O carnaval e a ciência

O carnaval sempre esteve na minha vida da mesma maneira que a ciência faz parte dela. Como nasci no país tropical, mês de fevereiro quando tem carnaval, o tema das minhas festinhas de aniversário eram sempre fantasias, confetes e serpentinas. Alegres como eu.
Aliás, sabia que hoje a diva-musa-brasileiríssima Carmen Miranda completaria 100 anos? Pois é… Nasci no mesmo dia que ela – vixe, falei. Na minha última viagem ao Rio de Janeiro, no ano passado, tive o desejo mórbido de visitar o túmulo dela. Todo de pedra na cor vinho. Está conservado.
Bom, mas estou falando de nascimento e não morte. Hoje me peguei matutando: o que é que a ciência tem a ver com o carnaval? Tudo porque a Tine Araújo, no blog “Eu, Eu Mesma e Tine”, lançou a idéia de fazermos posts contando historinhas sobre o carnaval. Pô, minha outra paixão.
É sabido que várias vezes temas científicos se tornaram enredos de escola de samba. Em 2004, por exemplo, a Casa da Ciência da Universidade Federal do Rio de Janeiro ajudou a Unidos da Tijuca no “O sonho da criação e a criação do sonho: a arte da ciência no tempo do impossível”. A escola foi vice-campeã.
Mas, na realidade, o carnaval nasceu da ciência. Ou melhor, devido à falta de conhecimento científico. Cerca de 600 a 520 a.C., os gregos realizavam cultos para os deuses em agradecimento pela fertilidade do solo e produção dos alimentos. Passado alguns anos, os gregos mais os romanos inseriram bebidas e práticas sexuais na festança. E, assim, fez-se o carnaval.
Nossos antepassados gregos e romanos conheciam, muito bem, técnicas eficazes de agricultura. Porém o fruto colhido era visto como uma agraciação dos deuses. E não apenas como o resultado da aplicação da prática científica. Viu? Então vamos comemorar! Para saber mais sobre história do carnaval, sugiro aqui.
Laboratório na avenida
Fique de olho nos enredos deste ano que têm pitadas científicas: Unidos da Tijuca sob o tema “Uma Odisséia sobre o Espaço”, Porto da Pedra com “Não me proíbam criar. Pois preciso curiar! Sou o país do futuro e tenho muito a inventar”, X-9 com “Amazônia… conseguimos conquistar com o braço forte… do esplendor da Havea Brasiliensis à busca pela terra sem males”, Vai-Vai com “Mente sã e corpo são”, Gaviões da Fiel com “O sonho comanda a vida, quando o homem sonha o mundo avança. A fantástica velocidade da roda para a evolução humana. É pura adrenalina!”, Mocidade Alegre com “Da chama da razão ao palco das emoções… Sou máquina, sou vida… Sou coração pulsando forte na avenida!”.
Isso, sim, é um Carnaval Científico – e eu poderia perder o trocadilho? Jamais!

10 comentários em “O carnaval e a ciência”

  1. Maravilhoso 🙂
    Adorei \o/
    Valeu a participação!
    Aproveito para registrar que foi muito bom te conhecer e neste dia querido te desejo muitas felicidades, realizações, paz, saúde, din din e muito amor!
    Parabéns pelo seu Niver \o/
    Beijos 😉

  2. Olá! Muito legal o seu blog, parabéns! Por acaso, encontrei-o hoje em uma busca exatamente sobre… ciência. Afinal, não me basta só fazer pesquisa, ela tem que se tornar pública.
    Mais coincidência ainda é encontrar o seu blog no dia do seu aniversário. Então, parabéns pelo aniversário (em primeiríssimo lugar) e pelo ótimo blog!
    – Daniel

  3. mais um “apaixonado” aqui heheh.
    adicionei seu link nos amigos de wigner, se não se importar.
    Não dá para esquecer o carnavalesco farsante de copacabana, Richard Feynman, que lecionou um curso de Física do Rio, e ainda alfinetou o ensino de Ciências no Brasil…
    Abração

  4. Oi eu li seu comentario no blog da Tine, tb postei algo sobre ocarnaval, apesar de não falar de ciência. Trabalhei na Casa da Ciência durante 5 anos e participei deste evento do qual vc falou, que acabou dando origem a uma exposição chamado Ciência dá samba?. Num ano antes a Casa da Ciência já tinha feito uma parceria com o Carlos Barros – o carnavalesco da Unidos da Tijuca no ano seguinte, para produzir o carnaval do Portinari. Essa estoria começou com a curadora do projeto portinari levou o Carlos lá pra casa da ciencia e começamos a questionar como levar a vida e a obra deste artista brasileiro que tanto retratou o Brasil na avenida. A cAsa produziu a exposição Portinari nos Atelies do Samba, e foi assim que começou um novo encontro de levar para as grandes avenidas a historia da ciencia para o Carnaval carioca. E eu desfilei no Unidos do Tuiuti no enredo sobre Portinari .. bem mass isso já é outra historia. beijos adorei o blog!

  5. Olá, Isis !
    Estou bem atrasado, mas espero que ainda aceite os parabéns !
    No clima de carnaval e ciência, foi criado uma challenge no World Community Grid para incentivar a participação neste importante projeto, que busca cura de doenças como o câncer e a AIDS, durante o feriado de carnaval.
    Beijos,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *