Planta escreve no Japão


Depois dos animais falarem, é a hora das plantas escreverem. Lá no Japão, em um restaurante bem gracinha chamado Donburi Cafe Dining, a plantinha Midori-san posta (!) diariamente no seu blog. Veja bem: trata-se da primeira planta que escreve em um blog!
Para tal proeza, a companhia Kayac e o laboratório Hiroya Tanaka, da Universidade de Keio, criaram um “sistema de interface da planta”. Sensores na superfície “lêem” a leve corrente bioelétrica que flui em toda a superfície das folhas. Captando, dessa maneira, os pensamentos da mocinha. Em seguida, tais sentimentos são postados uma vez por dia.
Se você for até lá e tocar delicadamente a Midori-san, ela dirá a química que existe entre vocês. Em seguida, poderá tirar uma foto com ela, transferir para o celular e, então, postar no seu blog.
Agora, para tratar a plantinha à distância, existe um widget do lado direito do blog – pode colocar no seu. Digite uma palavrinha de amor e clique em “OK”. Pronto, as lâmpadas fluorescentes acenderão para tratar a Midori-san com uma dose de luz. Ah, e no quadrinho aparecerá – em japonês, claro – a palavra: “Arigatoo”. Afinal, a planta agradece.
Veja o blog da planta aqui. Sem ofensas, coisa de japonês, né?
Obs. 1: Aliás, algum biólogo conhece essa espécie de planta?
Obs. 2: Roberto Carlos, e há quem duvide de que as plantas sentem e se comunicam… Sayoonara!

8 comentários em “Planta escreve no Japão”

  1. Fui lá checar o blog da plantinha, mas francamente, em japones não vai dar.. hehehe… pena… queria ler os posts da Midori-san… saber como ela se expressa enfim… ;-)))

  2. Não concordo que seja a primeira planta a escrever um blog. Eu conheço inúmeros blogs escritos por plantas! 🙂
    Mas tenho sérias dúvidas sobre esse da planta. Que eles consigam detectar alguma reação da planta ao ambiente, até posso aceitar (mas gostaria de mais detalhes). O problema mais sério é: como eles traduzem esses sinais para “humanês”? Ou seja: como eles sabem que é “Está fazendo sol e estou feliz” e não “Estou deprimido(a), quero rodas e não raízes!”? Onde a planta processa essas informações?
    O engraçado é tentar adivinhar o que os vegetarianos iriam comer se isso fosse verdade…
    E parabéns pelo blog…

  3. É isso ae, Jef: Agora alguem me explica como isso funciona?!
    Quem leu o guia do mochileiro das galaxias ae? Lá está escrito que quando soubermos o que um vaso de violetas quer dizer com “not again!” quando ela está caindo junto com uma baleia num planeta qualquer, nós saberemos muito mais sobre o universo do que sabemos hoje.

  4. Dei uma olhada, mas não acrescentaram muita coisa. Ainda me soa absurdo. Algumas das perguntas que eu gostaria de ver respondidas:
    1) Que processo nas plantas pode gerar essas pequenas correntes elétricas? Não há nervos nas plantas.
    2) Como eles isolam esse sinal do ruído externo?
    3) Como eles interpretam esses sinais?
    Ou seja, eu não vejo um procedimento científico, onde hipóteses são enunciadas (“tal sinal significa feliz”) e são confrontadas com as evidências experimentais. Afinal, deve ser difícil perguntar para a planta para ver se é isso mesmo, não?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *