Ora, raios! Como saber quando um cairá em você

São Paulo é uma das dez cidades com maior incidência de raios na região sudeste, segundo estudo realizado pelo Grupo de Eletricidade Atmosférica (ELAT) do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). A média de raios por km² por ano na capital paulista é de 7,7. Porém, em São José dos Campos, por exemplo, esse número chega a 17 raios. Equivalente ao índice máximo já registrado no estado da Flórida (EUA), considerado a “Capital Mundial dos Raios”!
Nova tecnologia usada no Brasil
Para proteger suas empresas das descargas atmosféricas, o Grupo Energias do Brasil deu início a um projeto de cooperação com o INPE e a participação da empresa Edinfor/Lógica CMG. O objetivo é utilizar informações provenientes da Rede Brasileira de Detecção de Descargas Atmosféricas para desenvolver novas metodologias. Uma das metodologias já desenvolvidas a partir dessa cooperação é o SIT-Raios.
Trata-se de um aplicativo que utiliza informações de desligamentos provenientes do sistema de controle SCADA – que controla e executa a automação das estações do sistema elétrico e informações de descargas da Rede Brasileira de Detecção de Descargas Atmosféricas. A ferramenta integra as informações em tempo real, identificando se um desligamento foi devido a uma descarga atmosférica. O SIT-Raios calcula para cada descarga uma área de influência ao seu redor. Com isso, a empresa pode planejar o deslocamento de equipes de emergência e realizar estudos específicos para avaliação do desempenho da rede de acordo com fenômenos de difícil controle.
O que fazer durante os raios
Não é possível segurar os raios. Eles causam a morte de cerca de 100 pessoas e ferimentos em 1000 pessoas por ano em no país. Sendo 25% desses números no estado de São Paulo. Assim, veja dicas de segurança.
IMPRESSIONANTE: Se você estiver em um local sem um abrigo próximo e sentir seus pêlos arrepiados ou sua pele coçar é indício de que um raio está prestes a cair! Nesse momento, ajoelhe-se e curve-se para frente, colocando suas mãos nos joelhos e sua cabeça entre eles. Não deite no chão.
Não saia na rua ou não permaneça durante tempestades. Nesses casos, procure abrigo nos seguintes lugares:
– carros não conversíveis, ônibus ou outros veículos metálicos não conversíveis;
– em moradias ou prédios que possuem proteção contra relâmpagos;
– em abrigos subterrâneos, tais como metrôs ou túneis;
– em grandes construções com estruturas metálicas;
– em barcos ou navios metálicos fechados;
– em desfiladeiros ou vales.
Se estiver dentro de casa, não:
– use telefone, a não ser que seja sem fio;
– fique próximo de tomadas e canos, janelas e portas metálicas;
– toque em qualquer equipamento elétrico ligado à rede elétrica.
Se estiver na rua, evite:
– segurar objetos metálicos longos, tais como varas de pesca, tripés e tacos de golfe;
– empinar pipas e aeromodelos com fio;
– andar a cavalo;
– nadar;
– ficar em grupos.
Não vá aos seguintes lugares que possam oferecer pouca ou nenhuma proteção contra relâmpagos:
– pequenas construções não protegidas, tais como celeiros, tendas ou barracos;
– veículos sem capota, tais como tratores, motocicletas ou bicicletas;
– estacionar próximo a árvores ou linhas de energia elétrica;
– topos de morros;
– topos de prédios;
– áreas abertas, campos de futebol ou golfe;
– estacionamentos abertos e quadras de tênis;
– proximidade de cercas de arame, varais metálicos, linhas aéreas e trilhos;
– proximidade de árvores isoladas;
– estruturas altas, tais como torres, linhas telefônicas e linhas de energia elétrica.

5 comentários em “Ora, raios! Como saber quando um cairá em você”

  1. Um amigo que fez alguns cursos no ITA me disse que eles produzem uma série de pesquisas sobre raios. Segundo ele, o Brasil é um dos países do mundo que mais estudam raios…
    Eu achei bastante curioso. Jamais imaginaria que somos referência em estudos de raios rsrs.

  2. Na verdade, o Brasil é o vice-campeão mundial em matéria de raios (por falar nisso, em tornados, também…). Já ocorreu a alguém associar isto à impermeabilização dos solos?… E à maior presença de materiais metálicos (cercas de arame, nos campos)? É uma probabilidade que eu não descartaria…

  3. Eu gosto de raios, sempre fui fascinado por eles (vide meu avatar), tenho até uma coleção de fotos que tirei (com exposição longa).
    Já cheguei a sentir os pêlos arrepiando, mas o raio caiu longe de mim..

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *