Cresce a incidência mundial de câncer de pulmão

O Instituto Nacional de Câncer (INCA) alerta: houve um aumento anual de 2% na incidência mundial de câncer de pulmão. Mais de 85% dos casos estão relacionados ao fumo e poderiam ser evitados com o abandono do tabagismo.
Em 2000, ocorreram cerca de 15 mil mortes devido à doença. Em 2008, o INCA estimava um número superior a 27 mil falecimentos – ou 19 casos novos a cada 100 mil homens e 10 em 100 mil mulheres.
O câncer de pulmão é o mais comum entre todos os tumores malignos. No Brasil, o responsável pelo maior número de vítimas. Isso porque, na maioria das vezes, seu diagnóstico é feito tardiamente. Por isso os médicos indicam a prevenção – não fumar.
“A quantidade de casos originados pelo tabaco é imensamente maior que outras causas isoladas, ou seja, sem história de tabagismo associado. Mas elas existem, tendo sua importância em contextos específicos como a poluição ambiental, exposição ao asbesto – amianto, usado para fabricar telhas – ou radiação”, diz Marcos Paschoal, membro da Comissão de Câncer de Pulmão da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia.
Sintomas e tratamentos
Tosse, falta de ar, escarro com sangue e dor torácica são as principais queixas que levam os pacientes ao consultório médico. Este pedirá uma radiografia do tórax. Se ele notar alguma anormalidade, pedirá mais exames para checar o problema. Uma vez confirmado o diagnóstico, o tratamento pode incluir cirurgia, quimioterapia e radioterapia.

5 comentários em “Cresce a incidência mundial de câncer de pulmão”

  1. Isis, notícias envolvendo estatísticas às vezes são capciosas. Eu acho que o numero de mortes registradas ano passado reflete toda a historia demográfica e de consumo de cigarro de décadas anteriores, pois o efeito do mesmo nos pulmões é lento e acumulativo.
    Ou seja, mesmo que a partir de hoje todo brasileiro parasse de fumar, ainda veríamos por vários anos um aumento do número de mortes por câncer do pulmão com origem tabagistica.
    Além do mais, acho que nessa conta de aumento de 15 mil para 27 mil mortes no período de nove anos (2000-2008), deveríamos descontar o aumento populacional, ou o aumento populacional da década anterior, ou mesmo das décadas anteriores, acho (para dar tempo das pessoas crescerem, se viciarem e apresentarem cancer).
    Exemplo simplista:
    Com os dados citados abaixo, a população brasileira crescia 2.8% ao ano nas decadas de 40 a 80, que se refere a populacao que hoje começa a apresentar cancer.
    Mas os dados citados no seu post falam de um crescimento de 19 para 27 mil casos por ano, em nove anos. Ou seja, supondo um crescimento exponencial, teriamos: 19 x^9 = 27, o que dá x = 1,04 ou 4% ao ano.
    Portanto, o crescimento do cancer de pulmao efetivo é de 4-2,8 = 1,2% ao ano, bem menos impressionante. Dado que o consumo do tabaco cresceu a uma taxa bem maior nas decadas de 40-80 (ou seja, deveriamos levar em conta a fraçao da população exposta ao tabaco, e não a população em geral), eu chuto que na verdade, a taxa de crescimento de cancer de pulmao devido a tabaco está diminuindo, e pode ser mesmo negativa: ou seja, se o cancer de pulmao leva 20 anos para se manifestar, eu prevejo que o numero de canceres por tabaco em 2029 será bem menor que o de 2019 ou 2009, mesmo que não existisse a lei anti-fumo ou qualquer outra medida desse tipo, por um puro efeito de demografia e diminuição atual no consumo de cigarros observada entre os jovens.
    Ou seja, medidas como a lei anti-fumo etc ajudam a diminuir ainda mais as taxas, mas o efeito só será observado daqui a vinte anos. Da mesma forma, a taxa atual de canceres reflete a situação de 20 ou 30 anos atrás, de modo que a situação não é desesperadora nem está aumentando, mas sim melhorando, ao contrário da manchete do jornal que vc discute…
    oOo
    dados retirados de
    http://observasaude.fundap.sp.gov.br/BibliotecaPortal/Acervo/Estrutura_Demogr%C3%A1fica_Brasil.pdf
    Esse trabalho valeria um post, pois afirma que a população brasileira terá taxas de crescimento desprezíveis por volta de 2050, com um total de 250 milhoes de pessoas envelhecendo rapidamente…
    Entre 1940 e 1970 o Brasil experimentou um processo de rápido incremento demográfico, em virtude de seu alto crescimento vegetativo, não tendo as migrações internacionais exercido papel significativo. No período, a população passou de 41 para 93 milhões de pessoas, com taxa média de crescimento de 2,8% ao ano. Houve, inclusive, um aumento do ritmo de crescimento entre a década de quarenta e as duas seguintes, quando a taxa média anual passou de 2,4% para 3,0% e 2,9%, respectivamente.
    O aumento no ritmo de crescimento deveu-se exclusivamente ao declínio da mortalidade, com a esperança de vida ao nascer passando de 44 para 54 anos entre as décadas quarenta e sessenta. Neste intervalo, a fecundidade manteve-se em níveis altos, tendo a taxa de fecundidade total (TFT) decrescido apenas de 6,3 para 5,8 filhos por mulher. A evolução diferenciada da mortalidade e fecundidade fez com que a taxa bruta de mortalidade (TBM) caísse muito mais rapidamente do que a taxa bruta de natalidade (TBN), o que proporcionou, como conseqüência, uma ampliação significativa da taxa de crescimento corrente da população.1

  2. Quando tem link, ele vai parar no spam… Descobri agora.
    Você tem razão. Esse número deveria ser analisado considerando o aumento populacional. Por outro lado, não disse que a Lei Antifumo reflete nesses dados em específico. Só que médicos me afirmaram que deixar de fumar é o começo para evitar a doença. No mínimo, não piorá-la.

  3. Olá Boa tarde.
    Meu nome é Rafael, sou pesquisador sobre o câncer e suas patologias.
    Há algum tempo eu tive um caso bem grave de câncer na minha família, onde foi muito complicado lidar com isso, pois um
    tio meu estava bastante desanimado a abatido e procurava muita força comigo, então tive sempre que estar e me mostrar
    bem perante ele, para nunca desanima-lo do tratamento, pois também sentia muita falta do cigarro, o que lhe causou
    Câncer de Pulmão,no incício ele pensou que não fosse apenas uma “tossinha”, mas depois viu o grande problema que tinha.
    Um dia,na internet, procurando mais sobre câncer, foi onde encontrei o site institucional do Hospital de Câncer de
    Barretos, onde tirei muitas dúvidas que tinha e como ajudar a meu tio com seu caso, tendo muito apoio e juda com tudo
    que precisei.
    Quem quiser acessar e dar uma olhada:
    http://www.cliquecontraocancer.com.br
    Abraços a todos.

  4. Minha mãe morreu aos 61 anos, no dia 08 de agosto de 2011 com neoplasia de pulmão. Era fumante a mais ou menos 50 anos, diabetica, hipertensa e com problemas vasculares. Entre descobrir a doença e falecer foram apenas 20 dias, pois já estava num estágio avançado. Tudo é muito rápido. Andava, comia e falava e em dias a internei completamente prostata. Muito violento o processo. Gostei muito do comentário Osame Kinouchi, pois acredito que já tinha cancer a uns 20 anos, qdo sua saude começou aos poucos se deteriorar.
    Um abraço!
    Goreti

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.