O que você não sabia sobre a arqueologia da Amazônia

Há um tempo recebi da editora Jorge Zahar Editor o livro “Arqueologia da Amazônia”, escrito pelo pesquisador Eduardo Góes Neves. Ontem de madrugada, em uma deitada só, devorei a obra. O livro é interessante. Ele sintetiza e contextualiza a arqueologia e outras informações importantes sobre região amazônica – englobando todos os países da qual ela faz parte.
Segundo o autor, uma das ideias do livro é que as informações sobre o passado podem ajudar a solucionar a ocupação atual da região. Afinal, ao contrário do que muita gente pensa, a Amazônia já foi populosa. Comunidades com culturas completamente diferentes viveram ao mesmo tempo nela. Algumas eram agrárias ou possuíam diversas fontes de alimentos – como plantações e praticavam a caça -, outras formaram redes de cidades com estradas, algumas praticavam o comércio.
E a ocupação é antiga… Um dos sítios arqueológicos mais remotos da Amazônia é de 12.000 a.C – localizado no vale do rio Guaporé, em Mato Grosso. Temos muito o que descobrir e aprender com o passado do nosso país. Além disso, precisamos cuidar para evitar os saques e contrabandos que acontecem, possivelmente, todas as semanas. De acordo com o livro, a Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (Coiab) está pressionando para que os arqueólogos e órgãos públicos protejam o patrimônio. Como conhecer ajuda a preservar, selecionei algumas das informações interessantes que li no livro. Preciso compartilhá-las:

  • A ocupação da Amazônia nunca foi uniforme no espaço e no tempo;
  • Cidades contemporâneas como Santarém, Manaus, Manacapuru e Tefé foram construídas em cima de grandes sítios arqueológicos;
  • Nas zonas de estuário e do litoral, foram identificados sítios com algumas das cerâmicas mais antigas da América do Sul;
  • Na bacia amazônica, são faladas línguas de ao menos quatro grandes famílias distintas – tupi-guarani, arawak, carib e gê. A Europa, por exemplo, com exceção das línguas que foram introduzidas da África e da Ásia, possui apenas uma grande família linguística, a indo-européia;
  • Ao longo dos milhares de anos, o clima do planeta mudou e, consequentemente, a floresta amazônica. Entre 10.000 a.C. e 8.000 a.C., as condições climáticas e ecológicas da Amazônia eram semelhantes às atuais;
  • Os índios domesticaram – processo anterior à agricultura – uma série de plantas como o abacaxi, o amendoim, o mamão, a mandioca e a pupunha. É possível que a mandioca e a pupunha foram domesticadas onde hoje está o estado de Rondônia;
  • Na domesticação, algumas plantas desenvolveram uma dependência mútua com relação aos seres humanos. Por exemplo, algumas variedades da mandioca não lançam mais sementes ao solo. Seus galhos precisam ser quebrados e plantados pelos agricultores;
  • O solo amazônico é pobre, mas possuem faixas chamadas de “terras pretas” que são ricas em nutrientes – muito procuradas pelos agricultores atuais. Os arqueólogos acreditam que elas são o resultado do acúmulo de restos orgânicos de aldeias sedentárias de milhares de anos atrás.

Obs.: Quer saber mais sobre a Amazônia? Sugiro a leitura dos posts “A Amazônia não é virgem” e “Cientistas descobrem a idade do rio Amazonas“, este que escrevi para o Blog do Planeta. Também indico a leitura da matéria “Fique em dia com o planeta!“, no portal iG, para contextualizar mais.

5 comentários em “O que você não sabia sobre a arqueologia da Amazônia”

  1. Isis, qdo eu morava em Santarém, lembro que os caras que jogavam “peladas” nos campos de areia próximos ao rio Tapajós, sempre achavam pedaços de cerâmica tapajoara ou utensílios inteiros. Há uma pesquisa hj coordenada pela Ana Roosevelt em uma praia perto do porto graneleiro instalado na cidade.

  2. Li há muitos anos num relatório da ONU, que os Caiapós têm uma cultura milenar, que inclui um manejo ambiental florestal, de modo que, em muitos locais onde o homem branco vê apenas floresta, é na verdade fruto de cultivo milenar, podendo-se encontrar à beira das rotas migratórias e de caça, todos os vegetais necessários à sobrevivência: comestíveis (para homens e caças), utilitários e medicinais. Há inclusive uma região sagrada onde eles cultivam um banco genético de todas as plantas das quais sua cultura se apóia.

  3. Alessandra, você morou em Santarém!?! Que inveja branca dessa história!
    Gustavo, obrigada!
    Luciano, que interessante. Bem típico, mesmo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *