Buscar no Google aumenta o aquecimento global

Sempre pensei nisso. Enquanto eu fico com o computador ligado – seja lá para o que for – estou emanando CO2 – gás carbônico que colabora com o efeito estufa. Afinal, há consumo de energia. O que é um paradoxo. Uso a ferramenta para incentivar a preservação ambiental e o conhecimento científico. Droga! Bom, o jornal britânico “The Times” publicou uma matéria mais ou menos sobre o mesmo tema.
Ele afirmou que uma pesquisa no oráculo Google gera sete gramas de  CO2. Comparando: com duas pesquisas é possível esquentar a água do café. O estudo é proveniente da Universidade de Harward. O Google respondeu à publicação dizendo que eles estão completamente enganados. Segundo a empresa, uma pesquisa de 0,2 segundos emanaria 0,2 gramas de CO2. Ah, a saber, de acordo com o jornal, a indústria da Tecnologia da Informação (TI) – informática –  consome 2% de energia em todo o mundo. Leia mais um pouco sobre a discussão no site do jornal aqui – em inglês.
Poxa, até nossa santa internet de todos os dias pode ser do mal. Que peninha… Vamos exigir mais investimento em energia limpa! E já que dei a deixa…
Sempre defendo que pesquisadores brasileiros desenvolvem produtos e serviços interessantes. Os cientistas da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) criaram um motor que funciona com lixo! “É um motor de combustão externa, ou seja, a fonte de energia que faz ele trabalhar fica do lado de fora. Com isso, pode-se usar qualquer tipo de combustível, como o biodiesel, etanol, resíduos da agricultura, madeira, carvão, combustíveis fósseis como carvão mineral e derivados de petróleo”, explica o pesquisador Luiz Guilherme Wadt. Restos provenientes da criação de frangos e de porcos também poderiam ser utilizados.
“Imagine uma casa no campo em que um agricultor de baixa renda more lá e não tenha energia elétrica. Ele poderia ter um pequeno motor desse colocado no fogão de lenha. Enquanto a dona de casa faz a comida, esse motor geraria energia suficiente para carregar a bateria que, mais tarde, propiciaria que ele tivesse iluminação na casa”, diz Wadt. Ou… o simples agricultor teria energia para fazer pesquisas no Google!
Como funciona o motor movido a lixo?
Ele equilibra ondas de calor e frio que fazem os pistões funcionarem de forma constante. Mas não serve para ser usado em automóveis e caminhões. “Ele tem o torque constante, ou seja, faz força sempre do mesmo jeito e na mesma velocidade”, disse. Leia matéria completa aqui, na Agência Brasil. Onde compro? Alguém pode me dizer?

3 comentários em “Buscar no Google aumenta o aquecimento global”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *