Nova tecnologia para uma agricultura sustentável

Existe uma maneira segura – tanto para o trabalhador rural quanto para o consumidor – de fazer as plantas crescerem e produzirem mais: usar silicatos. Trata-se de uma classe mineral considerada um micronutriente pelo Ministério da Agricultura. Uma tecnologia mais limpa, sustentável e natural.
De acordo com artigo de Oscar Fontão de Lima Filho, pesquisador da Embrapa Agropecuária Oeste, o silício, de modo geral, age no metabolismo da planta como uma espécie de antiestressante. Ele aumenta a resistência da planta a pragas e doenças. Consequentemente, elas podem receber menos agrotóxicos e ser de melhor qualidade.
Os pesquisadores estão realizando – odeio gerúndio – mais estudos para a técnica ser colocada em prática a valer. O texto inteiro – leia aqui – está disponível no site sem fins lucrativos Infobibos. Ele possui artigos sobre temas relativos à agropecuária,  recursos naturais e gestão com qualidade. Taí uma dica em português. Seria uma alternativa para os transgênicos?

6 comentários em “Nova tecnologia para uma agricultura sustentável”

  1. Oi Ísis,
    Primeiramente gostaria de parabenizá-la por seu blog. Gostaria de escrever de maneira tão simples como você….rs. Mas o “vício acadêmico” não deixa. Enfim…! Alguns comentários a respeito do silício na agricultura. Primeiro é que ainda existem algumas dúvidas quanto à essencialidade ou não desse elemento. Alguns autores consideram-o como essencial, já outros apenas como benéfico. É uma diferença conceitual. Quanta à sustentabilidade do seu uso também há alguns questionamentos. Depende muito da fonte de sílica utilizada. Muitas delas são resíduos industriais reaproveitados na agricultura. Esses podem vir acompanhados de elementos tóxicos, como os metais pesados, por exemplo. As pesquisas estão sendo desenvolvidas e apontam para os benefícios, indubtavelmente. Mas como tudo é bom ter-se cautela na utilização de tais fontes.
    Espero ter colaborado um pouco com o post.
    Abraços.

  2. Isis,
    Não podemos confundir fontes de silício. Pela legislação brasileira, uma das mais avançadas nessa área de fertilizantes, não se pode registrar ou comercializar fonte sólida de silício, se não estiver dentro dos limites permíssiveis de metais pesados, como em qualquer outro fertilizante. As indústrias siderúrgicas têm um co-produto que é um silicato de cálcio e magnésio, chamadas também de escórias de siderurgia. Para que sejam utilizadas na agricultura devem possuir silício na forma solúvel além de cálcio e/ou magnésio e ter registro no MAPA e na secretária do meio ambiente estadual.
    A fonte líquida solúvel é o silicato de potássio, que é aplicada via foliar. Esse fertilizante não tem nenhum outro componente além de Silício, Potássio, Oxigênio e Hidrogênio. É um produto ecologicamente correto, sendo indicado, inclusive, para a agricultura orgânica. É claro que devemos estar atentos a produtos adulterados e desconfiar daqueles muito baratos. É importante conhecer a procedência e idoneidade do fabricante.
    Espero ter contribuído pata tirar as dúvidas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *