Saiba como ver o cometa Lulin

Cadê meu binóculo? Temos companhia nesta semana carnavalesca. Um cometa chamado Lulin pode ser visto com um simples binóculo ou uma luneta. Ontem, foi o dia que ele passou mais perto da Terra a uma distância de, aproximadamente, 60 milhões de quilômetros.
Se você estará em Sampa amanhã, mas não tem tais apetrechos, saiba que o Planetário do Ibirapuera abrirá para “pegar carona nessa cauda de cometa”. Haverá uma sessão – com palestra – para observação. Programação e horários aqui.
Para quem prefere a janela de casa, indico a leitura dos posts do fantástico Big Bang Blog. A autora – e astrônoma – Maria Gabriela Pereira fez um passo-a-passo explicando como ver o cometa. Veja aqui e ali. Aliás, o físico Dulcídio Braz do blog Física na Veia! também explica como ver o cometa e… Até conseguiu tirar uma foto dele! Sensacional. Leia aqui.
Historinha
De acordo com a Nasa, o cometa Lulin foi “descoberto” sem querer. Era uma vez, um menino de sete anos chamado Quanzhi Ye que morava na China. Numa bela noite de 1996, apontou sua lunetinha para o céu. Quando, de repente, viu um cometa com sua respectiva cauda flamejante passar pelos seus olhos. Uau.
Inocente, o chinesinho pensou que tivesse descoberto a maravilha. Mas algum estraga prazeres avisou que dois homens chamados Thomas Bopp e Alan Hale de Cloudcroft viram o cometa primeiro. Que, aliás, foi intitulado “Hale-Bopp”. Não satisfeito e com uma determinação oriental, Ye prometeu para si mesmo: “Um dia vou descobrir meu próprio cometa”.
Passado alguns anos, em uma tarde “quente” de verão de julho de 2007, Ye observava uma foto tirada das estrelas para um trabalho de faculdade. Ele era jovem adulto estudante de meteorologia. Notou algo estranho. Uma estrela não era uma estrela… Aham… Era um cometa! E, dessa vez, Ye viu primeiro.
A tal foto foi tirada noites antes no Observatório Lulin, localizado em Taiwan. O “fotógrafo”  astrônomo Chi Sheng Lin fazia uma patrulha do céu. “Espero que minha experiência possa inspirar outros jovens a prosseguir os mesmos sonhos estrelados como eu”, disse Ye. Amém. Leia mais aqui, em inglês.
Obs.: A foto do cometa que ilustra o post foi tirada pela Nasa.

8 comentários em “Saiba como ver o cometa Lulin”

  1. Isis
    Em 1997 vi o Hale-Bopp muitas vezes, por dias seguidos. A olho nu e com binóculo. Foi lindo. Naquele tempo a internet era a lenha e eu não tinha blog. Aliás acho que ninguém tinha blog naquela época, né? 🙂
    Agora estou seguindo o Lulin há semanas e, via Física na Veia!, chamando a galera pras observações, dando dicas…
    Vi/fotografei o “pedacinho de gelo” de forma precária, brigando com as nuvens. Foi na quarta-feira passada daqui de São João da Boa Vista/SP, ao final de uma de minhas aulas na faculdade.
    Depois disso as nuvens venceram e não consegui mais nada!
    Mas estou me deliciando com as fotos da galeria do Space Weather. Você já viu? Fica em http://spaceweather.com/comets/gallery_lulin_page14.htm, até agora com 14 páginas de fotos de colaboradores. E vai aumentar…
    Vou tentando algo mais por aqui. Hoje, quarta-feira de cinzas, o céu está bem a caráter: cinza! E ameaça chover feio. Que droga! Mais uma noite sem Lulin.
    Abraço astronômico. E boas observações para todos nós (se São Pedro deixar, claro).

  2. Professor Dulcídio,
    Adorei o relato da sua “saga” atrás do Lulin. Coloquei o link no post. E ótima dica. Estou vendo as fotos! Ah, por aqui, a chuva está passando… Mas “sácomoé”, quarta-feira de cinzas sempre tem chuva!

  3. Caraca… Nunca consegui ver um cometa antes…
    E eu ñ estou no Brasil pra ver o bendito… Se bem que, se eu estivesse em Sao Paulo, algo me diz que eu ñ o conseguiria ver do mesmo jeito… Deve estar rolando a maior chuva aê, ñ?
    Sao Pedro castiga Sao Paulo. Eu, que ñ li a Bíblia, ñ faço idéia do porquê.
    Será que esse tal de Lulin vai passar aqui pelo Perú?

  4. Estou longe do planetário. Mas tento me virar sozinho por aqui…
    Ontem, quinta-feira (26/fev), já era quase 1h da madruga e ia me preparando para dormir quando lembrei de dar uma espiada pela janela do apartamento. No começo da noite o céu estava bem nublado e eu já havia desistido de tentar observar o cometa.
    Mas, pela janela da sala, com horizonte sul, vi o cruzeiro do sul, centauro, carina…, lindos, brilhantes, contra o fundo negro do céu limpinho! Me animei!
    E é claro que mudei meus planos. Que roupa de dormir que nada! Peguei binóculo, câmera, tripé, …, um agasalho, e desci na garagem do condomínio pra ver o céu e, obviamente, tentar ver o Lulin. Antes uma boa simulada no computador para ter certeza de onde olhar exatamente.
    E lá embaixo, já de cara, encontrei Saturno, a referência principal para encontrar Lulin. Saturno estava bem alto no céu, longe do “fog” natural do horizonte. Beleza! “Perfeito” para observar!
    Mas… (sempre tem um mas!) havia uma névoa fina mas muito chata na região. Ela ia e vinha, aumentava e diminuia. Isso, mais as luzes da iluminação do condomínio, foram fatais.
    Fiquei vendo o céu sozinho, até por volta das 2h15min… Mas nada de ver o Lulin! Nem com binóculo! Observar cometa é difícil. Tem que estar em condições bem propícias. Local bem escuro é importantíssimo e pode ser a diferença entre o sucesso e a frustração.
    Acho que hoje vou me aventurar na zona rural! 😀
    Procurar um lugar beeeeem escuro (se o céu estiver limpo, claro!).
    Boas observações para todos nós!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *