Foi culpa da gripe

Calma. Não entrei em contato com pessoas que passaram pelo México e também não como carne de porco – piadinha infame, bem assada ou cozida está livre do vírus da gripe suína. Na realidade, peço desculpas pela falta de posts.
Fiquei uma semana com gripe, desde terça-feira. Apesar de ser raro apresentar qualquer “ada” ou “ite” que o valha, tive todos os sintomas da gripe possíveis. Tanto que, ainda hoje, sinto seus resquícios. O que, a partir de já, não me impedem de blogar!
De qualquer maneira, a gripe me obrigou a refletir e ler sobre a vida em metrópoles como São Paulo. A capital está entre as dez melhores cidades para se visitar no mundo, segundo o guia de viagens Lonely Planet. Sua arquitetura, ritmo de trabalho, opções de entretenimento e arte, bares e restaurantes, moradores são cativantes.
A contradição é que essa loucura encantadora também nos adoece. Enquanto os sortudos franceses batem o recorde dormindo nove horas por dia, cerca de 30% dos paulistanos dormem mal. Eles trabalham cada vez mais de quarenta horas por semana, passam mais que duas horas no trânsito todo dia, almoçam em minutos, sentem a pressão de ser onipresentes em todos os eventos culturais e sociais.
E tudo isso me fez lembrar do chamado Slow Movement. De maneira resumida, ele é um movimento em busca de uma vida mais calma e simples. Vale visitar o site, em inglês. Sem pretensões de mudar a característica intrínseca da pilhada São Paulo, minha ideia é que todos paremos um pouco. Para refletir.
Por isso também separei testes sobre qualidade de vida:
Criado por uma médica
Do Uol
Da Globo.com
Da Veja

O talento educa-se na calma, o carácter no tumulto da vida,

Goethe.
Obs.: A foto eu tirei do viaduto Santa Efigênia, em São Paulo.

7 comentários em “Foi culpa da gripe”

  1. Êta, menina arretada! Escreve bem e fotografa idem! Enfim, a velha gripe não vai mesmo embora em menos de uma semana. O jeito é tomar alguns remédinhos para aliviar e ficar, sempre que possível, na cama, com o máximo possível de ar puro e longe de todo tipo de poluição, inclusive sonora. Ou seja, não é fácil, mas…
    PS- Me desculpe pela curiosidade, mas por que você diz que cresceu em um ambiente de cientistas malucos? São seus pais?

  2. Êta, menina arretada! Escreve bem e fotografa idem! Enfim, a velha gripe não vai mesmo embora em menos de uma semana. O jeito é tomar alguns remédinhos para aliviar e ficar, sempre que possível, na cama, com o máximo possível de ar puro e longe de todo tipo de poluição, inclusive sonora. Ou seja, não é fácil, mas…
    PS- Me desculpe pela curiosidade, mas por que você diz que cresceu em um ambiente de cientistas malucos? São seus pais? E sobre o Slow Movement, estamos mesmo precisando MUITO de uma vida mais calma e simples. Dificíl será diminuir o consumismo…

  3. Miguel, obrigada! Adoro fotografar, apesar de não ser minha especialidade, rs. Bom, eu fui obrigada pela doença a me medicar e repousar… Só vendo! Quanto à sua curiosidade, meu pai e alguns tios são pesquisadores científicos. Então, cresci frequentando festas e afins repletas de pesquisadores. Uma delícia! Beijo

  4. Ísis, eu é que agradeço pela resposta. Já satisfez minha curiosidade (por enquanto). E me desculpe pelo erro de postar 2 vezes o mesmo, ou melhor, quase o mesmo comentário. INTÉ A PRÓXIMA! Beijim!

  5. Isis, descanses mais menina.. e não te atires ao caos urbano ;-)) .. .. Penso que a melhor medida para uma boa qualidade de vida, é o sono. Quando eu morava no RJ, até um mes atrás, dormia pouco e mal… agora de volta à minha terra sulina (e não suína, por favor), durmo 9 horas por dia, e muito bem obrigado… …a volta ao lar sempre nos recompõe os ânimos… 😉
    Boas escritas…
    Aex..

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *