primeiramente, não quero através deste desmerecer o trabalho de nenhuma empresa ou de qualquer outra pessoa que aqui se manifesta, apenas gostaria de aqui desenvolver um pouco mais o assunto, pois noto certa desinformação sobre o mesmo, a começar pelo título da discussão e seus primeiros comentários.
    O termo “couro” é realmente protegido por lei (O artigo 8º da lei 11.211/05 diz: “é proibido o emprego (…) da palavra “couro” e seus derivados para identificar as matérias-primas e artefatos não constituídos de produtos de pele animal”.) Esta lei, ao contrário do que foi mencionado, não foi idealizada por nenhum “cartel”, e sim por uma cadeia produtiva muito mais antiga do que imaginamos (os homens primitivos já se utilizavam de peles como vestimenta e meio de se manterem aquecidos). Uma vez que o couro sempre foi considerado material “nobre”, por ser mais durável, entre tantas outras vnagens, e por isso muitas vezes inacessível a grande maioria (hoje isto está mudando, com preços melhores).
    O termo “couro ecológico” intencional e erroneamente utilizado não apresenta, apesar de seu nome, nenhuma relação com o couro real (de origem animal), portanto volto a frisar que, qualquer material que não seja proveniente de pele animal não é COURO. Menciono o uso do termo “couro: sintético, ecológico, natural”, e por aí vai, como erroneamente intencional, poi visa simplesmente utilizar-se abusivamente do desconhecimnto dos consumidores, atribuindo um valor inexistente a um produto que não é aquilo que menciona, muito menos possui as características do couro lgítimo.
    A única coisa que pode diferir tipos de couros, além de sua origem (vacun, ovino, suíno,…) é o seu tipo de curtimento, e entre o dois principais estão curtimento mineral e o vegetal.
    O curtimento vegetal (já que gostamos de falar de produtos ecológicamente corretos), é realizado através de extratos vegetais, principalmente os extraídos de acácia negra (mimosa); fonte esta, renovável, e que se enquadra perfeitamente dentro dos conceitos de sustentabilidade e ecológicos. Extratos vegetais, os mesmos que são utilizados na indústria coureira para o curtimento de couros, também são utilizados nos tratamentos de efluentes, de águas (para tornar as mesmas potáveis), nas vinícolas (como encorpantes de vinhos), pela industria petrolífera (como “aglomerante” de petróleo, facilitando assim sua remoção), entre outras aplicações.
    A industria coureira, como qualquer outra hoje no mundo, sofre as mesmas pressões (e as acho necessárias) por adequações a emissão de poluentes de nossas leis ambientais, e está adequada a estas e visando sempre uma melhora aquém das exigências. Ainda nas questões ambientais, como já mencionado acima, hoje os animais que tem suas peles curtidas legalmente e por empresas sérias são criados em cativeiro (estou falando aqui em peles exóticas). As mais comuns, que são os vacuns, bubalinos, ovinos, caprinos, sabemos muito bem a que são criados e que estas peles seriam simplesmente descartadas.
    -“OK; vamos todos virar vegetarianos e naturalistas então, diriam alguns”; pois bem, estaríamos com calçados de plástico, borracha e sintéticos, teríamos problemas de pele, uma vez que seus calçados não transpiram (calçados secos por fora e molhados por dentro); nossos animaizinho de estimação não teriam mais ração (acho que comeriam somente vegetais também, devem sobreviver), não teriam mais seus amáveis ossinhos (são feitos de couro cru – processado obviamente, por isso se divertem tanto), as esbeltas de plantão não poderiam mais comer suas gelatinas; nossas crianças só teriam chicletes de goma sintética (é… vem do couro cru), algumas máquinas da industria têxtil teriam que ser reinventadas, pois suas correias são de couro que não gera eletrostática como borracha e outros mateirais, perderíamos muitos cremes, óleos e sabonetes que possuem óleo animais em sua composição, e por aí vai. Desculpem este desabafo, mas são coisas que a maioria nem imagina que vem de animais antes de criticar sua criação para abate.
    Voltando ao assunto COURO, realmente tenho que reconhecer ue os materiais sintéticos que o tentam substituir evoluiram bastante, principalmente em aspecto, imitando o mesmo muio bem, mas lembrem-se que é só imitação; o couro tem características físicas que só ele possui e proporciona. Calçados de couro legítimo tem permeabilidade ao suor, a saúde de seus pés consequentemente fica melhor. Já levou choque no carro!? pois é, eletrostática acumulada, experimente um calçado com solado de couro legítimo.
    Acho que me estendi demais, mas poderia ir mais longe, são tantas as virtudes deste material, pena que são desconhecidas e mal trabalhadas.
    LEMBRE-SE: O termo COURO só pode ser usado se for de origem animal. Quando você comprar qualquer outro produto que utilizar o termo couro (sintético, ecológico, courissimo,…) e não seja de origem animal você estará sendo enganado, e salvo se você gosta disto, DENUNCIE.
    USE COURO VOCÊ E MERECE.
    Grato a todos pela paciência.
    Abraço;
    Gustavo
    careca@sercomtel.com.br

  13. Bastante interessante a discussão. Realmente várias coisas que usamos hoje têm alguma origem animal. No final, cabe à consciência de cada um usar esses produtos ou não. É um estilo de vida, criado a partir de um modo de ver o mundo. Quem come carne normalmente não se incomoda com a idéia da criação em espaços pequenos, de eventuais maus tratos, e da matança para se extrair a carne que se come. Quem não se incomoda com isso vai continuar comendo carne na boa. Já quem se incomoda, vai parar de comer, ou viver em hipocrisia. Eu mesmo não me incomodava nem um pouco, passei a me incomodar, e hoje sou vegetariano. Mas não acho que come carne errado. São modos de ver o mundo. O mesmo com o uso do couro. Algumas pessoas se incomodam com a idéia de matar um bicho para fazer algum adorno, e outras não. Eu hoje preciso comprar um sapato, e por isso estou tentando encontrar um lugar que venda calçado de couro sintético ou ecológico. Alguém sabe onde tem um lugar assim aqui no RJ? nights_br@hotmail.com

  14. Muito boa toda a explicação dada pelo Gustavo no comentário acima. E bem triste saber que apesar de acreditar ser tão evoluída, a humanidade ainda sobreviva as custas dos animais e de tanto sofrimento a eles causado, por não ter encontrado ainda alternativas viáveis, funcionais e eficientes que não necessitem de assassinatos. Mas ainda assim nos sentimos os donos do mundo e os grandes evoluídos do planeta.
    Como também concluiu muito bem o Leonardo cada um faz as suas escolhas baseados em suas crenças e princípios e na grande maioria das vezes em suas contas bancárias e interesses particulares.
    Carne e couro para mim são artigos desnecessários na minha vida. E infelizmente se muito do que compramos tem em sua fabricação artifícios e condutas que requerem o sacrifício dos animais e isso é omitido pelas indústrias e empresas isso é triste e também bastante hipócrita.
    Uma mulher consegue se arrumar, vestir e utilizar cosméticos que não tenham em sua composição nada de origem animal, assim como nenhum teste cruel aplicado em animais para garantir sua “segurança e eficiência”.
    E acho que valhe muito a pena colocarmos as coisas na balança. É mesmo necessário ao ser-humano ter bolsas e sapatos caríssimos de couro, ou ainda os abomináveis casacos de pele? Precisamos comer carne todos os dias?
    Precisamos de tanta futilidade, tantos artigos medíocres, precisamos viver com todo esse vazio repleto de supérfulos em nome de uma econômia que definitivamente não beneficia a todos?

  15. se não tivessem enventado roupas, sapatos,sofas e ate tapetes etc nenhum tipo de animal morreria para terem seus couros nessas coisas…….
    obs:isso tudo não existiria se ninguém comprasse
    como tem quem compra há sempre um bicho morto..
    o culpado não é quem faz e nem quem vende o culpado é quem compra…….

  16. Prezado Gustavo,
    Se há reserva de mercado ao COURO, e ao LEITE, porque temos leite de soja????
    Isto me cheira a “quartel” do que reserva de mercado.
    Abçs
    JMR

  17. Essa discussão vem se estendendo por dois anos. Se repararem, começou em 2008. E não chegamos a nenhuma conclusão. Nem sei se estou perdendo meu tempo em escrever, se alguém lerá isso, se verei algum comentário sobre minhas opiniões. Mas, e esse é o valor da Internet, nossas ideias ficarão aqui registradas. Comecei a procurar informações para fazer um trabalho sobre couro ecológico. Desde que tomei consciência da maldade que fazemos com animais, simplesmente para devorá-los por prazer ou hábito, tenho procurado alternativas na indústria do vestuário que possam suprir minhas necessidades. Assim como a de outras pessoas que comunguem da mesma opinião. Não tem sentido eu não comer carne de nehuma espécie e usar sapatos de couro… Claro que todos tentam vender seus “peixes”… Assim deparei com a resposta do Sr Gustavo. Que tenta vender o couro “natural”. De todo seu argumento tirei poucas coisas realmente interessantes às pessoas que não desejam explorar animais: em diversos produtos que julgamos inofensivos, como um simples chiclete ( sempre achei que a origem da goma de mascar fosse vegetal!)podem ter composição animal. Para podermos discernir o que consumir, temos de cursar faculdade de Química. Isso é o fim! Deveria ser obrigatória a composição da origem de todos os produtos a venda, se animal, vegetal, ou outra, nas embalagens, em termos leigos. Realmente sinto que estou dando socos em moinho de vento, Dom Quixote moderno, escarnecido e ludibriado… Tudo isso para dizer: a ganância manda neste planeta. A moral e a consciência do certo ou errado se chamam DINHEIRO, PODER! Me desculpem… Perdi a fé no ser humano!

  18. Depois de ler a explicação de Gutavo, feita dia
    9 de junho de 2009 às 17:12, não precisei ler mais de ninguém…ele explicou como um profissional do assunto…mais fica uma dúvida, perdoem-me se já foi citada, porém não li todos os posts como já disse…gostaria de saber sem ser pró ou contra este assunto, se é verdade que o couro legítimo não pega fogo!! Procede??? Já ouvi mto falar, “coloca fogo se queimar pq é falso”…etc…será???

  19. Acho que o desabafo do Gustavo é de quem não entende muito das alternativas, já que tudo, TUDO que ele citou ´possui alternativas naturais e sem nenhum ingrediente de origem animal.

    Nosso conformismo em dizer “vamos perder um monte de coisas legais se virarmos vegetarianos e *não* da pra substituir de maneira alguma” é infantil. Vamos crescer e mudar nossas mentalidade.

  20. O Gustavo tem razão em um várias questões mas a resposta foi p tema de uma pesquisa investigativa que venho feito e de minha tese.
    Couro é animal conforme o Gustavo afirmou. Sintético é Sintético e vem de fonte não renovável como o petróleo. qualquer radicalismo é utopia. São elementos diferentes.
    Mas a pergunta o que é o couro vegetal?
    “Couro vegetal” é um material que está patenteado é é um material têxtil compósito, ou seja é originado a partir de um tecido que recebe um banho de polímeros naturais produzidos pela resina de uma árvore chamada Hévea brasiliense, ele é produzido a mais de 100 anos por seringueiros abandonados na Amazônia que aprenderam dos índios, e o processo foi aperfeiçoado e patenteado com o nome de couro vegetal porque é idêntico em aparência ao couro animal. porém com diferentes características, decompõe no solo de 3 a 5 anos, não polui com resíduos nos afluentes, apresenta respirabilidade superior o que o sintético não tem e o preço fica entre os 2.
    hoje existem 7 patentes registradas e são fabricados em pequenas reservas florestais na floresta. porque é somente no clima da floresta tropical que o material se adapta. Uma empresa em São paulo industrializou o processo, entretanto o material é diferente e foi caso do meu estudo também. A Osklem, Maria Bonita, Tainara e até mesmo marcas internacionais a possuem.
    Caso alguém queria comprar o material é só me retornar no comentário que passo contato da floresta ou da empresa.

  21. Um tema muito polemico mas igual “Vera Sena” postou aqui:
    20 de maio de 2008 às 18:25
    “Vale lembrar que o objetivo pelo qual as “vaquinhas” são mortas é devido à comercialização de sua carne.”

    Eu sou fabricante de bolsas e cintos de couro, porem sou totalmente contra ao uso de pele animal que é batido somente para o uso de sua pele ex: jacaré,urso,arrai, dentre outros. Se não houvesse a comercialização de couro(BOI E VACA) hoje, qual seria a solução para esse monte de pele que é extraída diariamente nos matadouros!?
    O processo de tratamento dessas peles não é 100% ecológico.Mas oque hoje em dia é 100% ecologico!?
    Eu sou de Campinas-SP aqui tinha um cortume foi fechado 1990 graças a Deus, pois naquela época a fiscalização era baixa e ninguém ligava para a preservação do meio ambiente, hoje para um curtume conseguir um alvará de funcionamento existe um processo muito longo e o primeiro passo é ter uma estação de tratamento para retirar os resíduos poluente da aguá utilizado no processo de manufatura das pele.

    Couro SINTETICO vocês que acham que isso é o melhor para o meio ambiente estão totalmente enganados. Não falo isso por eu ser fabricante de artigos de couro, mas já começa que segundo o artigo 8º da lei 11.211/05 diz: “é proibido o emprego (…) da palavra “couro” e seus derivados para identificar as matérias-primas e artefatos não constituídos de produtos de pele animal”. ou seja, o material sintético (plastico) é derivado do petróleo que demora muito mais para se decompor alem de agredir o solo por causa de sua química “natural”, fora que gera um maior consumo desses produtos pois o mesmo não tem uma durabilidade que compense seu uso fazendo assim que haja mais descarte no meio-ambiente.

    Tudo é prejudicial ao meio-ambiente nada é totalmente ecologico e nunca vai ser. Enquanto existir humanidade na terra nada sera ecológico, a roupa que nos usamos e necessitamos dela agride o
    meio-ambiente, pra ter o algodão pra produz-ilas também tem necessidade de desmatamento se você gosta de ceda não se esqueça do “bicho-da-ceda”, você não come carne vermelha lembra-se do peixe nos pesqueiros, você não anda de carro por causa da poluição não se esqueça que o pneu vem do petróleo e a estrutura e de ferro de mineração de algum lugar que foi desmatado, você só come arros e feijão isso ai também precisa de lugar para ser plantado e o saquinho que ele vem embalado também é de plastico.

    Coca-Cola – quantas latinhas e garrafas você vê jogada por ai!? Quantos milhões de litros de água potável ela usa para produzir seus produtos!?

    Petrobras – já polui quantos milhões de litros de água com vazamentos?!

    YPE – sera que la planta mesmo o tanto de arvore que falo que ia planta?
    e quando se lava a roupa sera que a química do sabão afeta o meio-ambiente!?

    EU DUVIDO QUE ALGUÉM NO MUNDO SEJA TOTALMENTE ECOLÓGICO…. NEM OS ÍNDIOS SÃO MAIS!

  22. discussão sem sentido nenhum, o couro que mais usamos são dos animais que nos fornece alimentos, esse papo de ecologico é pura hipocrisia quem não aprecia um bom churrasco ou um bom bife, e o copo de leite, ovo, o bolo que comemos e muitos outros alimentos que vem dos animais Deus deixou os animais para servir ao homen.

  23. Ao Sr. “marques alves pereira correia” ou coisa que o valha:

    1. parabéns pela concisão. Conseguiu revelar que é ignorante, hipócrita, insensível, irresponsável e que desconhece os mais rudimentos vernaculares em apenas cinco linhas. Isso é pra poucos.

    2. por que você e praticamente todo mundo que come carne é hipócrita: porque dizem que não se importam em comer carne mas não aceitariam matar nem uma pobre galinha com as próprias mãos. Aliás, as pessoas carnívoras dessa nossa ‘civilização’ não consenguem nem ASSISTIR ao abate de um boi. Digo isso porque já tentei exibir vídeos de abate pra diversas pessoas carnívoras e TODAS ELAS se sentem chocadas, agredidas, e viram a cara, estranhamente resistindo à contemplação de algo tão absurdo e repugnante, mas que é financiado por elas mesmas.

    3. Quem foi que disse que Deus criou os animais para servirem aos homens? E ainda que fosse o caso, em que dicionário o senhor aprendeu que ‘o conceito de ‘servir’ inclui sacríficio?

    4. Só porque um site tem espaço para posts, isso não torna obrigatório postar. Se não sabe o que falar, ou jamais refletiu sobre o assunto que quer abordar, FICA CALADO. Maldita inclusão digital!

  24. Trabalhei alguns anos na Amazonia e aprendi muito sobre a extração do latex e depois sobre o aproveitamento do latex para fazer objetos como bolsas, sapatos, etc. Percorrendo os posts neste blog ão vi relacionamento algum a respeito do que lá na Amazønia chamam de couro ecológico, que é o objeto maleável feito da extração do latex.
    Serei que perdi alguma informação?

  25. Isso não é debate de ser ou não vegetariano. Sou a favor do bem de todos (animais e humanos), e não me acho hipócrita por comer carne. Nem como carne pq ‘vou perder coisas legais se virar vegatariana’. Como carne pq é gostoso, se eu comer barata e gostar, vou comer tb. Assim como os vegetarianos comem vegetais e frutas, é um direito!

  26. O couro é considerado subproduto da carne, mas se você for ver o preço de uma bolsa… e pense em quanto couro se tira de cada boi… vai perceber que é um produto extremamente lucrativo para a indústria do abate de animais. Alguns animais, como vacas leiteiras doentes que são “descartadas”, oferecem carne de péssima qualidade e muitas vezes em pouca quantidade, mas o couro oferece ainda mais atrativos para o abate. O mesmo se pode dizer de bezerros novos que são mortos. Tudo que ajuda a tornar a ideia de matar animais por dinheiro rentável e atrativa deve ser evitado.

    Falam da proteção do meio ambiente e couro “ecológico” como se a criação do animal não poluísse o meio ambiente e como se o próprio boi ou vaca não fizesse parte do meio-ambiente… matar um animal não é ecológico.

  27. Bruna, se vc comer carne humana e gostar, também vai continuar comendo independentemente de analisar a questão ética que envolve matar outros seres sencientes? Ou a sua absoluta frieza ocorre apenas em relação aos animais, que passam por situações terríveis e são mortos apenas porque pertencem à uma espécie diferente da sua?

    Não tenho intenção de agredir com este post, mas de provocar uma reflexão. Quase ninguém nasce vegetariano/vegano, então eu já pensei assim antes, mas se parar para pensar, animais são sencientes e sentem dor, medo, frio, etc., igual à gente. A gente não sente mais medo do que eles. Ou mais dor do que eles. Então, se você pensa no melhor para animais e pessoas como você disse, vale à pena refletir um pouco sobre a questão da produção animal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *