Butantan produzirá vacinas contra leishmaniose

Fui numa coletiva de imprensa – reunião apenas para jornalistas que as instituições fazem para divulgar algo – na Fundação Butantan, na última linda sexta-feira ensolarada. No próximo ano, pesquisadores brasileiros começarão a fazer testes em cachorros de uma vacina contra leishmaniose visceral ou doença de calazar.
Pelo jeito, os ensaios apenas confirmarão o que os cientistas já sabem. Testes realizados em ratinhos e em humanos, nos Estados Unidos, mostraram que a vacina é 70% eficiente e não apresenta problemas. Os pesquisadores estão muito animados. Quando saímos da coletiva, ao meio dia, eles continuaram a reunião para discutir sobre investimento e onde serão realizados os ensaios.
Uma parte dos 23 milhões de reais para a construção da fábrica já foi captado. Se tudo ocorrer bem, no primeiro semestre de 2009 ela estará praticamente pronta. Aliás, sabia que o Butantan tem uma fábrica para cada vacina? E que algumas são microbianas? Ai que fantástico. As bactérias é que são colocadas para trabalhar. Devem produzir inúmeras proteínas que se tornarão vacinas.
Você, leitor do “rico” Sul e Sudeste, deve estar se perguntando. Mas que jossa é essa doença? A Organização Mundial da Saúde (OMS) considera-a uma das seis maiores endemias – doença que se restringe a um determinado local – do mundo. No Brasil, em 2006, 1.810 pessoas tiveram leishmaniose visceral. Se não trata, tem 90% de chance de falecer. E como o lugar mais afetado é o Nordeste…
Aliás, por que os Estados Unidos, que não possuem muitas doenças tropicais, estão fazendo pesquisas? Neste específico caso a parceria foi realizada com o Brasil – as vacinas serão produzidas aqui. O que gera economia financeira, oportunidade para pesquisadores brasucas e desenvolvimento científico e tecnológico para nosso país abençoado por Deus.
Mas, pelo que vi por aí, o país norte-americano possui uma série de interesses em outras pesquisas sobre doenças tropicais: se preparar para o aquecimento global, vender remédios para os inúmeros doentes subdesenvolvidos, cuidar dos soldados que combatem “em trópicos” ou para ajudar os mais pobrinhos.
Bom, sei que a coletiva foi bárbara. Informal, os pesquisadores estavam em uma mesa de reunião enquanto conversávamos com eles. Sentados no entorno. Aliás, ir ao Butantan é sempre ótimo. Quando era criança, todo domingo pedia para os meus pais me levarem para “ver as cobras”. Ficava fascinada com aquele poço cheio de répteis – medo de cair lá -, com as vacinas e com o trenzinho que circulava pelo lugar – claro.
Um dia desses, levei primos crianças para conhecer o que eles chamavam de “Bitantã”. Adoraram! Alguns complexos novos não existiam no meu tempo – estou ficando velha: o Museu de Microbiologia e o berçário. Imagine que “munitinhos” os bichinhos bebês…
Na volta da coletiva, insisti para o taxista levar a filhinha dele ao “Bitantã”. Afinal, quer passeio mais mil e uma utilidades? Arborizado, torna os filhos mais inteligentes e não pesa no bolso. O site do museu é este. Leia a matéria sobre a vacina – com todas as explicações – aqui. Bom domingão quente e de céu azul para ti! Agora vou correr no parque!

4 comentários em “Butantan produzirá vacinas contra leishmaniose”

  1. Só conheço Pushing Daisies. Aliás, Chuck e Ned formam o casal mais fofo do mundo. Eles representam um amor puro! Tem um episódio de Gossip no qual aparece o closet da Blair. Invejei demais!
    E que chique: coletiva de imprensa!!!!

  2. Realmente um passeio ao Bu-tan-tan deve ser “Fascinante” (como diria o Spock). …mas falando em pesquisas, os gringos têm a muito tempo, um programa de pesquisas nacional (lá no pais deles né) chamado LTER –Long Term Environmental Research, onde eles desenvolvem estudos sobre mudanças ambientais, incluindo climáticas ao longo do tempo (Long Term, capisco?)… …muito antes de se falar publicamente em aquecimento global. … enfim… eles podem ser culturalmente ignorantes (fora dos grandes centros populacionais norte-americanos) mas investem em ciências… 🙁 Quando nossos políticos vão deixar de ser ignorantes e investir pelo menos em educação? …enfim…

  3. Isis, tudo bem? Aqui é o Fabio de Castro, da Agência Fapesp (outro apaixonado por ciência). Eu estava na coletiva também. Legal te conhecer. Também adorei o seu blog – acaba de ingressar nos meus favoritos. Te deixo meu contato: fcastro@fapesp.br
    Nos vemos aí nessas coberturas. Abs!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *