O segredo de Atlântida

Ficção científica não é a minha praia – aliás, após escrever essa frase paro, respiro fundo e pasmo no mar azul marinho, estou no litoral, também mereço! Mesmo assim, óbvio que adoro ciência, suas invenções, descobertas, filosofias, discussões e algumas das histórias mirabolantes. Principalmente, aquelas com certa ideologia como “1984” e “Admirável Mundo Novo” – geniais.
Recentemente, fiquei incumbida de uma missão quase impossível. Descobrir a “verdade” sobre o mito de Atlântida. A ilha da fantasia existiu? Então, onde estariam suas ruínas? Matutei… E parti para a pesquisa. O que achei de obras esotéricas sobre o tema não está escrito. Mas eu queria algo o mais científico possível. Daí, conversei com oceanógrafos. Até eles disseram: “Que difícil”!
De link em link, livro em livro, texto em texto, encontrei um pesquisador bem interessante. Poxa, os primeiros escritos sobre a cidade foram feitos pelo Platão, em “Timeu e Crítias, ou Atlântida”. Então… nada melhor do que entrevistar um historiador, melhor ainda se ele também for arqueólogo! Eis que encontro a pessoa na Unicamp, chamada Pedro Paulo Abreu Funari.
É certo que alguns pesquisadores até encontraram vestígios de ruínas no fundo de vários mares. Porém comprovar cientificamente que eles são os restos da tal Atlântida – que existiu há mais de 10.000 anos – é outra história. Nesta, eu encotrei a cidade perdida. Duvida? Então, leia a matéria aqui.
Obs.: Este breve post faz parte do tema do mês, relação entre ficção científica e divulgação científica, do blog Roda de Ciência – espaço de discussão. Por favor, deixe os comentários aqui. A foto das ilhas tirei no meu preferido Posto 9, em Ipanema, Rio de Janeiro.

6 comentários em “O segredo de Atlântida”

  1. Esse assunto me fez lembrar quando li uma noticia de que teriam encontra o tumulo do irmão de Jesus Cristo. E a matéria dizia que aquela podia ser a primeira prova concreta da existência de Cristo.
    Não entendi nada, nunca pensei que podiam considerar a historia de Cristo como algo imaginário, lenda ou seja la qual o nome mais concreto.

  2. Gabriel, levando-se em conta que tirando UMA referência externa todo o material contemporâneo sobre Jesus está em um livro com cobras falantes, arcas cheias de bichos, gigantes e gente com asas, é até natural achar que Jesus também seja ficcional.

  3. Cardoso,
    sem duvidas. Apesar de ter tido uma formação catolica, nao sou praticante. Ao contrário dos católocios praticantes afirmo que o homem criou Deus a sua imagem e semelhaça e não o contrário.
    Minha base sobre Cristo nao era a biblia… mas sim imaginar que nao seria muitoi facil manter um mito como esse por muito tempo… bom, sei la

  4. Há tantos mitos que transitam pelas eras a incontáveis épocas… porque o mito de Jesus seria diferente? ..francamente, um livro reescrito por tantas vezes como a biblia, é mais um livro… lendário sim, mas é mais um livro antigo… se pessoas ainda hoje creem que fatos reais e concretos são mitos, porque o contrário não seria verdadeiro??
    Enfim…

  5. as provas sobre a existencia de Atlatida s~ao segmentadas devido ao grande processo de distruiçao acorrido na epoca mas estao a’i para quem queser ver. Estao n~ao s’o em inumeros relatos de muitas culturas mas em construçoes espaladas por v’arias partes do globo. S’o na regiao conhecoda como deserto de GOOBY que e’ BOODY haviam mais de 200 civilizaçoes que desaparesceram por perderem sua funça~o. Todo o conhecimento gerado nessas etapas digo nessas etapas pois houveram outras anteriores a Atlandtida estao preservados em bibliotecas secretas que na~o s~ao para curiosos que tem como objetivo turvar as informaçoes mas para os que realmente procuram o conhecimento. O SABER E PARA POUCOS.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.