Energético: os dois lados da latinha

Na primeira vez que cobri o SPFW, mergulhei nos energéticos. Tinha um frigobar lotado deles na redação. E de graça. Nos últimos dias eu tomei tanto, mas tanto, que quase fiquei rosa. O que seria um luxo, vai. Bom, só sei que, no outro dia… Meu estômago não podia mais ver a marca nas ruas. Agora, pintou uma informação curiosa sobre eles. E, recomposta, continuo tomando.
Os energéticos possuem carboidrato – ai que engordativo! -, cafeína e taurina – usada devido ao seu efeito desintoxicador, facilitando a excreção pelo fígado de substâncias não mais importantes e intensificando os efeitos da insulina, mas quem tem problema hepático ou renal deve tomar cuidado. Geram, mesmo, um efeito estimulante voltado ao estado de alerta do corpo.
“Os energéticos são grandes influentes à capacidade de diminuir a sonolência durante um certo período”, afirma o nutrólogo Maximo Asinelli. Normalmente, são fabricados em unidades de 200 a 250ml. Se ingeridos em pequenas quantidades, podem ser insuficientes para que o estado de alerta seja restabelecido.
“A cafeína só gera o efeito estimulante se consumida em uma proporção de seu peso corporal vezes três. Para que seja perceptível os efeitos um homem de 80kg, por exemplo, deve consumir no mínimo 240mg de cafeína”, explica – mas tenho certeza que o cafezinho matinal me faz acordar das noites passadas em branco trabalhando.
Se ingeridos em excesso, os energéticos podem causar efeitos colaterais como aumento do batimento cardíaco e insônia – puxa, experiência própria. Além disso, a cafeína acelera também a perda de cálcio, magnésio e potássio, o que pode facilitar o surgimento de câimbras.
“Como essas bebidas diminuem a absorção de cálcio pelo organismo, futuramente podem causar uma perda de massa óssea. O certo é manter um controle. Os energéticos criam fortes dependências por serem compostos, em maioria, por cafeína e isso pode trazer conseqüências maléficas ao organismo”, finaliza o nutrólogo.
Obs.: Essa foto tirei em uma balada fashionista, no Love Story.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *